O exemplo de um povo, que em menos de um sculo, deixou de viver num regime semi-feudal para fazer uma revoluo de verdade

Jorge Folena

difcil escrever qualquer palavra neste momento de tristeza, aps mais uma noite de intensas chuvas no Estado do Rio de Janeiro, nesta tragdia que se repete todos os anos e que, desta vez, deixou centenas de mortos. A vida humana, neste cenrio de lugar comum, perdeu o sentido.

***

O panorama na velha Europa de uma crise econmica cada vez mais alarmante, com austeridade fiscal e reduo de salrios. Em vrios pases, alm do combate contnuo presena de imigrantes de suas ex-colnias, existe ainda a crescente preocupao com a migrao interna de cidados oriundos das regies mais pobres do continente.

Os pases mais desenvolvidos querem se afastar do Euro e regressar s suas moedas nacionais originrias, criando assim a expectativa de exportar alguma coisa a mais em mercados cada vez mais concentrados por capitais especulativos, o que s faz aumentar os preos das matrias-primas. Os ultraconservadores ganham mais espao, num continente envelhecido e que poder, em breve, restringir direitos fundamentais de sua populao. Na verdade, este filme no novo e ocasionou duas grandes guerras no sculo passado.

Enquanto isto, as ex-colnias europias na frica despontam como o lugar do futuro. O continente africano tem uma populao muito jovem e nisto reside a esperana de dias melhores. Apesar de os pases africanos serem ainda, o tempo todo, chantageados e corrompidos pelos exploradores de sempre, que cobiam suas riquezas, a esperana mora naquele continente e poder em breve dar prosseguimento a verdadeiras revolues para a transformao de seu povo, usurpado pelo colonialismo e pelo imperialismo das Idades Moderna e Contempornea.

***

A Repblica Popular da China tem, no prembulo de sua Constituio, a seguinte lembrana histrica: Depois de uma muito rdua, prolongada e complexa luta, pelas armas e por outras formas, o povo chins de todas as nacionalidades, dirigido pelo Partido Comunista da China e chefiado pelo Presidente Mao Zedong, acabou por derrubar em 1949 o domnio do imperialismo, do feudalismo e do capitalismo burocrtico, obteve a grande vitria da nova revoluo democrtica e fundou a Repblica Popular da China. Desde ento o povo chins tomou o poder poltico em suas mos e tornou-se senhor do seu prprio pas”.

Aps a fundao da Repblica Popular, a transio da sociedade chinesa da nova democracia para o socialismo foi-se fazendo aos poucos. Completou-se a transformao socialista da propriedade privada dos meios de produo, foi suprimido o sistema de explorao do homem pelo homem e estabeleceu-se o sistema socialista.

A ditadura democrtico-popular, conduzida pela classe trabalhadora e baseada na aliana dos trabalhadores e dos camponeses que , no fundo, a ditadura do proletariado tem-se vindo a consolidar e a desenvolver.

O povo chins e o Exrcito de Libertao do Povo Chins conseguiram fazer frente agresso, sabotagem e s provocaes armadas de imperialistas e hegemonistas, salvaguardando a independncia nacional da China e sua segurana e fortalecendo a defesa nacional. No domnio do desenvolvimento econmico averbaram-se grandes xitos.

Implantou-se na indstria um sistema socialista independente e largamente integrado. A produo agrcola registrou um assinalvel aumento. Fizeram-se significativos progressos nas reas da educao, da cincia e da cultura e a formao ideolgica socialista obteve notveis resultados. O nvel de vida do povo melhorou consideravelmente.

Esta mesma China, em menos de um sculo jfez a sua revoluo cultural, deixou de ser um pas semi-feudal para levar o homem ao espao (apenas trs pases conseguiram isto com tecnologia prpria), bem como o Estado Chins passou a ser o segundo maior investidor do mundo, adquirindo empresas capitalistas, minas e terras estratgicas.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.