O fantasma continua assustando

Carlos Chagas

Na celebração do seu dia, ontem, o trabalhador foi o mais ludibriado dos cidadãos. Pelo governo, porque a presidente Dilma apresentou um cenário irreal da vida de cada um, acentuando os sonhos que falta  realizar. Vivêssemos um paraíso como o descrito por ela e o Brasil não apresentaria números  tão cruéis como esse que  a ilusão não consegue sufocar, de um salário mínimo ridículo.

Não há como sustentar a norma constitucional  de que o salário mínimo  deve bastar para o trabalhador e sua família terem garantidas  necessidades vitais como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.  Vá a presidente viver com esses miseráveis reais para conhecer a farsa encoberta pela Constituição.

Mas tem mais. As centrais sindicais comemoraram  a data que seria da redenção do trabalhador sorteando geladeiras e  automóveis,  sabendo muito bem  que sua mensagem atingia apenas metalúrgicos e penduricalhos. Por força de sua resistência, essa categoria conseguiu afirmar-se, ainda que apenas no Sudeste, mas o que dizer dos  milhões  de trabalhadores espalhados pelo país, sem as mínimas prerrogativas concedidas a  seus companheiros privilegiados? Uma encenação em estádios e praças públicas  só fazem despertar a indignação da maioria.

Coisa pior aconteceu  no plano das elites. Onde elas se reúnem, inclusive nas paradisíacas praias de Comandatuba, a palavra de ordem é  “fortalecer” o emprego pela supressão dos direitos  que ainda permanecem para os assalariados,   depois do terremoto que foi o governo Fernando Henrique, seguido pelos abalos do Lula e de Dilma.

Em nome da preservação de postos de trabalho, os economicamente poderosos lutam para a redução de impostos sobre demissões, como também para a desoneração de encargos nas folhas salariais. Querem isolar a Consolidação das Leis do Trabalho e “ajustar” o moderno mundo do trabalho. Até da extinção da Justiça Trabalhista voltam a falar.    Alegam a importância da competitividade entre as diversas economias, ainda que em momento algum imaginem reduzir suas vantagens e seus lucros.

Em suma, nada houve que comemorar neste Primeiro de Maio de 2013, exceção de  o fantasma continuar assustando.  Um dia, ressurgirá.

BATENDO DE FRENTE

Continuam o PMDB e o PT em campos opostos, apesar de pilares de sustentação da base parlamentar do governo. Um procura diálogo com o Supremo Tribunal Federal, outro pretende acirrar os ânimos na tertúlia entre Legislativo e Judiciário. Fica cada dia mais difícil que os dois partidos se entendam para as sucessões estaduais. Como indicar candidatos comuns nos estados? O risco é de permanecerem unidos apenas no apoio à reeleição da presidente Dilma.

TRÊS PEDRAS NO CAMINHO

Jantam juntos, hoje, Aécio Neves, Gilberto Kassab e Eduardo Campos. Imaginem para falar mal de quem? Os dois netos, um de Tancredo, outro de Miguel Arraes, disputam a preferência do fundador do PSD, também cobiçado pela presidente Dilma. Aliás, em termos de avôs, nem Aécio nem Campos querem lembrar-se da célebre frase de Tancredo  quando fundou o PP: “o meu partido não pode ser o partido do Arraes…” Acabou sendo por pouco tempo, quando o PP, inviabilizado, incorporou-se ao PMDB,  de onde não deveria ter saído.

Logo depois quem saía era Arraes, para o Partido Socialista…

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “O fantasma continua assustando

  1. Caro Chagas, 1º de maio, nada a comemorar, o trabalhador sobrevive, com um salário Minimo miserável, após a decada de 60, o SM, só dá para sobreviver, o aluguel de barraco-cubiculo na favela custa 300,00, alimentação, saúde, material escolar entretenimento da familia, com dignidade, onde fica!??.
    A Presidente, em sua fala, foi de promessa de candidata; quem vive na planicie, e tem consciência, sentiu em suas palavras à falta da verdade, na situação em que o trabalhador está mergulhado; a pobresa e miséria continua, quando tem salário pouco acima do SMM, o Leão do IR, lhe come, como se salário fosse renda.
    Uma atitude digna do Governo, ao menos quem ganha até 10SM, estaria isento, e a partir daí, uma tabela progressiva, com 5 ou 6 niveis, com o máximo de 20% até 20 SM.
    o Presidente Vargas, quando criou o SM, foi para atender as necessidades dignas de vida da familia de 4 pessoas, hoje, não atende ao próprio trabalhador!?!?.
    Portanto, nada a comemorar, e sim, lamentar!!!.

  2. Infelizmente, as Centrais e Sindicatos, estão recheados de “pelegos”, em sua maioria, não representam realmente o trabalhador, as comemorações realizadas ficam no “me engana que eu gosto e pão e circo”, não ví um manifesto, de valorizar o trabalhador na ativa e sua familia, e aos aponsentados e pensionistas, que descontaram sobre varios SM, e estão a caminho de 1 (um) Salário Minimo Miserável, a hipocrisia e farisaismo correram soltas e fagueiras.
    Após a ditadura de 64, o 1ª de maio, nada tem a comemorar, muito ao contrario tem muito é que “chorar”, pois, quem constroi esse País, “só leva ferro”!!!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *