O Bosco da PUC

Sebastião Nery

Às 20 horas de 13 de dezembro de 1968, em Recife, no auditório da Universidade Católica, o estudante de Direito Bosco Barreto (João Bosco Braga Barreto), paraibano, orador da turma, começava o discurso de formatura fazendo comovida e entusiástica saudação ao “grande comandante revolucionário Ernesto Che Guevara”, que morrera um ano antes.

Muito azar. Naquele exato momento, em todas as rádios e TVs, Costa e Silva apavorava o País, lançando o AI-5 (Ato Institucional nº 5), jogando a Nação no mais fundo porão da ditadura. De manhã cedo, o Exército mandou buscar em casa “o Bosco da PUC”. Erraram de Bosco. Em vez do Bosco Barreto, o orador da turma de Direito, levaram o Bosco Tenório, também “Bosco da PUC”, aluno da PUC, jovem vereador recém-eleito de Recife. No quartel, foi recebido pelo major Raimundo Sá Peixoto.

***
BOSCO TENÓRIO

Desafiante, com o discurso na mão, o major lia uma frase e interrogava:

– Senhor Bosco, o senhor confirma este elogio desbragado a Che Guevara que o senhor fez ontem no seu discurso?

– Não confirmo não, major.

– Como não confirma? O senhor está louco? O senhor falou ontem à noite e hoje de manhã já não confirma? E este trecho aqui, o senhor confirma?

E o major Peixoto leu mais um longo pedaço do discurso e perguntou:

– E isso, confirma ou não confirma? Não sustenta o que disse ontem?

– Major, eu até concordo com o discurso que o senhor está lendo. Mas não confirmo nem sustento, porque não fui eu que disse isso. Quem falou foi o orador da formatura. Como é que eu podia ser orador de formatura, se não me formei e ainda sou estudante? Esse Bosco aí é outro Bosco, major.

O major quase esganou o Bosco numero 2. Em outubro de 69, o Bosco Tenório, valente vereador do MDB de Recife, hoje advogado, foi cassado.

***
BOSCO BARRETO

O Bosco Barreto, formado, voltou para sua terra, Cajazeiras, na Paraíba. Advogado dos camponeses fugidos da seca e do povão das periferias, ganhou enorme popularidade. Em 72, saiu candidato a prefeito pelo MDB, quase ganhou. Logo em seguida, organizou uma romaria a Juazeiro do Norte para agradecer os votos ao Padre Cícero. 30 mil romeiros atrás dele, todos a pé.

Em 74, Bosco Barreto se elegeu deputado estadual pelo MDB, com 9.326 votos, quase todos em Cajazeiras. Mas havia alguém muito importante que não gostava nada dele, e que ele também detestava e se combatiam: era o bispo de Cajazeiras por 40 anos, dom Zacarias Rolim de Moura.

Culto, dedicado ao ensino, diretor de colégios e do seminário, criador da Faculdade de Filosofia, dom Zacarias era um poço de conservadorismo e reacionarismo, crítico de dom Helder Câmara e dom José Maria Pires, o dom Pelé arcebispo de João Pessoa, e inimigo da Teologia da Libertação.

De repente, em 2 de julho de 75, às 21 horas, durante a exibição do filme Sublime Renúncia, que contava a história de um assalto a banco com bomba-relógio, uma bomba poderosa explodiu no cinema de Cajazeiras, abalando a cidade de 30 mil habitantes, matando duas pessoas, ferindo muitos.

***
DOM ROLIM

Escândalo nacional, em plena ditadura. A bomba explodiu exatamente ao lado da cadeira cativa do bispo, apaixonado por cinema, que escolhia os filmes em Recife e levava para lá. Naquela noite, por sorte, estava em Recife.

– “Atentado terrorista”, gritaram os jornais. O primeiro “suspeito” de organizar o atentado tinha que ser ele, o “subversivo” deputado Bosco Barreto. Outros suspeitos foram à linha-dura militar, para desestabilizar a “abertura” do general Geisel, como mais tarde fizeram no Riocentro e na OAB, no Rio.

Dez anos depois, já morando em Brasília, como advogado do CNPq e suplente de senador, Bosco Braga tentou reabrir o caso, mas nada se apurou.

Essa história está toda em um livro sobre a política da Paraíba e do Nordeste (Do Bico de Pena à Urna Eletrônica – Editora Bagaço, Recife, 2006), de Francisco Cartaxo Rolim, paraibano de Cajazeiras, advogado, economista, escritor, secretario de Planejamento do Estado, chefe de gabinete da Sudene e parente de dom Zacarias Rolim.

***
DIRCEU

José Dirceu, embora tenha aprendido em Cuba, também não instala bomba. Muito menos embaixo de bispo. Mas insiste em dizer que era um “Bosco da PUC”: quem fazia nunca era ele, era sempre o outro. Quem criou e comandou o Mensalão, para comprar a maioria da Câmara, não foi ele, foi o “fazendeiro” Delúbio.

Até que afinal o Supremo Tribunal vai começar a julgar a “quadrilha” dos 40, cuja “cabeça” era Dirceu, com Waldemar Costa Neto, João Paulo Cunha, José Mentor, o Professor Luizinho, a Baleia Amarela, mensaleiros, cuequeiros, sanguessugas e aloprados.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *