Novas regras do TSE tornam a votação eletrônica ainda mais confiável nas próximas eleições

Urna consciente | Humor Político – Rir pra não chorar

Charge do Pelicano (Arquivo Google)

Renata Galf
Folha

Em 2021, a proposta da impressão do voto junto à urna foi derrotada na Câmara dos Deputados, apesar da intensa pressão feita pelo presidente Jair Bolsonaro sobre os parlamentares. Havia especialistas que defendiam o voto impresso, porque a medida aumentaria a transparência da votação, mas mesmo eles já consideravam satisfatória a auditabilidade da fase de transmissão e totalização, através do boletim de urna.

Quando o horário do pleito termina, é gerado o boletim de urna, que é assinado digitalmente e criptografado antes de ser impresso. Ele traz, entre outros itens, o total de votos registrados no equipamento por candidato e partido.

CINCO VIAS – O boletim de urna é impresso obrigatoriamente em cinco vias, assinadas pelo presidente da seção e por fiscais dos partidos presentes. Depois disso, uma via é colocada na porta da seção; três são colocadas na ata e enviadas para o respectivo cartório eleitoral; e a última é entregue aos fiscais dos partidos.

A comparação das somas dos boletins de urna impressos com os resultados contabilizados pelo TSE permite auditar que tanto a transmissão quanto a totalização dos votos ocorreram corretamente.

A partir da coleta desses boletins físicos já era possível somar o total de votos no mesmo dia da eleição. E após a disponibilização de cópias online dos boletins de urna no site do TSE, também já era possível conferir se os boletins coletados ou fotografados nas escolas batiam com os publicados online.

FAZER AMOSTRAGEM – Assim, já é possível garantir a correspondência dos dados através de uma amostragem de parte de boletins impressos e, com isso, a partir de uma somatória dos boletins, auditar a totalização do TSE.

Nas eleições de 2022, a novidade é que o TSE anunciou que passará a divulgar os boletins de urna na internet em tempo real ao recebimento, antes eles eram disponibilizados três dias depois do pleito.

Assim, apenas com uma parcela dos boletins físicos, é possível conferir por amostragem se o registro em papel bate com o online, ou seja, se não houve manipulação depois da impressão até a transmissão. Na sequência, pode-se contabilizar o restante dos boletins online sem necessariamente ter que ir a cada seção eleitoral para recolher ou fotografar os documentos.

ERA POSSÍVEL ANTES? – Ainda que não em tempo real, fazer essa conferência já era possível nas última eleições, já que tanto o boletim de urna impresso quanto o online poderiam ser acessados por qualquer pessoa.

Confira as informações que constam no boletim de urna: Total de votos por partido; Total de votos por candidato; Total de votos nominais; Total de votos de legenda, no caso de deputados; Total de votos nulos e em branco; Total de votos apurados; Eleitorado apto para votar na seção; Identificação da seção e da zona eleitoral; Hora do encerramento da eleição; Código interno da urna eletrônica; Sequência de caracteres para a validação do boletim.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A reportagem de Renata Galf, simples e precisa, mostra como pode ser feita a auditagem das urnas, com a maior facilidade, trazendo resultados totalmente confiáveis para as eleições majoritárias, como já vem sendo feito nas eleições municipais em cidades menores, com alto grau de precisão, conforme a jornalista mostrou em reportagem publicada nesta sexta-feira. Assim, mais uma vez fica comprovado que as acusações feitas por Bolsonaro efetivamente não têm a menor procedência. (C.N.)

6 thoughts on “Novas regras do TSE tornam a votação eletrônica ainda mais confiável nas próximas eleições

  1. Uau! Com as novas regras do TSE até que enfim os países democráticos poderão adotar a urna INAUDITÁVEL.

    Aproveitando a deixa, o boletim de urna referido na reportagem da imprensa narco-socialista é aquele documento que os peritos da PF conseguiram fraudar nos testes de 2018?

  2. Espero sempre que a eleição seja honesta para que o eleito realmente represente a maioria.
    Eu passei a duvidar do somatório dos votos quando em 2014 Aécio Neves só perdeu para Dilma na apuração das últimas urnas do norte do país.
    A diferença foi muito menor do que o esperado.
    Para mim ficou a impressão de que o algoritmo de desvio de votos não estimou a grande vantagem de Dilma.
    O PSDB até ensaiou um pedido de recontagem porém estranhamente a Diretoria retirou o pedido.
    Espero que realmente não haja trapaça. Que a maioria vença.

  3. “Os EUA vangloriam-se da sua guerra de informação contra a Rússia
    – Uma vez, o ex-diretor da CIA William J. Casey disse abertamente ao presidente americano Ronald Reagan e a outros assessores durante uma reunião na Casa Branca: “Saberemos que o nosso programa de desinformação está completo quando tudo aquilo em que o público americano acreditar for falso”.
    Strategic Culture [*]”

  4. Desconfio da defesa levada as raias da insanidade que fazem para não deixar as atuais urnas com voto impresso.
    Qual o grande mal, qual desgraça ocorreria com o voto impresso? Entenda-se que o voto impresso NÃO é aquele que o ministro Barroso definiu, ele bem sabe a que se refere, mas como outros manipuladores adotam essa narrativa da esquerda.

  5. As urnas eletrônicas são perfeitas, o problema não está no sistema de votação e apuração mas isto sim no sistema político apodrecido. E a tsunami de votos brancos, nulos e abstenções contra o continuísmo do dito-cujo vai provar isso. E quem viver verá. Bora lá pessoal encher as urnas de votos brancos, nulos e abstenções, pasmem, a motivação, a luz e a esperança de mudanças de verdade que nos restou via urnas, face à velha$ via$ impostas pela ditadura partidária dos donos de partidos, que, nadando de braçada nos seus fundões partidários bilionários, às custas do sangue, suor, vidas e lágrimas da população sofrida, mais quebrada do que arroz de terceira, não têm do que reclamar.

  6. Se Bolsonaro perder vai ter golpe, se ganhar foi golpe, sem morrer foi o golpe fatal, se ficar aleijado e beber caldo de cana é preparação de golpe, se perder uma perna vai ser o perneta golpista, se andar a cavalo, o golpista veio a cavalo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.