Novos depoimentos complicam a situação de Vaccari, o operador do PT

Resultado de imagem para joao vaccari charges

Charge do Jorge Braga (Jornal Opção)

Deu em O Tempo
(Agência Estado)

O empresário Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia – réu e delator da Lava Jato – disse nesta segunda-feira (8) que sua empreiteira e outras que formavam o cartel que se instalou na Petrobras entre 2004 e 2014 pagavam propinas “porque eram instados a colaborar”. Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, na condição de testemunha arrolada pela Procuradoria da República na ação penal em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil dos Governos Lula e Dilma) são réus por suposta lavagem de dinheiro, o empreiteiro relatou que 1% do valor de contratos com a estatal petrolífera era destinado a agremiações políticas, segundo ele o PP e o PT.

Ele afirmou que nunca chegou a “tratar desse assunto” com Palocci e nem com Lula. Tratava todas as propinas com João Vaccari, o tesoureiro e operador do PT.

ERA OBRIGAÇÃO – “Eu diria que se pagava propinas porque nós éramos instados a colaborar, tanto para o PP, através do diretor Paulo Roberto (Costa, ex-diretor de Abastecimento da estatal), através do José Janene (ex-deputado apontado como o mentor do esquema de propinas na Petrobras), isso depois ficou a cargo do Alberto Youssef (doleiro). E à Diretoria de Serviços, que ficava uma parte dentro da ‘Casa’, como eles chamavam, dentro da própria companhia (Petrobras), com o (Pedro) Barusco. Eventualmente, pode ser o diretor (Renato) Duque. E uma parte pro João Vaccari (ex-tesoureiro do PT), que era para o Partido dos Trabalhadores ”

“Porque se pagava isso é porque nós éramos cobrados”, afirmou o empresário que fez delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. “Eu encaminhava (a propina) através dessas pessoas que eu falei, eu tinha contato com o João Vaccari, como tinha com o José Janene (morto em 2010), e depois Alberto Youssef tomou iniciativa de substituir durante um período, mas não conseguiu.”

PERGUNTAS DIRETAS – Ao final do depoimento, o juiz Sérgio Moro fez perguntas a Ricardo Pessoa.

Era com o sr. João Vaccari que o sr. tratava?”
 – Sim, senhor.

“As contribuições políticas, o sr. mencionou repasse de valores aos partidos políticos que apoiavam os diretores (da Petrobras), isso?”
– Exatamente, excelência.

“As tratativas se deram com o sr. Vaccari?”
– Sempre.

“Chegou a tratar desse assunto com o sr. Antonio Palocci?”
– Nunca, senhor.

“Chegou a tratar desse assunto com o ex-presidente Luiz Inácio?”
– Não, senhor.

“Esses valores repassados, a parte política através do sr. João Vaccari, ia para a direção nacional do partido?”
– Na grande maioria para o diretório nacional, sede em São Paulo.

“Sabe a destinação disso, dentro do Diretório Nacional, se ia para a campanha? Para onde?”
– O que me era dito era sempre para reforçar o caixa das campanhas, mas a grande maioria das contribuições era feita fora das campanhas.

“Também repassou valores em propinas de contratos da Petrobras para campanhas presidenciais?”
– Não, senhor.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGFica cada vez mais claro que operador direto era Vaccari, que começou a atuar no esquema antes mesmo de ser indicado por Lula para tesoureiro do PT. O ex-ministro Palocci atuava num outro nível, estava um degrau acima. E Lula, lá no topo da pirâmide, fingindo não saber de nada, como é seu estilo (e de Dilma). (C.N.)êãmide

3 thoughts on “Novos depoimentos complicam a situação de Vaccari, o operador do PT

  1. Merval Pereira alerta o juiz Sergio Moro:

    Ao utilizar o Facebook para um chamamento aos ‘apoiadores da Operação Lava-Jato’ para que não façam manifestações em Curitiba amanhã, dia em que Lula será interrogado, Moro deu margem a que os advogados do ex-presidente o acusassem de ter um lado no processo que julgará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *