O AI-5, o vice-presidente Pedro Aleixo e o guarda da esquina

 Aleixo, ao inaugurar o Asilo Afonso de Morais

Carlos Chagas

O país vivia um de seus piores momentos, com as instituições em frangalhos e o poder militar oscilando entre o arbítrio, a ambição e boas intenções. O presidente era Costa e Silva, depois que Castelo Branco tomou o poder, prorrogou o próprio mandato, cassou montes de mandatos, inclusive JK, impôs eleições indiretas, dissolveu os partidos políticos e não conseguiu impedir seu ministro do Exército de sucedê-lo.

Ao tomar posse, Costa e Silva não dispunha de instrumentos excepcionais, como os Atos Institucionais 1 e 2 do período de Castello. Uma nova Constituição havia sido imposta pelo novo regime, dada a transformação do Congresso em final de mandato em singular Assembléia Nacional Constituinte. Até que seu texto era razoável, apesar de faltar-lhe legitimidade, pois não proveio da vontade popular, senão de políticos liberais mas nem tanto.

Quando assumiu, Costa e Silva dividiu seu governo em dois grupos:  ministros militares ou não, alinhados com tendências fascistas, e  políticos mais ou menos liberais, empenhados em conservar práticas democráticas e evitar retrocessos.

Durou pouco aquele convívio explosivo, já que do lado de fora alguns radicais decidiram catucar a onça com vara curta. Estudantes ocuparam as ruas depois que um de seus líderes foi assassinado pela polícia durante manifestações desimportantes. Começaram as pressões sobre Costa e Silva para que retomasse a linha do arbítrio.

Bem que tentou, mas não conseguiu.  Levado a assinar outro ato Institucional, pior do que os anteriores, ainda reuniu o ministério, quando a única voz favorável à preservação da normalidade  foi do vice-presidente Pedro Aleixo. Para conter a crise, ele sugeriu a decretação do Estado de Sítio.  Naquela hora sofreu veemente ataque do mais radical dos radicais, o ministro da Justiça, Gama e Silva, que o interpelou, indagando se desconfiava das mãos honradas do presidente Costa  e Silva, a quem caberia executar o AI-5.

O velho professor de democracia respondeu que das mãos honradas do presidente, jamais. Tinha medo era do guarda da esquina, que nessas ocasiões sempre se aproveita para praticar o arbítrio…

One thought on “O AI-5, o vice-presidente Pedro Aleixo e o guarda da esquina

  1. Carlos Chagas sempre defende o Costa e Silva, seu patrão. E acho muito estranho que a “Constituição” de 67 tenha revogado os Atos Institucionais 1 e 2, naquela época o vale tudo jurídico era total, como é que o Costa e Silva ia abrir mão dos Atos Institucionais anteriores? Pelo artigo, a pessoa que desconhece a história fica pensando que Castello Branco era o ditador e que Costa e Silva era o democrata. É o contrário do que faz Élio Gaspari em seus livros sobre a ditadura militar, todos contaminados pela sua parcialidade castelista. Aí Gaspari escreve aquelas babaquices do tipo “o sacerdote e o feiticeiro”, puxando o saco do Golbery que lhe cedeu os arquivos. A verdade é que os dois foram ditadores terríveis, e não pretensos democratas que seus amigos da imprensa querem fazer crer os incautos que não conhecem a nossa história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *