O amor à natureza, na visão de Affonso Romano de Sant’Anna

Resultado de imagem para affonso romano de sant'anna

Affonso diz, em versos, o que realmente gostaria

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

O jornalista e poeta mineiro Affonso Romano de Sant’Anna descreve os seus “Desejos” em versos de louvor à natureza.

DESEJOS
Affonso Romano de Sant’Anna

Disto eu gostaria:
ver a queda frutífera dos pinhões sobre o gramado
e não a queda do operário dos andaimes
e o sobe-e-desce de ditadores nos palácios.

Disto eu gostaria:
ouvir minha mulher contar:
– Vi naquela árvore um pica-pau em plena ação,
e não: – Os preços do mercado estão um horror!

Disto eu gostaria:
que a filha me narrasse:
-As formigas neste inverno estão dando tempo às flores,
e não:-Me assaltaram outra vez no ônibus do colégio.

Disto eu gostaria:
que os jornais trouxessem notícias das migrações dos pássaros,
que me falassem da constelação de Andrômeda
e da muralha de galáxias que, ansiosas, viajam
a 300 km por segundo ao nosso encontro.

Disto eu gostaria:
saber a floração de cada planta,
as mais silvestres sobretudo,
e não a cotação das bolsas
nem as glórias literárias.

Disto eu gostaria:
ser aquele pequeno inseto de olhos luminosos
que a mulher descobriu à noite no gramado
para quem o escuro é o melhor dos mundos.

2 thoughts on “O amor à natureza, na visão de Affonso Romano de Sant’Anna

  1. Um poema de Affonso Romano de Sant’Anna que faz doer na alma. Sim, porque uma separação dói e como dói.

    Desmontar a casa
    e o amor. Despregar
    os sentimentos das paredes e lençóis.
    Recolher as cortinas
    após a tempestade
    das conversas.
    O amor não resistiu
    às balas, pragas, flores
    e corpos de intermeio.

    Empilhar livros, quadros,
    discos e remorsos.
    Esperar o infernal
    juizo final do desamor.

    Vizinhos se assustam de manhã
    ante os destroços junto à porta:
    -pareciam se amar tanto!

    Houve um tempo:
    uma casa de campo,
    fotos em Veneza,
    um tempo em que sorridente
    o amor aglutinava festas e jantares.

    Amou-se um certo modo de despir-se
    de pentear-se.
    Amou-se um sorriso e um certo
    modo de botar a mesa. Amou-se
    um certo modo de amar.

    No entanto, o amor bate em retirada
    com suas roupas amassadas, tropas de insultos
    malas desesperadas, soluços embargados.

    Faltou amor no amor?
    Gastou-se o amor no amor?
    Fartou-se o amor?

    No quarto dos filhos
    outra derrota à vista:
    bonecos e brinquedos pendem
    numa colagem de afetos natimortos.

    O amor ruiu e tem pressa de ir embora
    envergonhado.

    Erguerá outra casa, o amor?
    Escolherá objetos, morará na praia?
    Viajará na neve e na neblina?

    Tonto, perplexo, sem rumo
    um corpo sai porta afora
    com pedaços de passado na cabeça
    e um impreciso futuro.
    No peito o coração pesa
    mais que uma mala de chumbo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *