O começo do fim

Carlos Chagas

Em junho de 1941 a Alemanha era senhora absoluta da Europa. Seus exércitos haviam conquistado a Noruega, a Dinamarca, a Bélgica, a Holanda, a França, a Polônia, a Iugoslávia e a Grécia. O Terceiro Reich tinha como aliadas a Itália, a Espanha, a Romênia, a Albânia, a Hungria e a Bulgária. Restava a Inglaterra, de que Hitler dizia haver perdido a guerra e não sabia. Assim, o ditador voltava-se para quebrar mais um tratado de não agressão, dessa vez com a União Soviética, que passara a hostilizar, concentrando dezenas de divisões na fronteira.

Ignorantes ou espertos, os russos faziam tudo para evitar o confronto com os nazistas. Joseph Stalin mandou seu ministro de Relações Exteriores, Molotov, a Berlim, para demonstrar boas intenções e ceder a novas exigências alemãs, desde que evitasse a invasão.

Um comentário, no entanto, precipitou a intransigência germânica, quando o visitante conferenciava com o ministro de Relações Exteriores alemão, Ribbentrop, que do alto de sua arrogância reafirmava estar a Inglaterra liquidada. Molotov não se conteve e respondeu:
“Se é assim, por que nos encontramos aqui neste abrigo, e de quem são essas bombas que estão caindo?”

A verdade é que Winston Churchill não aceitava a derrota e mandava a Royal Air Force bombardear a capital da Alemanha, como forma de reagir ao massacre sofrido pela população de Londres. Ribbentrop foi logo contar a gozação a Hitler, que raivoso confirmou a data para a invasão da URSS, começo do fim da queda do Império Nazista.

Por que se conta essa história antiga? Porque quem não aprende com a História condena-se a repeti-la, mesmo guardadas as proporções. O PT encontra-se em tamanha fase de arrogância e prepotência que se dá ao luxo de contestar e provocar Dilma Rousseff através da promoção de monumentais greves executadas pela CUT, ao tempo em que seus líderes comentam que se a presidente não se curvar ao domínio do partido, poderão deixá-la de lado e insistir para que o Lula se candidate em 2014.

Esse surto grevista, porém, pode estar para o PT assim como a invasão da URSS esteve para o nazismo: a porta da derrota, já que apesar da simpatia despertada pelas reivindicações dos servidores públicos, ninguém aguenta mais a baderna. Em especial se os planos da CUT envolverem, como parece, movimentos semelhantes nas principais categorias privadas, a partir de agosto. Todos compreendem que se satisfeitas as exigências dos grevistas, a economia nacional vai para o brejo. Por isso Dilma resiste e mandou endurecer, cortando o ponto dos servidores paralisados e negando recursos para o festival daqueles que imaginam haver ganho a guerra.

###
PELO MENOS, UM AVANÇO

Conforme dados da Justiça Eleitoral, 108 candidatos a vereador, em todo o país, registraram-se adicionando um “Lula” aos seus nomes. Temos o Joaquim “Lula” de Oliveira, o Frederico Rangel “de Lula”, a Margarida “Lula” de Sousa e muitos outros. Ao mesmo tempo, 68 candidatos acrescentaram “Dilma” aos seus registros: “Maria Hermengarda “Dilma” da Silva, Conceição Vieira “Dilma” e muitas mais.

Para quem se irritar com esse expediente pouco ético, simplório e obtuso, vai a lembrança de que no passado era pior. Porque na falta de biombos como os atuais, o eleitorado reagia elegendo o rinoceronte Cacareco vereador em São Paulo, ou o bode Cheiroso em Recife. Ainda faz pouco elegeram o Tiririca deputado federal. Quem sabe estamos saindo do circo e do jardim zoológico?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *