O descobrimento, segundo Mário de Andrade

O romancista, musicólogo, historiador, crítico de arte, fotógrafo e poeta paulista Mário Raul de Moraes Andrade (1893-1945) faz, neste poema, uma comparação entre o homem de um grande centro urbano e a vida precária de um seringueiro, o homem do Norte, uma região praticamente abandonada pelas autoridades. Logo, trata-se de uma forma indireta de denúncia bem própria do Modernismo da primeira geração.

Mário, visto por Segall

###
DESCOBRIMENTO

Mário de Andrade

Abancado à escrivaninha em São Paulo
Na minha casa da rua Lopes Chaves
De supetão senti um friúme por dentro.
Fiquei trêmulo, muito comovido
Com o livro palerma olhando pra mim.

Não vê que me lembrei que lá no Norte, meu Deus!
muito longe de mim
Na escuridão ativa da noite que caiu
Um homem pálido magro de cabelo escorrendo nos olhos,
Depois de fazer uma pele com a borracha do dia,
Faz pouco se deitou, está dormindo.

Esse homem é brasileiro que nem eu.

(Colaboração enviada pelo poeta Paulo Peres – site Poemas & Canções)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “O descobrimento, segundo Mário de Andrade

  1. pode me responder sobre o poema ”Descobrimento” ?

    – Destaque um verso que comprova o ”escrever brasileiro”?

    – Aponte uma passagem em que uma referência muito especifica permite ao leitor identificar, no eu-poético, o próprio autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *