O Brasil só pode ser um país muito louco

Guilherme Almeida

Estava no site G1, seção de Economia, na página “Quanto pagamos de Impostos?”. Busquei por “medicamentos” e então apareceram as opções: “Medicamentos de uso Humano” e “Medicamentos de uso Animal”. Continuei a busca e, para minha surpresa, obtive as seguintes respostas:

  • Medicamentos de uso Animal: 11,31% de impostos no preço
  • Medicamentos de uso Humano: 33,87% de impostos no preço

Que dizer que, se eu comprar um antibiótico para meu animal de estimação, eu pago menos impostos do que se eu comprar o mesmo produto para meu filho… Chego à conclusão que no Brasil os animais valem mais do que os humanos.

Se você duvida, leia em: http://especiais.g1.globo.com/economia/2015/quanto-pagamos-de-impostos/

25 thoughts on “O Brasil só pode ser um país muito louco

  1. Eles, estes governantes não percebem que o animal irracional não trabalha, mas o animal racional trabalha e acaba pagando pelos dois, este país não quer saber disso, quer é ter impostos para manter as mordomias que o poder lhes dá.

    • Prezado Roberto, com todo respeito, os animais irracionais trabalham sim: cães são amestrados pelas forças armadas, polícias, guardas municipais, também acompanham-guiam deficientes visuais, tomam conta das casas, fazem companhia aos idosos isso é trabalho; gatos são utilizados pela indústria de cosméticos, muitos ficam até cegos (veja o filme “A carne é fraca”, youtube, Instituto Nina Rosa); da minha janela vejo aves trabalhando e construindo os seus ninhos; gado leiteiro trabalha fornecendo leite, gado de corte trabalha oferecendo suas preciosas vidas para nós, carnívoros. Insetos idem: Tenho amigos que possuem minhocários e elas, minhocas, trabalham oxigenando a terra para a horta; abelhas trabalham nas colméias. A meu ver, de acordo com o Budismo, todos os seres vivos trabalham, até os vegetais trabalham ajudando na fotossíntese… e por isso há um princípio básico nesta Filosofia: “um dia sem trabalho um dia sem comida”.

  2. Meu caro Guilherme Almeida,
    Lamento dizer, mas os animais valem mesmo muito mais que os animais que nos governam!
    Os irracionais valem mesmo muito mais que os animais do Congresso, então sob esta ótica os impostos estão de acordo.
    Agora, estão desequilibrados pela forma que o governo nos trata, como se fôssemos animais, então coloca sob nossos ombros esta carga tributária animalesca porque não zurramos como burros, suportamos o peso como se mula fôssemos, razão pela qual vem mais uma carga suplementar, a CPMF, então talvez uivemos como coiotes!
    Em resumo:
    O governo tem mantido conosco uma relação à base de patadas, agindo como raposa e roubando o que temos no celeiro, e fugindo como macaco-prego, aqueles que ninguém apanha porque rápidos e espertos.
    Um excelente domingo, antes que os gatos nos furtem os espaços que ainda temos para escrever!

  3. Caro Jornalista,

    Tinha percebido isso na início do ano, ao comprar alguns produtos veterinários:

    (Condroflex) CONDROITINA E GLICOSAMINA PARA HUMANOS, doses de 30 sachês de 4 gramas cada, para 30 dias. Encontrado nas farmácias.
    Condroitina………………………………………………………………..1,5 gramas;
    Glicosamina………………………………………………………………..2,5 gramas.

    TOTAL: Caixa com um total de 120 gramas .
    PREÇO: R$ 170 reais!!!

    (Condrotonplus) CONDROITINA E GLICOSAMINA. Uso veterinário.

    Sulfato de Condroitina “A”…………………………………………..85,0 g
    Glucosamina………………………………………………………….275,0 g
    Mais:
    Moluscos (Perna canaliculus)………………………………………45,0 g
    Colágeno……………………………………………………………….30,0 g
    Sulfato de Manganês………………………………………………..3,4 g
    Excipientes q.s.p……………………………………………………500,0 g

    TOTAL: Pote plástico com 500 gramas ao todo.
    PREÇO: R$ 273,00.
    Se você tomar os mesmos QUATRO GRAMAS por dia (recomendando para humanos), o medicamento durará CENTO E VINTE E CINCO DIAS, o que equivalerá a QUATRO MESES e a um gasto total de SEISCENTOS E OITENTA REAIS se tivesse comprado o indicando pelo médico!!!!
    E o mais curioso: O produto veterinário É MAIS COMPLETO do que o feito para humanos!!!
    Nem vou entrar na área de ANTIBIÓTICOS para não ficarmos mais chateados.

    Abraços.
    E da próxima vez consulte um VETERINÁRIO.

  4. Isso é assim porque na legislação tributária dos Estados (referente ao ICMS) e da União (referente ao IPI, PIS e COFINS), esses produtos destinados ao uso veterinário possuem benefícios fiscais como isenção e redução de base de cálculo.

    Muitos desses produtos são considerados insumos agropecuários e são contemplados com redução de 35%, 40%, 60% ou mesmo 100% sobre a base de cálculo do tributo.

    O mesmo não ocorre com os medicamentos destinados ao uso humano.

  5. Que dizer que, se eu comprar um antibiótico para meu animal de estimação, eu pago menos impostos do que se eu comprar o mesmo produto para meu filho… Chego à conclusão que no Brasil os animais valem mais do que os humanos.

    DISSO NÃO TENHO A MENOR DÚVIDA, TANTO QUE UM MULLA CHEGOU A PRESIDENCIA DA REPÚBLICA E AINDA POR CIMA COLOCOU UMA JUMENTA PARA SUCEDE-LO!

    • O maior problema com os remédios é a incidência do imposto Estadual (ICMS), porque cada um dos Estados lança seu ICMS sobre o remédio com uma agregação de base de cálculo específica.

      Os remédios são produtos sujeitos à substituição tributária em que cada estado destinatário dos remédios lança seu imposto fazendo agregar uma margem de valor específica ao produto no Estado de destino.

      Essa agregação de valor sobre a base de cálculo aumenta muito o imposto para o contribuinte, que é quem suporta toda a oneração tributária.

      Assim, por exemplo, se o medicamento sai do Estado de São Paulo por R$50,0 reais com o destino ao Estado do Ceará, tem-se 7% (alíquota interestadual) de ICMS tributados por São Paulo. Logo: R$50,0 X 0,07 = R$3,5 de ICMS na origem.

      Quando esse medicamento passar pelo posto fiscal de fronteira do Estado do Ceará, o fisco daquele Estado, lançará o imposto pertinente a si com a margem de agregação, digamos de 46%.

      Então temos os originais R$50,0 (valor da nota fiscal de origem) + 46% de agregação = R$50,0 x 1,46 = R$73,0.

      Logo, o ICMS a ser lançado para o Estado do Ceará será de R$73,0 x 17% (alíquota interna) = R$73,0 X 0,17 = R$12,41. Logo, R$12,41 – R$3,50 (imposto do Estado de origem) = R$8,91 de ICMS a ser recolhido para o Estado do Ceará.

      Então, veja: um medicamento que na origem foi vendido por R$50,0 reais, terminou em seu destino por R$73,0, com uma tributação, só de ICMS, correspondente a R$12,41, ou, 20,48% do valor do produto. Só de ICMS!!!

  6. O problema é que nós, na santa estupidez, nos achamos superiores, mas somos animais, sim isso mesmo, se não somos animais, então devemos ser minerais ou vegetais, como a maioria dos brasileiros que vegeta e não percebe as safadezas de um reino muito especial aqui no Brasil, o reino Political. Mas essa diferença não fica restrita aos medicamentos e suas diferenças de impostos, mas por que temos conta d’água residencial e comercial, mesmo sendo uma simples loja, que não negocia água ou com água, e os telefones, por que temos tarifas diferenciadas comercial e residencial, a energia elétrica também é assim, por que?
    Somos mesmos uns zé mané, aceitamos e acatamos tudo com ar bovino (esse vai ao matadouro porque não tem consciência da nossa maldade, e nós animais pensantes? No Brasil todo paga-se pelo estacionamento nos shoppings centers, uma vez que estes deveriam ser uma cortesia para que vai a esses lugares apenas consumir. Porque ninguém percebe que essas cobranças são apenas a faceta mais desprezível do empresariado tupiniquim, a pura e simples GANÂNCIA. Então essa observação deveria servir para quase tudo que pagamos, por vezes desnecesárias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *