O expirar do prazo

Vittorio Medioli

Para entender melhor os processos que movimentam um povo, é preciso inicialmente compreender os inúmeros grupos que se identificam, se reconhecem e se aglutinam em volta de um mesmo ideal e seguem um sentido comum.

Segundo as religiões orientais e os ensinamentos encobertos pelo véu do “ocultismo”, quanto menos evoluída uma personalidade, mais necessidade tem de se identificar com um grupo, pois sozinha teria dificuldades em suas escolhas. Assim, prefere seguir o que a maioria do grupo identifica como a solução melhor.

Claro que a escolha do grupo resulta “aproximada” e frequentemente limitada para o indivíduo, assim como seria um sapato de tamanho 40 que será calçado indiscriminadamente por quem usa medida 38 ou 43. Um terá o pé guardado com grande folga e arrastará o calçado, enquanto o outro conseguirá abrigar apenas a extremidade dos dedos. Entretanto, tanto um como outro evitarão se cortar em pedras agudas, e, com certeza, grande parcela dessa comunidade encontrará nesse calçado “escolhido pela vontade do conjunto” algo de útil para avançar.

ESCOLHA COLETIVA

A escolha coletiva, mais que por um raciocínio, é determinada por um “convencimento” coletivo, já que a massa não tem cérebro e não raciocina, essencialmente tem capacidade de reação e de escolha pela média que sai do vulcão da maioria. Consideremos que, em uma massa formada por uma maioria pouco esclarecida, movida por necessidades primordiais que ainda a atormentam, a decisão será tendencialmente inocente, mas tal não aparecerá de imediato, só depois de as consequências se exacerbarem sobre a massa.

Quem possui uma consciência mais evoluída acaba se destacando da massa saponácea como uma bolha que consegue subir inflada por vontade própria e crítica. O evoluído manterá amor para com seus semelhantes, mas, enxergando os mecanismos que regem a comunidade, já passa a usar um sapato dotado de cadarços e fivelas que permitem uma acomodação mais apropriada. Usa de paciência e, quando bem-intencionado, adota uma postura de benévola compaixão, de missionário, de fazedor de harmonias e de ajudante invisível.

Tentando mapear os canais por onde flui a vontade popular, precisamos lembrar que na grande maioria os homens são educados e acabam se identificando com certas multidões psicológicas nas quais nasceram, militaram, aprenderam a se identificar. Isto é: com grupos de pessoas que pensam e, em especial, sentem de maneira similar.

Tais multidões estão nas famílias, nas tribos, nos clãs, nas escolas e nos grupos de estudo, nas profissões, nas seitas religiosas, nos partidos, nas escolas de pensamento, nas raças, nos povos da mesma nacionalidade. Até se aglutinam entre as pessoas que preferem um jornal a outro e acabam formando uma “multidão” psicológica que se identifica num conteúdo compartilhado numa mesma vibração que emana normalmente do autor e se completa com os intervencionistas.

PELO FACEBOOK

Hoje o Facebook possibilita o surgimento de comunidades temáticas que aceleram o agrupamento ideológico anteriormente elitizado e demorado. Quem gosta de Leonardo de Caprio, ou de fusquinha, ou do filósofo Theillard de Chardin, passa a ter opções de compartilhar o interesse e a paixão sem sair de casa. Isso obviamente cria uma nova atmosfera, estimula e estimulará a ampliação do conhecimento como já se nota, formando comunidades mais afortunadas.

As multidões, a massa, entretanto, restam dominadas pelos sentimentos e pelas emoções que dificultam decisões mais sábias e se expandem como uma onda elétrica quase instantânea perdendo o indivíduo o poder de pensar e sentir individualmente. Transforma-se num torcedor que almeja apenas o resultado. As reações refletem normalmente a figura de um líder – farol da multidão hipnotizada, quase sempre explorador contumaz dessa mesma multidão da qual cobra dízimos de várias espécies.

As incongruências do líder – formulador do pensamento – obrigam a comunidade a sofrer derrotas e erros, ao assumi-los para si, a justificá-los inconsequentemente, até porque fazem parte do dízimo não só material, mas moral e psicológico.

Os maiores erros da história se devem a massas subjugadas por emoções que perduraram até o som da flauta de Hamelin emitir seus eflúvios mágicos e levá-las a se afundarem “felizes” em águas profundas.

O encantamento da flauta, todavia, tem um tempo certo, nunca é eterno, e cessando deixa a massa em marcha a se perguntar como, por tanto tempo, achou aquele som que incomoda fascinante e avassalador.

Muitos líderes mais recentemente vêm experimentando o fenômeno da perda desse encantamento que parecia eterno enquanto durou. Continuam tocando a flauta e não se apercebem do expirar do prazo, que em breve estará apenas incomodando. O tempo deles parece que se esgotou.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “O expirar do prazo

  1. Um técnico em telefonia se dizendo representante da prestadora de serviço, foi prestar assistência na 9ªBDA INF MTZ (Es,)maior comando de área do Exercito Brasileiro, em realengo praça do canhão, o mesmo apareceu por três dias, com uniforme da concessionária para realizar uma manutenção no telefone da unidade militar, os militares desconfiaram da movimentação do suposto técnico e deixaram o mesmo fazer o trabalho quando chegou no terceiro dia o mesmo foi detido para averiguação, por ter grampeado o telefone do General de Brigada, guando foi levado para delegacia de realengo o suposto técnico se apresentou como agente da policia federal criando uma crise entre as instituições.

    Qual a intenção da policia federal em espionar o exercito??

  2. Telegrama divulgado pelo Wikileaks aponta preocupação com a “manipulação” do dinheiro arrecadado pelo “Criança Esperança” da TV Globo

    wikileaks criança esperança

    Documento registra telegrama que teria sido enviado do escritório da Unesco de Paris à capital norte-americana Washington

    Um documento publicado pelo site WikiLeaks, famoso por divulgar materiais e informações confidenciais de governos e empresas, registra uma investigação sobre o recebimento de verbas da campanha Criança Esperança da Rede Globo pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

    O documento, de 15 de setembro de 2006, revela um telegrama que teria sido enviado do escritório da Unesco em Paris, na França, para Washington, capital dos EUA. O material relata uma solicitação de reunião do então embaixador brasileiro na capital francesa, Luiz Filipe de Macedo Soares, com lideranças da entidade da ONU para discutir irregularidades ocorridas no escritório da Unesco em Brasília.

    Um dos problemas a serem discutidos, mencionados no documento, seria a manipulação do dinheiro movimentado pela campanha Criança Esperança, que já teria levantado US$ 40 milhões (cerca de R$ 94,8 milhões) desde 1986. Segundo o texto, teriam sido repassados à Unesco 10% desse total, por conta de uma “taxa de serviço”.

    Leia também

    assad-síria

    Wikileaks: EUA pretendem derrubar Assad desde 2006

    rede-globo-ditadura

    As mentiras a respeito do “arrependimento” da Globo

    editorial-globo-golpe-militar

    Globo diz que errou e pede desculpas por apoio à ditadura

    O documento não faz referência sobre o destino dos 90% do montante arrecadado, mas informa que um terço do orçamento dos fundos extra-orçamentais da Unesco (cerca de US$ 124 milhões, ou R$ 291,4 milhões) tem origem do escritório de campo do Brasil . No site oficial da campanha, a Rede Globo informa que “todo o dinheiro arrecadado pela campanha é depositado diretamente na conta da Unesco”.

    Em uma nota divulgada no dia 8 de junho de 2011 para esclarecer rumores sobre possíveis benefícios fiscais que a emissora teria com a campanha, a Rede Globo informou que nenhuma doação do Criança Esperança passa pela emissora. De acordo com dados da própria emissora, já foram arrecadados mais de R$ 270 milhões até a última campanha

  3. Grande contribuição de Vittorio Medioli para uma interpretação do Brasil e do mundo aos dias que correm…também os alertas do insone comentarista Acyr Ramos e outros espíritos do porte de Humberto Guedes, Laco Silva e outros imunizados da debutação política partidária em busca das benesses do poder, façanha/feito que nem mesmo personagens do Pensamento Clássico Ocidental, obtiveram imunidade, vez que reféns de traduções da Antiguidade Grega em versões já latinas e das conveniências dos imperadores romanos e credos religiosos de mil e uma cores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *