O escândalo da paralisação da construção das usinas nucleares versus o escândalo da corrupção

Profa. Guilhermina Coimbra

Importante sem dúvida é atacar a corrupção, em todos os seus níveis governamentais. Porém, há que se ter em mente que os grandes escândalos no Brasil e na política de modo geral, sempre tiveram e continuam tendo o objetivo de distrair a atenção para escândalos bem maiores.

Costumam desviar a atenção, por exemplo, de escândalos bem maiores, como negociatas com bens públicos inegociáveis. Os escândalos até podem ser utilizados para esconder, outro exemplo, objetivos de paralisar o desenvolvimento do Brasil.

Os jornais noticiam que o governo declara que não vai mais construir as usinas nucleares programadas. Vale dizer:

* O governo capitulou e concordou em não concorrer no Mercado Internacional da Energia Nuclear;

* O governo – através dos escândalos da corrupção,contando com a distração e o que pensa ser a ignorância da população brasileira – concordou em deixar os concorrentes acabarem de se locupletar, como vêm se locupletando há anos (através dos consórcios que distribuem a matéria-prima in natura nuclear retirada do subsolo do Brasil, como “cliente preferencial”;

* O governo concordou em, posteriormente, vir a comprar tecnologia pelo Brasil, quando a necessidade obrigar o paísl a construir as usinas que estão programadas há mais de 30 anos;

* E o governo ¨deixou-se convencer” e concordou em comprar tecnologia dispendiosa e inaceitável para um país como o Brasil (eólica, solar) como forma de energizar o Brasil.

São vergonhosos os “argumentos de autoridade” expostos nos jornais.
Deixam tantas desconfianças que dá até para indagar: quem está ganhando ou vai ganhar o quê, quanto e de quem – “para argumentar autoritariamente” com os argumentos falaciosos utilizados.

Como se estivessem “argumentando autoritariamente” para uma massa acéfala. Como se o Brasil fosse uma massa de ignorantes. Como se pudessem desprezar, impunemente, a inteligência, a sagacidade – e a percepção da população brasileira.

###
NÃO HÁ O QUE TEMER

Daí, porque, contra-argumentamos: 1) não há por que temer as usinas nucleares, que são milhares nos Estados desenvolvidos, movidas pela matéria-prima nuclear brasileira transformada, em combustível, fora do Brasil; 2) Chernobill é usina ultrapassada, retrógrada, não serve de exemplo, porque os seus reatores são RBMK (reatores enormes/765 m³, extremamente difíceis de serem controlados, porque têm dispositivo de chegada lenta de urgência, não têm controle de refrigeração, o moderador é á grafite, portanto, sujeito á combustão, etc., etc., completamente diferentes dos reatores utilizados nas usinas brasileiras). Desde o primeiro “acidente” que os reatores são os mesmos.

Em 1984, no livro “Urânio Enriquecido: O Combustível do Século” e na tese/mestrado/PUC-RJ sobre o “O Direito e o Desenvolvimento, O Direito Niclear”, está didática e muito bem explicadinha a diferença entre os dois reatores, provando que se ocorreu mesmo o “acidente”, aquilo foi forjado, “marketing” da poderosa indústria nuclear, aproveitando-se de que os reatores eram obsoletos e objetivando dissuadir, pelo terror, eventuais concorrentes.

Para entender as diferenças entre as usinas nucleares da Usina de Fukushima, Japão e as usinas brasileiras, ler no site www.ibin.com.br, fazendo ”download” (ou ler os anexos).

Observem bem os “argumentos de autoridade” com que justificam o fato de terem acordado/concordado em deixar de utilizar a energia nuclear através da necessária construção das usinas nucleares (sabendo que a energia nuclear é a mais econômica, a menos poluente etc. – o Protocolo de Kioto afirma isto, não somos nós, não!

A questão não é de “achismo”, nem de opiniões despidas de cientificidade e de argumentos lógicos. As usinas nucleares são portáteis, podem ser construídas no Nordeste e em qualquer lugar onde forem necessárias, sem dessapossar, sem desalojar populações, sem inundar imensas áreas – e sem prejudicar o meio-ambiente!

Enfim, o governo do Brasil está jogando no lixo a inteligência e a experiência dos técnicos brasileiros, menosprezando as necessidades do Brasil. Está entregando a matéria-prima nuclear por desuso.

O potencial de matéria-prima nuclear – a ser transformado em combustível nuclear – é uma matéria-prima energética do mais alto valor. O seu potencial tem que ter destinação utilitária urgente para suprir as carências do país, energizando-o, principalmente, no Nordeste – exatamente, como estava programado desde os tempos do vice-presidente Marcos Maciel.

###
A HISTÓRIA SE REPETE

Há que se exportar somente o excedente da referida matéria-prima valiosa, depois de supridas todas as usinas nucleares, indispensáveis ao desenvolvimento do Brasil.É a história do que antecedeu a exploração do petróleo no Brasil se repetindo pouco inteligentemente!

É lógico que têm que construir o máximo e onde puderem ser construídas, as usinas hidroelétricas. Há que se aproveitar o potencial hídrico do país, expulsando e “botando para correr”, as ONGs sabotadoras, desinformadoras da opinião pública brasileira.

O que não pode ocorrer de modo algum – por ser contrário ás razões científicas e da lógica – é comprar tecnologia dispendiosa com o erário público, priorizando as usinas eólicas e as solares (o Brasil é urbano, só tem edifícios, não têm telhados, e a população brasileira não pode ficar á mercê das intempéries, tipo, se tiver vento, ou, se tiver sol – vamos ter energia.
Ridículos, portanto, os raciocínios expostos pelo governo!

Finalmente, “por amor a arte” e como professora-pesquisadora, formadora de opinião, tenho tentado fazer o meu melhor, rechaçando todos os argumentos falsos, falaciosos, vendidos com a intenção de paralisar o desenvolvimento do Brasil, impedindo-o de dar destino útil aos seus minerais energéticos nucleares.
A percepção brasileira e o Brasil merecem e exigem respeito.

coimbra@ibin.com.br

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “O escândalo da paralisação da construção das usinas nucleares versus o escândalo da corrupção

  1. Sobre as Usinas Nucleares, não é isso que diz a maior autoridade sobre o assunto no Brasil, o saudoso Prof. José Augusto Bautista Vidal. “Não há o que temer” e todo o trecho que fala sobre Usinas Nucleares neste texto é um total absurdo, um verdadeiro DESCALABRO!! Quem quiser conferir a opinião do homem que idealizou e coordenou o projeto Pro Álcool no Brasil sobre o assunto, assista o vídeo: http://youtu.be/iTzPfRM2-D4

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *