O Brasil tem que protestar duramente contra a espionagem, mas se preparar para espioná-los. Enquanto no país inteiro os manifestantes estavam na rua desde cedo, no Rio a expectativa do dia inteiro terminou em tumulto e pedido de renúncia de Cabral. ACM Neto, prefeito de Salvador, para Dona Dilma: ‘Saúde e Educação não representam custeio, e sim investimento’.

Helio Fernandes

No Rio de Janeiro, a manifestação das centrais sindicais foi meia bomba, fracasso de público e de crítica. Segundo a PM, havia apenas cerca de 2,5 mil pessoas, o que é quase nada em comparação com as passeatas do Movimento Passe Livre. Nas outras metrópoles do País, a mesma “empolgação”.

O início da manifestação foi tumultuado por integrantes de um grupo (ou seita) conhecido como Black Bloc, que usavam roupas e máscaras negras e portavam bandeiras com o símbolo do Anarquismo (um “A” dentro de um círculo). Diante da Candelária, eles provocaram a PM, que usou gás de pimenta e lançou bombas de gás lacrimogêneo. A multidão cercou os policiais e jogou pedras, garrafas de água e latas contra eles. Os agentes montaram uma barreira ao redor da igreja. Houve muita correria no local.

Ao final da passeata, que foi da Candelária até a Cinelândia, o mesmo grupo Black Blocs voltou a provocar os policiais. Houve enfrentamento, a polícia jogou bombas de efeito moral no grupo, que revidou com coquetéis molotov e morteiros. Devido ao tumulto, em que um PM ficou ferido na cabeça e uma agência bancária teve a porta de vidro destruída, a manifestação foi encerrada e a PM prendeu dez participantes.

Os sites dos jornais dizem que há um manual publicado na página do Black Blocs Brasil, no Facebook, em que a “desobediência civil” é definida como “forma de demonstrar a não aceitação de uma regra”. Bem, se acham que jogar coquetéis molotov na PM e fazer quebra-quebra representam apenas “desobediência civil”, deveriam colocar isso no manual e mudar o Código Penal. De qualquer maneira, são ridículos, porque, como se trata de um grupo “organizado”, não será difícil identificar seus membros.

Depois, com ainda mais baixa audiência (menos de 500 pessoas), o protesto se mudou para a frente do Palácio Guanabara, fechando a Rua Pinheiro Machado e pedindo a renúncia de Sergio Cabral. mais sete manifestantes foram presos. Havia dois helicópteros sobrevoando o local, e os todos ficaram sem saber se era o governador indo para a mansão de Mangaratiba, ou apenas as babás da família Cabral fazendo um vôo de reconhecimento.

CELSO AMORIM ENFIM ACERTA UMA

Surpreendentemente, o ministro Celso Amorim, que não acerta uma (nem no Exterior, nem agora na Defesa), fez análise perfeita, numa frase sobre a quebra de privacidade dos EUA no Brasil. Sintético e discreto: “Não temos recursos nem tecnologia para barrar essa invasão”. E concluiu: “Por telefone, celular, e-mail, só falo que não interessa a ninguém , nem vale a pena gravar”.

Embora o Brasil tenha que deixar consignado e explícito o seu protesto. E tratar de reforçar as defesas, proteger a internet. Compreendendo que todos fazem a mesma coisa, muito antes do assombroso e milagroso avanço da técnica e da tecnologia.

AS GUERRAS GANHAS (OU PERDIDAS)
POR CAUSA DA ESPIONAGEM ANTIGA

A partir do fim de 1917, gênios individuais da Inglaterra decifraram os códigos da Alemanha. Logo, logo, em 1918, eles se renderam incondicionalmente. (Os EUA praticamente não participaram da I Guerra).

Na Segunda, depois de serem bombardeados pelo Japão, em Pearl Harbour, os americanos investiram na descoberta dos códigos japoneses, conseguiram, se divertiam ouvindo tudo o que os generais do Japão conversavam ou planejavam. Liquidaram o adversário, destruindo suas forças, tranquilamente.

Os japoneses, praticamente derrotados, recusaram a rendição, como fizeram os alemães. Só que não tinham qualquer serviço de inteligência, nem sabiam que Truman criminosamente explodiria as bombas em Hiroshima e Nagazaki. Aí fazer o quê? Se renderam.

O DESEMBARQUE NA NORMANDIA

Quando os “aliados” imploravam aos EUA que lançassem a “Segunda Frente” para encurralar os nazistas, que aparentavam superioridade, apesar das derrotas irreversíveis na União Soviética, os americanos se convenceram da necessidade desse reforço. Até para sua própria sobrevivência. Não só militar, mas diante do “Reich dos mil anos”.

O general Marshall (que dirigiu toda a guerra) foi encarregado de concretizar esse plano. O segundo dele era o general Eisenhower (depois, presidente da República, Marshall não aceitou nada), designado para comandar essa invasão, sabia que estava sendo espionado de todos os modos, tentava viajar para os lugares os mais variados.

E “escolheram” 5 locais para o desembarque, sabendo que as perdas seriam enormes, como foram. Mas o local de desembarque foi sempre a Normandia, embora o serviço secreto e de espionagem dos nazistas terminantemente não acreditasse.

Esse ligeiro passeio por tempo distante e praticamente sem invenções, mostra o que é possível e permissível, hoje, com toda a tecnologia. Em suma: o Brasil tem que protestar abertamente, mas se aparelhar para não ser espionado por ninguém. E se for o caso ou a necessidade, espionar os EUA.

O CASO DOS MÉDICOS ESTRANGEIROS

Logo que Dona Dilma anunciou sua vontade soberana de contratar médicos de vários países, protestei violentamente. Fui o primeiro. Depois, veementes e compenetrados, vieram críticas de órgãos de classe. Unanimidade, sem qualquer hesitação. Dona Dilma fez contatos com médicos de Cuba, absurdo dentro de outro absurdo.

Teve que recuar, por uma razão que era pública, nem se preocupou em saber como funcionava. Cuba “exportou” 14 mil médicos para a Venezuela. Mas de acordo com o contrato assinado entre os dois países, o governo da Venezuela pagaria diretamente ao governo de Cuba, 80 por cento em petróleo, que a Venezuela tem de mais e Cuba não tem nenhuma gota (foi a razão da ligação com a então União Soviética). Os outros 20 por cento, em dinheiro.

Os médicos que foram para a Venezuela recebiam o mesmo que em Cuba: 40 dólares por mês. Ficaram famintos, desesperados e revoltados, muito justamente.

Quando Chávez precisou fazer a primeira operação, não quis se entregar a médicos que tinham desconfiança mútua. Os hospitais de Caracas eram melhores, os de Cuba caindo aos pedaços, sem equipamento. Mas Chávez não tinha opção. Entre a desconfiança com médicos de Cuba e a deficiência dos hospitais também de Cuba, não teve nem direito de escolha. Fez várias idas e voltas a Cuba, não melhorava. Amigos importantes aconselharam: “Faz a cirurgia aqui”. Nem considerou.

Agora, a presidente iniciante compreendeu tardiamente que a contratação de médicos de Cuba, insuficiente. E pelo jeito, vai mesmo insistir em médicos de fora.

O CORRUPTÍSSIMO JADER BARBALHO,
PROTEGIDO PELO MINISTRO PELUSO

A “Lei da Ficha Limpa” atingiu Jader Barbalho em cheio. Um dos principais itens: impedia a eleição ou reeleição de quem tivesse renunciado ao mandato para não ser cassado. Era o próprio Jader. No plenário do Supremo ficou 5 a 5, o presidente Cezar Peluso, obrigado a desempatar, disse, “não quero contrariar ninguém”.

Jader se candidatou, não pôde tomar posse. Onze meses depois, a poderosa cúpula do PMDB foi ao gabinete do presidente, pedir “apenas” isso: “Liberar o senador para tomar posse”. Liberado na hora, tomou posse no mesmo dia. Agora, foi obrigado a devolver 2 milhões e 200 mil reais por corrupção. E Cezar Peluso aposentado, consagrado, levianamente endeusado.

O antigo senador-governador-ministro-senador recebeu a intimação para recolher esses mais de 2 milhões, riu, respondeu: “Vou recorrer até o fim”. Significa que não pagará nunca. Há um ano, Renan lhe deu um conselho que seguiu totalmente: “Você tem 8 anos de mandato, desapareça por um ou dois anos, acabará voltando à presidência do Senado”.

OS SENADORES FARSANTES

Na terça-feira, fingiam que “acabavam” com o segundo suplente que não existia. Na quarta-feira fui duríssimo, disse que eram farsantes e outras manifestações da comunidade. Na mesma quarta-feira, “desvotaram”, ANULARAM o segundo suplente. Empulhação, mistificação e, além do mais, audaciosos e mentirosos; “acabaram” com o que não existe, o que fazer com eles? Não os suplentes, e sim os “efetivos”.

ARTUR VIRGILIO E ACM NETO

Ambos prefeitos eleitos. O de Manaus: “Constituinte restrita, fora do Legislativo, não existe nem será aprovada”. O prefeito é diplomata de carreira, foi senador, derrotado diretamente por Lula. Que fez tudo para que ele não se reelegesse. Tentou impedi-lo de ser prefeito, não conseguiu, Virgilio venceu disparado, no primeiro turno.

O prefeito de Salvador se elegeu deputado muito moço, se destacou logo no primeiro mandato federal. Sobre as reformas de Dona Dilma, textual: “Saúde e Educação não são custeio e sim investimento”. E concluindo; “Existem vários nós, o difícil é transformar tudo em atos concretos”.

Ou imitando o povo nas ruas: “É indispensável Saúde, Educação e Mobilidade Urbana (Transportes) em padrão Fifa”.

GOVERNADOR FELIZ E SATISFEITO

Marconi Perillo fez essa afirmação assombrosa: “Estou feliz e satisfeito com a política MORAL e ÉTICA do país”. Inacreditável. A CPI mista para investigar o que todos sabiam sobre a corrupção das empreiteiras não chegou ao fim.

Motivo: estava caminhando para atingir o governador de Brasília (Agnelo Queiroz), o do Estado do Rio (Sergio Cabral) e este FELIZ governador de Goiás, o citado Marconi Perillo. Terminarão os mandatos, não serão culpados de nada.

PS – A Estátua da Liberdade, que estava fechada há muito tempo, foi reaberta no último 4 de Julho, data do Manifesto de Thomas Jefferson em 1776.

PS2 – Bernard Shaw combatia incessantemente os EUA. A primeira vez em que foi lá, visitou o Monumento. Perguntado sobre o que achara, respondeu: “Meu gosto pela ironia não vai tão longe”.

PS3 – Famoso e já considerado um dos maiores teatrólogos do mundo, presidiu o Sindicato dos Mineiros da Inglaterra. Os patrões diziam: “Você é um péssimo negociador, pede sempre altos salários”.

PS4 – Resposta: “Vocês falam em altos salários para trabalhadores que morrem de fome ou soterrados, porque vocês, riquíssimos, não investem em segurança.

PS5 – Shaw não livrava nem a Inglaterra. Não tinha herdeiros, deixou toda a fortuna para a Fundação com seu nome, que devia “reformular a língua inglesa”.

PS6 – E explicava: “Como se pode acreditar num idioma no qual se escreve H (agá) e se lê R )erre)? E dava outros exemplos. Não mudaram nada.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

29 thoughts on “O Brasil tem que protestar duramente contra a espionagem, mas se preparar para espioná-los. Enquanto no país inteiro os manifestantes estavam na rua desde cedo, no Rio a expectativa do dia inteiro terminou em tumulto e pedido de renúncia de Cabral. ACM Neto, prefeito de Salvador, para Dona Dilma: ‘Saúde e Educação não representam custeio, e sim investimento’.

  1. Ora, ora, meus caros! Por acaso não sabíamos que a Embaixada Americana em Brasília possui um anexo imenso e inexpugnável, cheio de agentes da CIA travestidos de diplomatas e de antenas voltadas para satélites espiões do uncle Sam? Não sabíamos do espúrio “acerto” do governo FHC que submetia a Polícia Federal à vontade do FBI e do DEA, que previa inclusive “remuneração extra” em dólares para os nossos policiais? E o que dizer do tratado que o mesmo desgoverno FHC patrocinou que “cedia” a base de Alcântara à potência estrangeira, submetendo a nossa soberania ao alvedrio americano, não validado pelo Congresso graças ao empenho do grande brasileiro Waldir Pires, à época Deputado Federal e Presidente da Comissão de Relações Exteriores? E das subvenções financeiras que o então professor FHC recebia da CIA por meio da Ford Foundation? Pois é, meus caros. Também não sabíamos que foi exatamente a empresa Booz-Allen a consultora contratada pelos tucanos para avaliar a grande empresa brasileira Vale do Rio Doce, cujo valor a que chegou não representava sequer 1% do valor real dessa fabulosa companhia criada por Vargas? E o que dizer da “doação” dos nossos satélites ao Carlos Slim, quando da “privataria” da EMBRATEL, verdadeiro crime de lesa a Pátria, para agora termos que comprar novos satélites que garantam minimamente a segurança nacional? Que eles nos espionem e espionem o mundo é da natureza deles enquanto império. O que é inaceitável é não termos preparo de inteligência que faça o contraponto, acompanhe a ação dos espiões e espione também a vida deles. Pobre Brasil, país que se dá ao luxo de publicar no Diário Oficial a relação dos concursados aprovados no exame para “agente secreto” da ABIN !!! Pensando bem, para que inteligência se sequer temos projeto de nação? Oremos todos!!
    Paulo Sérgio

  2. A questão da espionagem está sendo EMBROMADA, tal como está na moda, com a finalidade de retirar o foco. Nunca antes na história deste país haviamos sido espionados de modo tão locupletante…

    Renan, o sucessor, madeira fora da lei, cara-de-pau de Sarney, é o mais revoltado com a espionagem, enquanto utiliza o traseiro da Senta a Pua como alvo…

    Cabral promete passe livre de helicoptero para todos os cidadãos.

    As instituições deveriam caçá-los para que parem de sujar o Hino de Caça

    Passei o Carnaval em Veneza e o resto do ano em Paris
    Levando umas “verbinhas” daqui
    Caprichei bem o meu pecúnio
    Com empreiteiras do barulho, o orçamento eu atingi

    BINGO!!!!

    A Turma de lá criticava
    Denunciava sem cessar
    E o pobre velhaco “Hélio” pulava
    Pulava e gritava sem desanimar
    Assim:
    Flak, Flak, isto é peculato
    Flak, Flak, tanta improbidade ninguém aguenta

    Um ” Bug” aqui um “Bug” lá
    Um “Desvio” aqui um “Assalto” lá
    SENTA A PÚA minha gente
    Que ainda temos que passear e farrear, com verba pública

    O povo, engabelado, além de aparentemente cansado, prefere ir a uma boa festa na West Show a ir a potrestos do “Dia Nacional das Mulas” dirigidos por “sindi catos dinheiros dos dois lados” e partidos traidores partidores de corações ingênuos.

    O rico saca, o pobre saqueia e o governo saca e saqueia: sacaneia…

    Enquanto isso, o Crack e a Criptonita continuam destruindo vidas, até mesmo de super-homens pelas ruas do Brasil.

  3. O que dizer deste 11 de julho ou “Dia Nacional de Lutas”, coordenado por entidades como a UNE e centrais sindicais que ficaram adormecidas nos mandatos do presidente Lula? Não se pode deixar de reconhecer o direito dessas lideranças voltarem às ruas, mesmo com público muitas vezes inferior ao mobilizado pelas impactantes manifestações auto-promovidas através das redes sociais e de certa forma provocadas por estas ou até receosas por seus efeitos descoordenados. Estas, sim, constituíram uma tsunami social de gigantescas proporções e conseqüências ainda imprevisíveis, porque podem voltar e o impacto disso nas eleições do próximo ano ainda está em processo de construção e só os resultados poderão revelar. E na falta de explicações públicas sobre o interesse do ex-presidente nesses protestos, não custa imaginar que a injeção do tempero lulista nos protestos desta quinta-feira deve ter soado mal no entorno da presidente Dilma Rousseff, apesar de que pouco se explorou a respeito. É importante que as massas continuem em movimento, sejam puchadas por organizações essencialmente politizadas ou pela espontaneidade das redes sociais, mas que todas conspirem no melhor dos sentidos pelo bem do Brasil.

  4. OU O BRASIL ACABA COM A SONEGAÇÃO OU A SONEGAÇÃO ACABA COM O BRASIL.

    Caro Helio, se a TI não encampar o combate a SONEGAÇÃO vai continuar discutindo abobrinhas, como você, constantemente, vem fazendo.
    Abaixo o jornalismo abobrinha.

    Vale mobiliza-se para não pagar R$ 35 bi que deve à União

    A Vale foi vendida por 3 bi por FHC e deve 35 bi à União. E não quer pagar. E movimenta-se de todos os jeitos para não pagar. Mas o problema do Brasil é o “mensalão”!

    Caso Vale é discutido em audiência púlbica no CNJ, por Rodrigo Haidar, no Conjur

    A audiência pública feita nesta quarta-feira (20/6) pelo Conselho Nacional de Justiça para discutir a legitimidade da cessão de procuradores da Fazenda e advogados públicos para trabalhar em gabinetes de juízes foi entremeada por uma discussão sobre a execução fiscal de R$ 35 bilhões que a mineradora Vale contesta na Justiça Federal do Rio de Janeiro. A partir do processo administrativo, o CNJ poderá fixar critérios mais objetivos sobre a requisição de servidores de outros órgãos por juízes e desembargadores.

    A discussão foi provocada pela seccional fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil. A entidade entrou com Procedimento de Controle Administrativo (PCA) contra o Tribunal Regional Federal da 2ª Região. De acordo com a OAB-RJ, a cessão de procuradores da Fazenda Nacional para trabalhar como assessores de desembargadores que compõem as turmas responsáveis por julgar matérias de Direito Tributário naquele tribunal viola o princípio da paridade de armas. O relator do processo no CNJ é o conselheiro José Lúcio Munhoz, que comandou a audiência desta quarta.

    Apesar de todos os representantes das dez entidades que compareceram à audiência pública ressaltarem que o que está em discussão não era apenas um caso concreto, ganhou destaque nos debates o fato de a procuradora da Fazenda Nacional no Rio Patrícia de Seixas Lessa ter atuado no processo contra a Vale como procuradora e, depois, ter sido requisitada para trabalhar no gabinete do juiz federal convocado Theophilo Antonio Miguel Filho, relator de recurso da mineradora no TRF-2.

    Patrícia Seixas é a única procuradora da Fazenda Nacional cedida ao tribunal. O juiz Teophilo negou a suspensão da cobrança bilionária enquanto tramita ação cautelar da empresa. O representante do Centro de Estudos de Sociedades de Advogados (Cesa) na audiência, Roberto Duque Estrada, afirmou que “a situação concreta do processo é emblemática”. De acordo com ele, “a procuradora fez sustentação oral no processo, atuou, e depois foi assessorar o juiz responsável por decidir a causa”. O advogado é sócio do escritório Xavier Bragança Advogados, que defende a Vale no processo.

    Para ele, “o exemplo é um desvio”. O representante do Cesa afirmou que ninguém coloca em dúvida a lisura e a capacidade técnica de procuradores da Fazenda e advogados públicos no assessoramento a juízes.

    “A questão não é essa. A questão é que há desvios em casos concretos. Por isso, é recomendável criar mecanismos que evitem desvios. Quiçá impedir que o procurador seja assessor em processos nos quais atuou. O procurador não pode ser infiltrado dentro de um tribunal”, disse o advogado.

    Independência funcional
    O consultor da União Rafaelo Abritta, que representou a Advocacia-Geral da União, respondeu ao advogado. “Não somos nós que batemos às portas do Judiciário. São os magistrados que solicitam à advocacia pública aquele ou este advogado ou procurador. Não existe a tese de que há infiltrados”, rebateu.

    Abritta esclareceu que a AGU não tem opinião contra nem a favor das cessões, mas contesta a tese da OAB-RJ de que o assessor tem uma influência crucial para as decisões. “É inegável que as decisões têm o DNA dos juízes”. Ele também afirmou que não procede imaginar que o procurador licenciado para assessorar um juiz possa sofrer pressões. “Nossa lei orgânica assegura a autonomia, a independência para exercer sua função”, disse.

    Como ele, o representante do Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), Hugo Mendes Plutarco, e o presidente do Fórum Nacional da Advocacia Pública, Allan Titonelli, defenderam a independência dos procuradores e advogados públicos.

    Plutarco afirmou que, como prova da independência, as únicas decisões favoráveis à Vale no processo de execução saíram justamente depois que a procuradora Patrícia Lessa passou a assessorar o juiz. Já Titonelli disse que o papel do advogado público não é defender miopemente o governante de plantão ou qualquer posição estatal. Segundo ele, a lei lhes garante discricionariedade para se atuar até contra o Estado nos casos em que a ordem jurídica é ferida.

    O juiz Antonio Henrique Corrêa da Silva, presidente da Associação dos Juízes Federais do Rio de Janeiro e Espírito Santo, afirmou que proibir que juízes requisitem advogados públicos ou que possam ter advogados privados como assessores, o que chegou a ser defendido, “é relegar essa função aos bacharéis que não logram êxito no Exame de Ordem” — ou seja, desqualificar a assessoria dos magistrados.

    O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Nelson Calandra, disse que a independência funcional permite a isenção. “Não podemos pegar um livro de um conselheiro do CNJ, por exemplo, e dizer que ele não pode julgar um processo por conta de posições que ele defendeu como doutrinador”.

    Influência nas decisões
    O advogado Bruno Garcia Redondo, do Sindicato dos Advogados do Rio de Janeiro, disse que a entidade que representa é contra o assessoramento de advogados públicos ou provados. “O assessor influencia, sim, ainda que minimamente, as decisões do magistrado. Se há o risco de imparcialidade, deve haver o impedimento, até para resguardar a imagem das instituições”, afirmou.

    Ronaldo Cramer, que representou a OAB do Rio, disse que a influência dos assessores em meio à montanha de processos é algo que se torna importante. “Os juízes decidem e elaboram seus votos, mas dependem de uma boa assessoria. E é inegável que o assessor tem influência sobre a formação do convencimento deles”, disse.

    De acordo com Cramer, não é possível determinar a participação do assessor no julgamento. E, em hipótese nenhuma, a OAB-RJ está colocando em xeque a imparcialidade do Judiciário. “Nossa preocupação é com a imagem. Por isso são necessárias regras para coibir as tentações”.

    No processo, a OAB-RJ sustenta que a quebra da imparcialidade é clara. “Em tese, a situação seria semelhante, se possível fosse, a um advogado atuar como assessor de desembargador, mas manter-se como sócio de um escritório particular”, alegou o representante da entidade. O objetivo da Ordem é que o Conselho edite resolução para vedar a cessão de procuradores da Fazenda Nacional ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região, “especialmente para exercer cargo em comissão em Turmas Especializadas com competência para processar e julgar matéria tributária”.

    Para o conselheiro Bruno Dantas, que participou da audiência pública, a situação, especialmente a do caso concreto, levanta questionamentos. “Como a procuradora que fez sustentação oral peticionou e em seguida foi requisitada para o tribunal para assessorar o juiz que cuida dessa causa e subsidia a decisão do magistrado?”, questionou.

    O conselheiro Jorge Hélio refutou a ideia de que o assessor não tem nenhuma influência sobre o juiz. “Qual seu papel, então? Tirar a caspa do paletó? O juiz é responsável pelo que assina, mas o assessor influencia, sim”, afirmou.

    De acordo com informações dos participantes, há, hoje, 11 advogados públicos cedidos ao Supremo Tribunal Federal e sete ao Superior Tribunal de Justiça. Todos trabalhando em gabinetes de juízes. O relator do PCA, José Lúcio Munhoz, afirmou que liberará para seu voto para julgamento em agosto, para que o CNJ defina a questão.

    Rodrigo Haidar é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília.

  5. É MUITO DIFICIL PEGAR OS LADRÕES DO DINHEIRO PÚBLICO,POIS O QUE DEVERIA ZELAR PELA JUSTIÇA PARECE O PIOR DE TODOS POIS QUANDO CHEGA LÁ NO STF NÃO TEMOS COM QUER NOS PREOCUPAR DIZEM OS LADRÕES DO DINHEIRO PÚBLICO,E SABE QUE ELES TEEM RAZÃO.QUANTO AS MANIFESTAÇÕES DE NADA ADIANTOU A NÃO SER REDUZIR R$ 0,20 NOS TRANSPORTES COLETIVOS SERÁ DEVEMOS NOS CONFORMAR SÓ COM ISSO? ESSES PODRES(DERES)NÃO TEM COMO MUDAREM SÓ FALACIA.

  6. Os débitos da Globo junto à Receita Federal
    Enviado por Miguel do Rosário on 02/07/2013 – 8:36 pm 9 comentários
    Uma internauta deu o link da Receita Federal (clique aqui) para se tirar a Certidão Negativa de uma empresa.

    Eu fui lá, botei o CNPJ da Globo (27.865.757/0001-02), e deu isso:

    Pesquisei outras grandes empresas, e várias estão na mesma situação. Têm débitos, mas conseguem, mediante chicanas jurídicas, tirar uma certidão com “efeitos de negativa”. É uma espécie de “Deve, mas é gente boa”.

    A lei mencionada, do Código Tributário Nacional, é esta:

    Art. 151. Suspendem a exigibilidade do crédito tributário:

    I – moratória;
    II – o depósito do seu montante integral;
    III – as reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tributário administrativo;
    IV – a concessão de medida liminar em mandado de segurança.
    V – a concessão de medida liminar ou de tutela antecipada, em outras espécies de ação judicial; (Incluído pela Lcp nº 104, de 10.1.2001)
    VI – o parcelamento. (Incluído pela Lcp nº 104, de 10.1.2001)

    Compartilhe!
    – See more at: http://www.ocafezinho.com/2013/07/02/os-debitos-da-globo-junto-a-receita-federal/#sthash.9XNzqjgv.dpuf

  7. CARO CARLOS
    SÓ QUEM PAGA IMPOSTOS É A POPULAÇÃO POBRE (POIS NÃO TEM AMIGOS NO STF)E ASSALARIADA QUE BANCA TODA ESSA ROBALHEIRA. CITE ALGUMA EMPRESA QUE PAGOU OS EMPRESTIMOS AO BNDES,BB,CAIXA TIPO: VALE,GLOBO ESSE PESSOAL DO CENTÃO AGRONEGOCIOS,OI,TRANSNORDESTINA ETC.

  8. O melhor é esquecer esse papo de espionagem pois isto é velho demais e só está servindo a este governo corrupto para desviar a atenção do povo que está aí nas ruas reivindicando seus direitos.
    Com a internet a espionagem é impossível de ser detida. Todos os países do mundo fazem isso. Aqui no Brasil ainda estamos engatinhando pois o dinheiro da verba para compra de equipamentos foi desviado para outros fins, que todos sabemos. Como sempre.
    E mais, se até a Nasa é espionada na internet, aonde mais não vão espionar?

    Melhor sobre espionagem é assistir o filme ” O espião que veio do frio” com Michael Caine.

  9. E mais: com esse governo de 10 anos que se assumiu filhote da ditadura de Fidel, a quem até tiraram fotos abraçando o tirano á beira de sua piscina, os EUA começaram a se preocupar. Fora que essa gente do bandido zé dirceu até apoiou o Armadinejah lá do Irã. Etc,etc,etc.

    Mas, para nós que temos os fantásticos e inexpugnáveis COBRAs (computadores Brasil) e o petróleo é nosso, que país tem condição de nos derrotar?

  10. Cavando trincheiras

    A revelada ampla e irrestrita espionagem dos EUA, inclusive com espiões da CIA em nosso território, somado a tantas outras conhecidas e documentadas criminosas ações pelo mundo, como a histórica implantação das sangrentas ditaduras militares na América Latina, inclusive, treinando os militares na hedionda tortura. Devastadoras invasões militares do Iraque e da Líbia, com milhares de mortos, viúvas, órfãos, mutilados, fazendo uso da hedionda tortura, com massivas e arrasadoras destruições. Tudo, visando controle e posse das gigantescas reservas de petróleo, desses desarmados países, destituídos de um mínimo de poder de fogo nuclear.

    Desde o governo Bush que os EUA já se reservaram o direito de deter qualquer cidadão por simples suspeitas em prisões isoladas, por tempo indeterminado e sem direito a advogados. Ou seja, por tudo que estamos vendo, os EUA perderam a noção geral do direito e respeito aos mais fracos e desarmados. Só respeitam os poderosos e armados.

    Diante desse grande perigo, não resta alternativa para as nações possuidoras de gigantescas riquezas naturais, como o Brasil, senão a de buscar urgentemente, todos os caminhos possíveis para o nosso fortalecimento interno, o enquanto há tempo, tentando evitar que logo mais adiante tenhamos as mesmas supremas humilhações e terríveis sofrimentos por conta das invasões militares dos EUA em busca da riqueza alheia.

    Dentre as muitas ações no caminho Verde Amarelo, o Brasil necessita:

    1)Fortalecer nossa economia a qualquer custo;
    2)Grandes investimentos na educação pública;
    3)Grandes investimentos na saúde pública;
    4)Grandes investimentos em ciência e tecnologia de ponta;
    5)Eficientes meios para que tenhamos representantes e dirigentes de bom nível técnico e político, inviabilizando eleição de políticos corruptos, entreguistas e de baixo nível;
    6)Começar a trabalhar com estruturado planejamento de médio e de longo prazo, para as diversas áreas críticas;
    7)Pena de morte para comprovada traição à Pátria;
    8)Grandes investimentos no desenvolvimento de tecnologia de ponta, na área da defesa, com a participação direta de nossas Forças Armadas;
    9)Elevar o nível médio de politização e cultura de nosso povo e de nossos militares;
    10)Etc.

  11. Welinton,saudações
    O número UM e o número SETE … resolveriam tudo!!!
    Todos são importantes, sim!!! Mas os termos “a qualquer custo” e “pena de morte para os traidores da Pátria” … seriam decisivos!!!
    “Ou ficar a Pátria Livre / Ou morrer pelo Brasil”

  12. Do jeito que está o contexto político chamar um senador de FARSANTE é cometer o delito de PLEONASMO.
    A digna UNE (União Nacional dos Estudantes) não existe mais. Aderiu à corrupção e mantendo a sigla se transformou em verdadeira União Nacional dos Eunucos.
    E por ai segue o Brasil sob a tutela do Partido dos Trambiqueiros.

  13. Picaretas de luxo
    ESCRITO POR OLAVO DE CARVALHO | 11 JULHO 2013
    ARTIGOS – CULTURA

    A mentalidade esquerdista intoxica-se de mitos difamatórios de maneira a não cair jamais na tentação de ver no adversário um rosto humano.

    No show de ignorância dado à Folha de S. Paulo pelos líderes da FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty), a estrela maior foi sem dúvida o sr. Milton Hatoum, que, incapaz de lembrar o nome de um só escritor brasileiro importante que fosse de direita, ainda completou a performance com esta maravilha: “Diziam que Nelson Rodrigues era, mas discordo. Era provocador, irônico, e na ditadura lutou para libertar presos.”

    De um lado, é absolutamente impossível, a quem quer que tenha lido o cronista carioca, ignorar seu anticomunismo intransigente, seu horror aos “padres progressistas”, seu apoio inflexível ao governo militar e até o orgulho com que ele se qualificava publicamente de “reacionário”.
    É óbvio que o sr. Hatoum só conheceu o pensamento de Nelson Rodrigues por ouvir falar, e ainda assim com muita cera nos ouvidos.

    Em segundo lugar, socorrer e proteger presos e perseguidos políticos durante a ditadura foi uma das ocupações mais constantes dos intelectuais de direita, entre os quais Adonias Filho (um dos muitos omitidos, por falta de espaço, no artigo anterior), Josué Montello, Antônio Olinto, Gilberto Freyre e Paulo Mercadante. Para cúmulo de ironia, o mais célebre e aguerrido defensor de presos políticos naquela época foi o advogado Heráclito Sobral Pinto, um católico ultraconservador que confessava e comungava todos os dias e, quando não estava tirando gente da cadeia, estava escrevendo furiosas diatribes contra o Concílio Vaticano II. Hoje seria chamado de “fundamentalista” e jogado no lixo com a multidão dos outros “ninguéns”.

    O que nunca se viu no mundo foi o beautiful people comunista correr em massa para estender a mão a perseguidos da ditadura soviética, chinesa, húngara, polonesa, romena ou cubana.

    Ao contrário, sempre que aparecia algum foragido revelando as torturas e padecimentos sem fim sofridos nos cárceres comunistas, a gangue toda se reunia, não raro em escala mundial, para achincalhá-lo como “agente do imperialismo”.

    Se o sr. Hatoum não conhece nem Nelson Rodrigues, seria loucura esperar que soubesse algo, por exemplo, do caso Kravchenco, em que toda a intelectualidade esquerdista se juntou para desmoralizar o ex-funcionário soviético que denunciava os horrores do Gulag. Kravchenco reuniu testemunhas, provou o que dizia e venceu um processo judicial contra toda a plêiade dos bem-pensantes.

    Soljenítsin, quando esteve nos EUA, contou que os dissidentes soviéticos nunca receberam a menor ajuda da elite esquerdista americana, e sim apenas de sindicatos de trabalhadores (na época acentuadamente anticomunistas).

    Quando esteve no Brasil o pastor Richard Wurmbrand, homem que por dezesseis anos sofrera torturas e maus tratos numa prisão romena (confirmados em público por uma comissão médica da ONU), a mídia esquerdista o tratou como se fosse um demônio, um conspirador fascista.

    A mentalidade esquerdista intoxica-se de mitos difamatórios de maneira a não cair jamais na tentação de ver no adversário um rosto humano. Até hoje os quatrocentos guerrilheiros mortos na ditadura, muitos deles caídos de armas na mão, merecem mais lágrimas do que os cem milhões de civis desarmados que eles, como membros do movimento comunista internacional, ajudaram a matar. Até hoje os que nadam em indenizações milionárias como prêmio da sua cumplicidade com os regimes mais bárbaros e genocidas não consentem em dizer uma só palavra de conforto às vítimas da guerrilha brasileira, dando por pressuposto que a condição de ser humano é monopólio da esquerda, que aqueles que a esquerda matou, mesmo transeuntes inocentes, não passam de cachorros loucos abatidos pelo bem da saúde pública.

    Para o sr. Hatoum, basta um sinal de bondade na pessoa de Nélson Rodrigues, para produzir a conclusão automática e infalível: Não, ele não pode ter sido de direita.

    Nunca li os romances do sr. Hatoum, mas até admito, como hipótese extrema, que um idiota possa escrever um bom livro de ficção. O que é inadmissível é aceitar como “intelectual”, como formador de opinião, um sujeito que formou a sua na base do puro zunzum e sai por aí arrotando julgamentos sobre o que desconhece.

    Hoje, esse tipo de gente domina não só a FLIP, como todo o mercado editorial, as universidades e a mídia cultural, mas um dia a juventude brasileira, cansada de ser ludibriada por esses farsantes, adquirirá cultura por conta própria (espero sinceramente ajudá-la nisso) e não se curvará mais às opiniões recebidas. Submeterá seus gurus aos testes mais duros e chutará o traseiro daqueles que forem desmascarados como ignorantes palpiteiros a serviço de interesses mafiosos e partidários. Garanto que, entre meus alunos, há pelo menos cem que são incomparavelmente superiores, em inteligência e conhecimentos, aos donos da FLIP e à massa de seus puxa-sacos. O renascimento cultural do Brasil vem-se preparando no silêncio e na modéstia do trabalho sério, do esforço genuíno, na paciente aquisição dos instrumentos da vida intelectual superior. Quando esses jovens ocuparem o espaço que merecem, não haverá mais lugar para os picaretas de luxo, para os comedores insaciáveis de verbas públicas, para os apadrinhados de um governo que vive da mentira e da corrupção. Quando soar a hora, cada um destes últimos, desprovido da interproteção mafiosa, será julgado no tribunal da competência e da honradez intelectual e, muito previsivelmente, jogado às trevas do anonimato, de onde nunca deveria ter saído.

    Publicado no Diário do Comércio com o título ‘A esquerda e os mitos difamatórios’.

  14. Apesar da aparência pejorativa, a assepção mais adequada para a interpretação da palavra “velhaco” na referência que fiz a “Hélio” utilizada na paródia ao “Hino da Aviação de Caça” é estritamente aquela que se relaciona ao que, por sua inteligência e experiência ímpares, jamais se deixa prender ou enganar.

    Assumo que não fui feliz na escolha de um termo tão aplicado de forma pejorativa e que se adequa muito mais àqueles contra os quais combate e sempre lutou bravamente.

    Homem histórico, essencial ao Brasil, digno de respeito e admiração, assim como o heróico Carlos Newton e todos os demais colaboradores desta Tribuna da Imprensa.

  15. Apesar da aparência pejorativa, a acepção mais adequada para a interpretação da palavra “velhaco” na referência que fiz a “Hélio” utilizada na paródia ao “Hino da Aviação de Caça” é estritamente aquela que se relaciona ao que, por sua inteligência e experiência ímpares, jamais se deixa prender ou enganar.

    Assumo que não fui feliz na escolha de um termo tão aplicado de forma pejorativa e que se adequa muito mais àqueles contra os quais combate e sempre lutou bravamente.

    Homem histórico, essencial ao Brasil, digno de respeito e admiração, assim como o heróico Carlos Newton e todos os demais colaboradores desta Tribuna da Imprensa.

  16. Quanto a sugestão do Jornalista Hélio Fernandes, do Brasil se aparelhar para barrar a espionagem dos EUA e possivelmente espioná-los, NA MINHA OPINIÃO, é um sonho de uma noite de verão. Os EUA estão ,DÉCADAS à frente do Brasil em termos de engenharia eletro-eletrônica e computação. Não temos universidades à altura das universidades americanas, japonesas, chinesas e européias de primeira linha, que formem engenheiros eletrônicos e de computação, que poderiam eventualmente criar programas e satélites para “barrar a espionagem”. O próprio ministro Celso Amorim declara no artigo: “Não temos recursos nem tecnologia para barrar essa invasão”. O programa nuclear brasileiro foi SOTERRADO no governo Collor, FHC vendeu nossas telecomunicações, LULA criou universidades e faculdades de fachada.
    Enfim, estamos à mercê dos americanos e completamente DESPIDOS. Os EUA debocham do país Brasil e do seu povo.

  17. Com relação à contratação de médicos cubanos, recebi há pouco um e-mail com a seguinte mensagem:

    “Texto escrito por Marco Aurélio Albuquerque”.

    Em 2006 o PT abriu seleção de bolsas para estudar medicina em Cuba, exclusivamente para membros do PT e seus familiares ou amigos.
    Não foi um concurso aberto.
    Os beneficiários com estas bolsas, filhos de deputados, vereadores, senadores petistas e outros afiliados, se formaram em 2012 e querem voltar para o Brasil, mas não conseguem ser aprovados no exame Revalida.
    A solução foi criar a farsa da “importação de médicos cubanos” com a desculpa de suprir postos de trabalho que os médicos brasileiros não querem ocupar.
    Para isto seria necessária a licença automática para estes médicos atuarem no Brasil sem a prova de revalidação de diploma.
    Obviamente estes postos não serão ocupados pelos filhos do PT, que certamente serão alocados em excelentes empregos dentro do próprio governo, mas pelos “médicos internacionalistas” (formação que equivale a enfermeiro, segundo o ministro de saúde paraguaia, pois são formados para atuar em situações de pobreza extrema, dando assistência primária, fazendo curativos, dando injeções, pequenas cirurgias, tratando gripes e resfriados, etc.).
    Deu para entender o porquê da importação de médicos “cubanos”? Mesmo que venham espanhóis e mais não sei quem, sempre virão também estes “cubanos” que de cubanos não têm nada!!!
    “O povo brasileiro, mais uma vez está caindo numa farsa política em que a situação da saúde ficará apenas pior.” (do grupo Dignidade Médica)

    Seria interssante abordar esta questão e essas manobras sobre a “importação” de médicos de Cuba.

  18. Prezado Carlos Moreira Silva

    Com a poderosa força de sempre, disponíveis aos que têm muito dinheiro, somando a conhecida incompetência de nossa Justiça, ninguém poderá dizer ao certo quando a Vale pagará os R$ 35 bilhões que deve ao governo. Até quando?

  19. Prezado Rodrigo, sou cético e só fatos concretos me interessam. Já deixei isto claro desde o começo por aqui.
    Até cito sempre que uma árvore é uma árvore e é essa mensagem que me interessa e não o mensageiro.
    Já escrevi aqui o meu desejo da diversidade de opiniões ou posições nos assuntos da capa.
    Infelizmente essa diversidade aqui no Brasil é temerosa por parte de muitos. O mensageiro pesa demais mesmo afirmando fatos concretos.
    A democracia por aqui ainda não convence.

  20. Prezado Paulo Sergio

    Por tudo que já foi publicado e divulgado sobre a vida política de FHC, não fica muita dúvida que as devastadoras privatizações FHC/PSDB, que tantos prejuízos causaram ao Brasil, que em dinheiro atual chegaria a mais de R$ 10 trilhões, só pode ter contado com imenso apoio dos EUA, permanentemente atentos na busca da riqueza alheia e procurando localizar possíveis grandes traidores, como FHC/PSDB.

  21. Caro Mauro Julio Vieira,

    o mensageiro conta pontos quando trás analises que contribuem para elucidar os acontecimentos. Enquanto muitos tem o único proposito de camuflar fatos que favorecem este ou aquele objeto em pauta, sabemos que nem sempre, está idôneo do ponto de vista jornalistico, moral ou formador de opiniões. A verdade pode estar em vários lugares sem precisar de chamar atenção, já a mentira faz questão de comprar espaços em todos os lugares para dizer ser dona de alguma coisa que não é.
    O PT está sendo desmascarado por sempre se achar que tudo pode, sem precisar dar satisfação a sociedade, muitos emissários por ora, tem conseguido diferenciar as mentiras de um programa de partido e através de verdades escritas faz artigos para desmascará-los. Sorte a nossa!
    Abraço
    Rodrigo.

  22. “Picaretas de luxo”

    é um dos mais belos textos dos tantos que dia-a-dia me surgem pela frente. Belo porque toda verdade é bela.
    .
    Ainda hoje pela manhã lendo a Frase do Dia do Blog do Noblat: “Ninguém sabe hoje quem apoiará Dilma em 2014 – Rui Falcão, presidente do PT”, lembrei e lá deixei:
    “Versos Íntimos

    (Augusto dos Anjos)

    Vês! Ninguém assistiu ao formidável
    Enterro de tua última quimera.
    Somente a Ingratidão – esta pantera –
    Foi tua companheira inseparável!

    Acostuma-te à lama que te espera!
    O Homem, que, nesta terra miserável,
    Mora, entre feras, sente inevitável
    Necessidade de também ser fera.

    Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
    O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
    A mão que afaga é a mesma que apedreja.

    Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
    Apedreja essa mão vil que te afaga,
    Escarra nessa boca que te beija!”

  23. Se curiosidade matasse…
    .
    Se curiosidade matasse o Brasil estaria agonizando. O amanhã político incomoda e fascina. Num repente, de repente, e não mais que de repente, surprise… bum! E a massa, uma maioria silenciosa nas ruas. Quem imaginava?
    Massas “Potencialmente, existem em qualquer país e constituem a maioria das pessoas neutras e politicamente indiferentes, que nunca se filiam a um partido político e raramente exercem o poder do voto. H.Arendt”

    Mas…será mesmo a maioria? Este rodado brasileiro, morando por aqui num longínquo, desconhecido e esquecido povoado nordestino de pescadores que sobrevive do assistencialismo governamental, nutre fundada dúvida.

    O voto por aqui – mais do que no SP do Haddad – tem preço sim e está em baixa. Mais baixo do que bumbum de sapo.

    O que percebo é um silêncio. Estranho que substituiu uma anterior e indisfarçável alegria. Vocês que tanto já ouviram falar e inventaram “bolsas”: já ouviram falar num negócio mirabolante que o governo paga para pescador não pescar? Não? Nem queira.

  24. Faltou lembrar que ambos os prefeitos, Artur Virgílo e ACM Neto, numa aberrante falta de compostura, ameaçaram publicamente “dar uma surra” no então presidente Lula quando eram parlamentares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *