O empobrecimento da Petrobras, e o enriquecimento de alguns, que desde a época de Geisel, (e até antes) ganhavam faustosamente. E esses chegaram até Dona Dilma e Don Mantega

Quando abriram o testamento-herança do “presidente” Geisel, espanto assombroso: ele deixava, comprovado, 20 milhões de dólares. Amigos, parceiros, familiares e apaniguados, inteiramente surpreendidos. De onde viria essa importância? E como “presidente” tão austero acumulara esse dinheiro?

Na época procurei investigar, e como nenhum órgão de comunicação publicou qualquer coisa, fiquei sozinho.  Primeira constatação: naquela época, digamos a partir de 1974, quando o general foi agraciado, que palavra, com a “presidência” da República, o Brasil COMPRAVA anualmente, 20 BILHÕES de DÓLARES de petróleo.

Decodificando os números, chegamos ao seguinte: 10 por cento de 20 BILHÕES, dá 2 BILHÕES. 1 por cento de 20 BILHÕES, não passa de 200 MILHÕES. 0,1 por cento desses 200 MILHÕES, e chegamos aos 20 MILHÕES da herança-testamento. Irrisório.

Não vamos desenterrar, ressuscitar ou crucificar o general (sem aspas) e o “presidente” (com aspas e paetês), por causa dessa “bobagem”. Informantes do repórter: “Helio, a comissão do mercado, geralmente é de 3 por cento. Portanto, o “Presidente”, em vez de 20 milhões deveria ter deixado 600 MILHÕES. É um benemérito.

Era a fase pobre da Petrobras, ninguém imaginava que a empresa chegasse ao poderio que chegou. Vivíamos ainda na fase do americano Mister Link, que passara muito tempo no Brasil, por conta de Juracy Magalhães. (Não esqueçam, presidente da Vale do Rio Doce e depois, da Petrobras. Esse Mister Link gravou a frase mais arruinada do mundo: “Não há petróleo no Brasil”).

“Presidente”, Geisel nomeou logo para a Petrobras, quem? Shigeaki Ueki. Esse não teve a generosidade do próprio Geisel, em vez dos 3 por cento do mercado, deve ter cobrado mais. Quando Geisel precisou favorecer alguém com a presidência da Petrobras, (vá lá, por acordo político), deu a Shigeaki Ueki, o ministério de Minas e Energia. Como hierarquicamente, a Petrobras é subordinada a esse ministério, digamos que a comissão era dividida, sem hostilidades.

Aí, os filhos de Shigeaki Ueki já haviam crescido, e “gerenciavam” os poços de petróleo do Texas. Conservadores, ganhavam (o verbo é esse ou pode ser mudado para roubaram?) com o petróleo, investiam no petróleo.

Hoje, no Texas, a família Ueki é petroliferamente, mais poderosa do que a família Bush.

Aí o Brasil foi descobrindo petróleo nos mais diversos lugares, lógico, o dinheiro gasto com a compra do produto diminuindo. A partir dos anos 90, já se falava na AUTOSUFICIÊNCIA em matéria de produção de petróleo. Mas ainda deu para enriquecer muito Joel Renó, muito Galvão, muito Sérgio Machado, já na Era Lula. São mais de 300 faturando.

Perseguido, preterido, discriminado, defendia intransigentemente a Petrobras, eles explodiam de gargalhadas. Veio o governo FHC, a 9478, que só eu combati, depois veio o governador Requião, na sua fase progressista, que durou pouco. Mas durou. O Procurador Geral do Estado do Paraná entrou com uma Adin, o presidente do Supremo era Nelson Jobin, como o povo brasileiro podia ganhar alguma coisa? Perdemos de 7 a 4.

Aí, muita gente continuou ganhando dinheiro (por fora, caixa 2, caixa 3), era tanto, e o desperdício da Petrobras, caso de policia. O “proprietário” da Comunicação e seus 142 ASSESSORES, que prodígio. Mas não deixaram de ganhar comissão, mudaram de setor. Como a Petrobras COMPRA, necessariamente por ano mais ou menos 200 BILHÕES de material, vejam quantos são enriquecidos à custa do povo?

E chegamos á fase pré-sal, ainda faltam uns 10 anos, mas todos querem enriquecer antes, consideram que no próprio nome está o PRÉ. Surgiram também os que não participavam das grandes jogadas, se satisfaziam com o recebimento mensal (nada a ver com o mensalão), os CONSELHEIROS e os 6 MEMBROS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Não eram tacadas homéricas mas dava para viver faustosamente.

Tratarei disso amanhã, segunda-feira, nem a CPI tratou disso. Aliás a CPI foi morrendo, nem os chamados oposicionistas tinham noção dos números. Não estavam preparados para o GIGANTISMO DA CORRUPÇÃO.

***

PS- Por causa da Petrobras, Geisel teve que brigar com o general Euler Bentes Monteiro. Este chegou a general com 48 anos, inédito. Como só podia ficar 12 anos como general (ou 4 como 4 estrelas), foi pra casa com 60 anos, mocíssimo. Geisel prometeu nomeá-lo presidente da empresa.

PS2- Acontece que para essa nomeação, pelo menos naquela época, era imprescindível o aval de grupos nacionais e multinacionais. Como não conheciam o general, ele não foi nomeado. Em 1979, se lançou candidato a “presidente”, contra Figueiredo. Pura vingança, não tinha chance. Mas juntou uma equipe boa. Que queria me levar. Eu disse um NÃO retumbante, perguntei: “Que confiança ele merece?”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “O empobrecimento da Petrobras, e o enriquecimento de alguns, que desde a época de Geisel, (e até antes) ganhavam faustosamente. E esses chegaram até Dona Dilma e Don Mantega

  1. è de se estranhar que com tantas informações de corrupção, os orgãos publicos que temo dever de evitá-la, não apareçam. É como os quebradores nas manifestações de ruas, são meia dúzia, encapuzados, e agem livremente, quando seria tão fácil prendê-los.

  2. Precisamos discutir mais IDÉIAS do que NOMES. Pessoalmente penso que a criação da Petrobrás foi correta, inclusive com o monopólio do refino. Hoje isso é totalmente desnecessário. Deixemos as Outras refinarem que o preço da gasolina, nas bombas, cairá imediatamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *