Num filme sem mocinhos, Aras se torna procurador particular de Bolsonaro

TRIBUNA DA INTERNET | Aras mente ao dizer que tem provas contra a ...

Charge do Clayton (O Povo/CE)

Daniel Aarão Reis
O Globo

‘Não me venha satanás pregando quaresma.’ A reprimenda não foi apresentada por nenhum pastor a alguma ovelha desgarrada, fez parte da fala de Augusto Aras, procurador-geral da República, em reunião do Conselho Superior do Ministério Público Federal, realizada em 31 de julho passado. Sua Excelência denunciou manobras ocultas sob “covarde anonimato”, aparelhamento da instituição por lideranças anarcossindicalistas, fake news e mentiras contra si mesmo e sua família, divulgadas por uma imprensa que “baba”.

Numa curva surpreendente de sua catilinária, permitiu-se invocar verso doce de Mario Quintana: “Eles passarão (eles quem?), eu (ele mesmo) passarinho”. E terminou proclamando sólidos princípios: república, democracia, legalidade e moralidade. Feito o que, encerrou a fala e, no embalo, também a reunião, sem dar voz ao contraditório, esta augusta tradição jurídica.

CONTRA A LAVA JATO – A reunião foi mais um episódio da contenda que opõe Aras à Operação Lava-Jato, coordenada pelo procurador Deltan Dallagnol e cujo mentor, até 2018, era o Juiz Sergio Moro.

Aras, como se disse, é procurador-geral da República, mas é também procurador particular de Jair Bolsonaro, que o nomeou para o cargo e acena com uma possível indicação de Sua Excelência para ministro do Supremo Tribunal Federal.

E o que isso tem a ver com a Operação Lava-Jato? Bolsonaro não se elegeu, em grande parte, graças ao trabalho da Lava-Jato, que demoliu o sistema político e suas lideranças, abrindo portas para a candidatura do ex-capitão do Exército, figurado como outsider? Não foi graças a isso que Moro se tornou ministro da Justiça?

VIROU PASSADO – Tudo isso é verdade, ou melhor, foi, pois agora virou passado. No presente, Moro, demitido do cargo, tornou-se acusador do presidente e, no futuro próximo, aparece como candidato alternativo a Bolsonaro.

Tornou-se, assim, imperativo para o presidente enfraquecer Moro, cuja imagem se desgastou com as revelações da Vaza-Jato. Por elas se soube o que muitos já desconfiavam: Moro-Dallagnol não agiam como procurador e juiz, porém como justiceiros, coligados, compartilhando ações, avaliações e investigações.

Aras-Bolsonaro querem agora aprofundar o desgaste, levá-lo ao grau da destruição. E é por isso que os dois querem pôr a mão nos acervos e arquivos da Lava-Jato. Suspeitam encontrar aí malfeitos e ilegalidades apenas entrevistos, suspeitados, todavia não comprovados até agora.

OS MESMOS PRINCÍPIOS – Os procuradores da Lava-Jato protestaram. Não querem por nada deste mundo compartilhar seus arquivos. E invocam os mesmos princípios de Aras: república, democracia, legalidade e moralidade. O caso subiu ao STF, pois, neste país, qualquer briga de botequim acaba na mais alta Corte.

A velocidade do julgamento, é claro, depende do botequim e dos envolvidos na briga. Como os deuses do Olimpo estavam de férias, Dias Toffoli, o presidente, decidiu a favor de Aras, que, numa conversa com advogados, cobriu a Lava-Jato de críticas, sendo acusado pelos adversários de ter desconstruído a imagem do MP. A querela conheceu nova reviravolta, pois, voltando de merecidas férias, o ministro Edson Fachin, relator do caso, decidiu pelos procuradores e anulou a decisão de Toffoli.

NOVOS CAPÍTULOS – Essa novela, contudo, está longe do fim. De parte a parte, os princípios invocados são os mais altos, embora sejam os mais baixos os golpes trocados por cima e por baixo da mesa e da cintura.

Não há dúvida de que todos os envolvidos são “homens honrados”, como disse Marco Antônio no enterro de Júlio César. Mas não é possível deixar de perceber uma sensação de que algo, e algo muito grande, está podre no reino da Dinamarca, para citar mais uma vez o Bardo.

De sorte que brota uma sensação de descrença entre os que acompanham a discórdia. Estaríamos então num mundo sem esperança? Não há condições de torcer por ninguém neste filme sem mocinhos? A melhor alternativa é torcer para que a briga continue ainda por um bom tempo. Pois é pelos bate-bocas nas alturas que os cidadãos comuns podem conhecer — e decifrar — os segredos da Casa-Grande.

5 thoughts on “Num filme sem mocinhos, Aras se torna procurador particular de Bolsonaro

  1. Carlos Marchi (via Facebook)

    Eduardo Bolsonaro entregou a lista de servidores antifascistas feita pelo MJ à Embaixada dos EUA.
    Isso quer dizer que Eduardo Bolsonaro admira mais os EUA do que o Brasil.
    Que, do ponto de vista dele, Eduardo Bolsonaro se preocupa mais em proteger os EUA do que em proteger o Brasil.
    Fica óbvio que, se tiver de escolher entre o Brasil e os EUA, Eduardo Bolsonaro vai escolher os EUA.
    Isto é, Eduardo, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, traiu os interesses do seu país.

  2. A sorte esta lançada, com centrão, mas sem lava jato, até porque a “tchurma” não é adepta de “gastar vela com defunto ruim’.
    Então alguém teria que empunhar a marreta da demolição e parece que arranjaram um “marreteiro”.

  3. O Ministério Público Federal, o melhor instrumento da nossa deficiente estrutura legal, comparável com outros órgãos similares do mundo civilizado, nunca foi tão mal representado.
    O atual PGR deslustra a instituição que comanda, transformando-a em mero escritório de advogacia de uma candidato presidencial e tenta desmoralizar seus comandados funcionalmente, anulando assim, quaisquer esforços na fiscalização do cumprimento da Lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *