O apagão do golpe

Sebastião Nery

Nos fins de 1963, os jornalistas Murilo Marroquim e Benedito Coutinho, os dois mais antigos repórteres políticos de Brasília, foram chamados à Granja do Torto, residência oficial do presidente. João Goulart os esperava à beira da piscina, sozinho, serviu uísque aos dois:

– Vocês já estiveram na Rússia?

Murilo já, Benedito não.

– Pois se preparem os dois. Muito em breve iremos a Moscou. Olha, isso é inteiramente confidencial. Só quatro pessoas sabem disso: eu, o embaixador soviético e, agora, vocês.

Deu uma volta na piscina, pensando, voltou eufórico:

– Vamos construir a hidrelétrica de Sete Quedas (Itaipu).

***
ITAIPU

Os dois ouviam espantados, em silencio :

– Com que recursos, presidente?

– Financiamento russo a juros minimos. Grandes exportações de produtos agrícolas brasileiros para a União Soviética, para facilitar o pagamento. São 12 milhões de quilowatts. Técnicos brasileiros e soviéticos. Três planos quinquenais. Sós os russos possuem, hoje, turbinas para o porte de Sete Quedas. Já acertei com o Stroessner (presidente do Paraguai). A energia ociosa do Paraguai será comprada por nós. O embaixador soviético me disse que seu país não tem o menor interesse em disputar o mercado ocidental. Interessam-lhe obras como a de Assuan, no Egito. Ou Itaipu.

***
JANGO

Os dois continuaram em silencio, surpresos, Jango sorriu:

– Vocês não acreditam? Tem mais. O plano global inclui a ligação do Amazonas ao Prata. Vamos realizar o velho sonho brasileiro.

Murilo Marroquim interrompeu:

– O plano é maravilhoso, mas o senhor não vai executar. É uma obra monumental, mas é uma obra política. A Rússia não fará uma Assuan na América Latina.

– Somos um país livre, independente. Contarei com o apoio das Forças Armadas para resistir a qualquer pressão externa, e com o povo. Vou fazer.

Três meses depois Jango era derrubado. Itaipu foi feita com dinheiro ocidental, a juros máximos e apagões eventuais. À falta de melhor desculpa para o apagão que houve em Itaipu, Lula, Dilma e Lobão poderiam ter culpado o golpe de 64.

***
CHUTES

Lula não engana. Mente e assume. Sobre o apagão de Itaipu, disse na época:

– “Não vou chutar nesse (sic) assunto”.

Nos outros assuntos ele continuará “chutando” à vontade.

***
FAZ DE CONTAS

Segundo Lula, cada dia mais metido a mussolinizinho de Caetés, “a imprensa é para informar e não fiscalizar”. E o governo continua uma Medida Provisória ou emenda à Constituição para controlar a imprensa.

 Com a experiencia do Mensalão, dos Sanguesugas, das Cuecas, dos Aloprados, o PT e seus financiadores empresariais querem o“direito legal”de roubarem em paz.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *