Nove ex-presidentes do IBGE desconfiam da inflação de apenas 0,07% em março

Charge do dia - Inflação

Charge do Clayton (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Nove ex-presidentes do IBGE, entre eles Simon Schwartzman. divulgaram documento que abertamente acentua haver desconfiança quanto ao cálculo da PNAD relativo ao mês de março. A iniciativa dos ex-presidentes exibe dúvida quanto ao trabalho da direção atual do Instituto, porque os signatários estão tentando saber os nomes dos que responderam as perguntas e também os telefones utilizados.

É claro que essa iniciativa trás consigo uma desconfiança quanto ao resultado, pois não interessam os nomes dos que responderam ao telefonema e tampouco seus telefones.

PRESSIONAR O IBGE – É uma forma, isso sim, de colocar dúvida quanto à pesquisa em sicamuflada pela identificação nominal que não interessa no caso. O pedido dos telefones que conduziram as perguntas e respectivas respostas, é claramente redigido para pressionar o Instituto, que, se não conseguir revelar os nomes, poderá ingressar numa nuvem de sombra a respeito do conteúdo final do documento.

Isso de um lado, ocupado pelos nove ex-presidentes. De outro lado, os partidos PSDB, PSB, PSOL e a Ordem dos Advogados do Brasil ingressaram com ações no Supremo Tribunal Federal para que exija a resposta às perguntas. Se o IBGE não fornecer os elementos citados é porque, pensam os signatários, a pesquisa colide com a realidade.

Os preços do mês de março, como é do conhecimento geral, foram reajustados e não estagnados.                      

DILEMA DO MINISTRO – Em outra área, da Saúde, o novo ministro Nelson Teich tenta harmonizar com a realidade a opinião de Bolsonaro sobre a pandemia;

Segundo afirmou ontem ao Globo, em matéria de André de Souza, Renata Mariz e Leandro Prazeres, o ministro Nelson Teich está tentando nitidamente um equilíbrio entre sua ação à frente do Ministério da Saúde e a disposição de Bolsonaro de liberar para o comércio parte do isolamento colocado em vigor pelo ex-ministro Henrique Mandetta.

Isso porque, pessoalmente, o titular da Saúde, em artigo que publicou em abril em uma revista científica, deixou claro considerar o isolamento a medida capaz de diminuir substancialmente a contaminação pelo coronavírus.

Portanto, o ministro, que assistiu as manifestações de Brasília pela televisão, penso eu, ficou contrariado com a aglomeração em Brasília com a presença de Bolsonaro.

POSIÇÃO DIFÍCIL – A meu ver, sua posição é difícil, em face da disposição de Bolsonaro em reduzir imediatamente o isolamento.

Se for colocada em prática essa fórmula, o governo federal entrará em rota de colisão com os governadores da grande maioria dos estados da Federação, além de inúmeros prefeitos, que pretendem prorrogar o isolamento.

3 thoughts on “Nove ex-presidentes do IBGE desconfiam da inflação de apenas 0,07% em março

  1. Índices oficiais de inflação aqui no Brasil, não são historicamente confiáveis. Em 28/Fev/ 1986, Dilson Funaro (Plano Cruzado) decretou o congelamento de todos os preços. 30 dias depois, as pessoas só conseguiam comprar mercadorias pagando ágio.
    O Instituto Pini de São Paulo, mostrava mês a mês esta inflação real, enquanto o IBGE e a Fundação Getúlio Vargas mostravam inflação zero. Até que em Novembro/1986 estourou.

  2. Tudo bem Victor estourou mesmo mas, o ministro Funaro avisou sistematicamente que se fazia necessário a adequação dos preços à realidade mas, o partido Traidor MDB, para se tornar hegemônico politicamente não deixou e segurou os preços, o que levou o partido a atingir o objetivo deles e mandar para as Calendas o plano e o ministro Dílson Funaro.
    Vamos de traição em traição até agora quando votei no Bolsonaro com o compromisso com a verdade e está como está.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *