O culpado foi o mordomo

Carlos Chagas

O namoro e o noivado foram explosivos mas o casamento ia bem. O diabo é que ainda na lua de mel o casal entrou em crise. Separou-se. As previsões são de um divórcio litigioso.

Falamos de Joaquim Barbosa e Ricardo Lawantowski, que ontem voltaram a divergir, no julgamento do mensalão. Depois de baterem de frente, como relator e revisor, coube a Lewandowski surpreender o Supremo Tribunal Federal e votar com Barbosa na condenação de um ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizollato, de Marcos Valério e de mais dois penduricalhos. Nessa primeira etapa, faltava completar as acusações contra o ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha, que o relator condenara por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro.

  Eles estão se posicionando…

Pois não é que nos três casos o revisor saiu em defesa do deputado? Sustentou que receber 50 mil reais de uma agencia do Banco Rural foi operação normal, porque havia pedido ao PT esse dinheiro para pagar pesquisa feita em Osasco. Esqueceu-se de explicar porque o dinheiro, em vez de vir do PT, veio de Marcos Valério, e numa agência do banco implicado com a lambança. Afinal, Valério não era tesoureiro do partido. Mas tem mais. A acusação de favorecimento a uma agencia de publicidade pertencente a Marcos Valério, que recebeu antecipadamente milhões da Câmara, mas não cumpriu o contrato, foi transferida por Lewandowski do então presidente da casa para o diretor-geral, como se este não fosse nomeado e nem cumprisse ordens daquele. Só faltou argumentar que o culpado era o mordomo…

Novo refrigério do ministro-revisor referiu-se à ausência de atos de ofício, quer dizer, faltaram papéis assinados por João Paulo autorizando falcatruas. Guardadas as proporções, é como se Al Capone tivesse assinado ordem autorizando seus capangas a promoverem o massacre do Dia de São Valentim…

O resultado do divórcio entre Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski pode redundar numa inversão de tendências na mais alta corte nacional de justiça, caso outros nomes emblemáticos do PT venham a ser defendidos com tanta ênfase pelo relator, ainda que tudo vá depender do voto dos outros ministros. Se João Paulo acabar absolvido, por que não José Genoíno, Delúbio Soares e José Dirceu, para não falar em deputados de outros partidos que se lambuzaram no mensalão?

Vai ficando claro que as primeiras impressões são supérfluas, que Lewandowski não é aliado, mas mesmo o contra-ponto de Barbosa, quer dizer, assume a defesa dos réus. Tudo pode mudar amanhã, mas se o Supremo decidir que não houve mensalão, só desvio de dinheiro público e privado para pagar contas de antigas campanhas eleitorais, o remédio será chamar Pedro Álvares Cabral para começar tudo de novo. E nem se lembre que mesmo no caso de punição para alguns mensaleiros, nenhum deles acabará na cadeia, como prenunciou o ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

###
FÉRIAS DISFARÇADAS

Em meio ao julgamento do mensalão, a CPI do Cachoeira e o início da propaganda eleitoral obrigatória, pouca gente se deu conta de que o Congresso continua o mesmo. Na semana em curso, está difícil encontrar senadores e deputados em Brasília. Estão quase todos valendo-se do privilégio do esforço concentrado, melhor dizendo, do recesso remunerado.

Não há votações, na Câmara e no Senado, e até as comissões técnicas pouco se reúnem. O pretexto é de que Suas Excelências necessitam permanecer em suas bases para ajudar a eleger candidatos a vereador e a prefeito. O problema é saber quantos se encontram no exterior, ou quantos freqüentam vídeos e microfones em favor de seus preferidos.

Assim transcorrerão as próximas semanas, saltando aos olhos a existência de dois pesos e duas medidas.A presidente Dilma determinou a suspensão dos vencimentos de mais de 11 mil funcionários públicos em greve. Terão os presidentes José Sarney e Marco Maia a mesma determinação, de cortar o ponto de seus colegas em férias?

###
AUDIÊNCIA EM DÚVIDA

Não se trata de saber quantos aparelhos de televisão estão ligados nos programas de propaganda eleitoral obrigatória, que diminuíram sensivelmente desde terça-feira. O principal instituto de pesquisa das preferências dos telespectadores deveria apurar um pouco mais suas indagações. Que tal perguntar quantos prestam atenção ao que dizem os candidatos?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *