Novo ministro da Justiça volta a falar em mudança na Polícia Federal

Jardim tomou posse em clima de expectativa

Deu na Folha

Minutos depois de tomar posse, o novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, afirmou nesta quarta-feira (31) que a Lava Jato não é um programa de governo, mas de Estado, e que vai “conhecer e conversar” com o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, antes de fazer possíveis mudanças na corporação. Questionado se descartaria a troca na PF, o ministro pensou por alguns segundos e disse que “o mundo não é maniqueísta”.

Segundo o ministro, uma eventual troca no comando da PF não significaria um freio à Lava Jato, que investiga o presidente Michel Temer e oito de seus ministros, e que o tempo de permanência de Daiello à frente da instituição não será levado em conta como critério para substitui-lo. O diretor-geral comanda a PF desde 2011.

PROGRAMA DE ESTADO – “A Lava Jato é um programa de Estado, não é coisa de governo, nem do Ministério Público”, disse o ministro. “O Brasil é institucional, não é personalista. Seja quem for, na Operação Lava Jato, na Polícia Federal, no Ministério Público Federal, o programa continuará. Ele não depende de pessoas”, completou.

O novo ministro afirmou que na próxima sexta-feira (2) viajará com Daiello para Porto Alegre, para a posse do novo superintendente da PF, a convite do diretor-geral. “São quatro horas ida e volta. Vai dar para conversar”, disse.

Ainda de acordo com Jardim, seu método é conhecer a instituição antes de fazer mudanças, o que pode levar “dois meses” ou mais.

SEM BLINDAGEM – Sob notícias de que foi nomeado para o Ministério da Justiça para que o governo Temer tivesse mais controle sobre a PF e, consequentemente sobre a Lava Jato, o novo ministro disse que “em nenhum momento” afirmou ter qualquer intenção de “blindar” a operação.

TSE

O novo ministro negou as informações de que sua nomeação influenciará na decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que julgará, a partir de 6 de junho, a ação que pode resultar na cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.

De acordo com o ministro, se ele tivesse tanto “prestígio” diante dos tribunais superior, voltaria para a advocacia e não assumiria o Ministério da Justiça. “Se fosse para fazer alguma coisa nas sombras, eu continuava na Transparência”, disse em referência ao ministério que ocupava antes de ser convidado por Temer para substituir Osmar Serraglio na Justiça.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Na cerimônia, Temer disse que “o Brasil vive momentos de grandes conflitos constitucionais”, mas esqueceu de destacar que o maior culpado é ele mesmo. O presidente parece estar vivendo num outro mundo, num outro país, numa outra realidade. Se continuar assim, em breve estará fazendo discursos sobre a mandioca ou a estocagem de vento. (C.N.)

7 thoughts on “Novo ministro da Justiça volta a falar em mudança na Polícia Federal

  1. nunca vi tanta arrogância em uma pessoa só,saiu distribuindo coices nos jornalistas.realmente ser jornalista é um exercício de paciência.

  2. Não fazem nada que o povo aspira, além daquilo que proteja os amigos da Carne Fraca.
    E esses tontos um dia vão morrer e feder. Parece que se esqueceram que são mortais.

  3. Daqui a pouco esse tipo grosseiro se vai, porque o mordomo irá. Não é possível que 200 milhões aguentemos isso por muito tempo.A quadrilha que substituiu a anterior não serve para nada.

  4. Saindo do assunto da postagem. É um assunto que me intriga: Ministério da Transparência! Que ministério é esse? Fui aos dicionário, fui ao Priberan, e encontrei definições e conceitos iguais:
    “A transparência é a virtude que impede a ocultação de alguma vantagem pessoal, a ocultação de alguma fraqueza pessoal, a ocultação de alguma miséria pessoal. Por meio da transparência, a pessoa é o que é, nem melhor e nem pior! A transparência revela tanto o que a pessoa é, como o que a pessoa tem! A verdadeira transparência não exagera, não inventa vantagens e nem desvantagens! É um dos mais válidos recursos de prevenção contra o pecado. Sabe por que? Porque a transparência, obriga a pessoa a se conhecer e a tomar os devidos cuidados.”
    Será que tal ministério vai fiscalizar todos os outros para ver se são transparentes?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *