O dono dos ovos

Sebastião Nery

O saudoso e exemplar Virgilio Távora, duas vezes senador e duas vezes governador do Ceará, era candidato a governador em 78, foi à cidade de Senador Pompeu para um comício. Não havia um hotel razoável onde hospedar-se. Ficou na casa do médico Adonias Mano de Carvalho.

Depois do comício, o jantar. Depois do jantar, a sobremesa. O doutor Adonias chamou a cozinheira:

– O que é temos para a sobremesa do senador Virgilio?

– Doutor, temos doce de banana e banana pessoalmente.

***
HELIO DUQUE

Lula, com seu irresponsável talento de marqueteiro de si mesmo, como um Duda de palanque,  enganou o País, fingindo que acabou com a dívida, como se um doce fosse, mas é um crime “pessoalmente”.

O brilhante baiano, professor e doutor em Economia, Helio Duque, três vezes deputado federal pelo MDB e PMDB do Paraná, fez um estudo profundo, irrespondível e arrasador sobre a dívida do País, que chamou de “O Ovo da Serpente”, relembrando o clássico filme de Ingmar Bergman:

“Na Índia, a “naja” é uma serpente venenosíssima e de picada mortal, não obstante ser a preferida dos mágicos encantadores de serpente. A economia brasileira está chocando um ovo de serpente, a dívida interna. É fundamental destruí-lo, antes que seja tarde”. Os números são mortais.

O Brasil está com uma dívida interna de 2,2 trilhões de reais. E segundo Lula, marqueteiro de plantão, a dívida externa foi liquidada. Isso é uma mentira, uma enganação, pela razão primeira de não ser possível, pois a dívida externa abrange setores públicos e privados. Do total da dívida, 100 bilhões de dólares são de origem pública, mas 250 bilhões de dólares de inteira responsabilidade de empresas privadas. É elementar que o governo não pode interferir no pagamento dessas dívidas.

***
BANCO CENTRAL

A partir de 2004, o Banco Central fez a opção de fortalecer as reservas cambiais internacionais e a dívida interna recebeu impacto criminoso. Isso significa que o “fim do endividamento externo” teve a contrapartida de brutal aumento do endividamento interno.

O ex-presidente do Banco Central, Afonso Celso Pastore, que não é nenhum bolivariano, considera um erro a troca da dívida externa por dívida interna, infinitamente mais cara.

A rolagem desses títulos tem elevado custo, resultado da nossa taxa básica real de juros, a mais alta do planeta.

***
OS JUROS

Enquanto o Brasil pagava, em 2007, pela dívida externa, juros de um máximo de 5 a 6%, os juros da dívida interna atingiram 12,8%. Hoje, estão em 11%. A dívida externa é atrelada a juros bem mais baratos, diante dos juros da dívida interna. O governo trocou a dívida externa em dólares pela dívida interna na base da Selic. Os donos dos títulos, os donos dos ovos, nacionais ou internacionais, são os mesmos.

O inacreditável é que, no Congresso, Câmara, Senado, na grande imprensa, ninguém toma conhecimento, ninguém se assusta, ninguém discute. Têm medo de desagradar aos donos dos ovos.

Só Helio Fernandes, como um Dom Quixote, há décadas vem clamando contra o crime de o País endividar-se cada vez mais, governo a governo, ano a ano, escorrendo em juros o sangue sugado da Nação.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *