O fim do mundo… aqui mesmo no Brasil

Sylo Costa
O Tempo

Já tive oportunidade de dizer aqui que “tenho a fé fraca da conveniência”. E que não sei se creio em Deus por amor ou medo. Quem sabe os dois juntos? Sou cartesiano, daí a dúvida: acredito, duvidando… Não sei por que sou assim, já que nasci em lar católico, até demais. Mamãe não fez outra coisa na vida a não ser rezar e cuidar da família, os quatro filhos e o marido, meu pai, também chamado, lá em Salinas, de “pai dos pobres”. Fui aluno interno, a partir dos 9 anos, no Instituto Padre Machado, colégio do maior educador católico do Brasil, o professor Antônio de Lara Resende (pai, entre outros, do falecido Otto e do Acílio, também colunista de O Tempo). Quando criança, falava em ser papa, só para poder mandar nos padres e nas freiras, o que eu pensava ser bom.

Todavia, quis o destino que eu, depois de formado em direito, enveredasse pela política, e foi aí que vi o que é bom pra tosse… Aos 50 anos, resolvi viver outra vida e fui cuidar da fazenda que eu havia adquirido com financiamento da Sudene, nas barrancas do Velho Chico, até que, oito anos depois, fui conduzido ao Tribunal de Contas do nosso Estado, por convite do governador e amigo Hélio Garcia.

Titulei esta matéria “o fim do mundo” e creio não estar exagerando, tamanha a ladroagem que anda acontecendo em nosso país. Depois do PT, roubaram e carregaram nossa brasilidade. Os jornais dizem que o governador Aécio Neves usou o avião do governo 124 vezes para passar fins de semana no Rio de Janeiro. É muito? Eu acho. E o que dizer do ex-Luiz, que comprou um avião por milhões de dólares e saiu pelo mundo em busca do Nobel da Paz, num caipirismo esperto, tal qual um bobo da corte? Sim, uma desgraça não justifica a outra, é verdade. Mas não é ilegal, nem para um, nem para o outro. É imoral para os dois, já que nem tudo que é legal é moral, e vice-versa.

UMA ÚNICA VEZ

Esses procedimentos deveriam servir para nortear nossos votos em eleições futuras. Em 20 anos como deputado, viajei por conta da Assembleia uma única vez, em companhia de Jorge Vargas, Jorge Ferraz, Cícero Dumond e Bonifácio Andrada, compondo comissão que foi ao Ministério do Interior, ainda no Rio, para cuidar de questão de grande relevância para nosso Estado.

A maioria dos homens públicos do Brasil tem mania de viajar por conta do povo. Agora mesmo, o presidente do TCE-MG, conselheiro Sebastião Helvécio, está em Boston, em “vilegiatura”. Aliás, esse conselheiro, que, em tempos bicudos como os que vivemos, vai construir mais um prédio no TCE (para ser sede de congressos internacionais), já deve ter viajado pelos quatro cantos do mundo, sempre de primeira classe e com diárias nunca inferiores a US$ 500…

Pois é, dinheiro para o aumento dos servidores em suas datas-base ou para a correção das URVs vencidas há mais de dez anos, nem pensar, mas andar pelo mundo à custa do Estado… O cara, além de folgado, se acha… Isso é ou não é o fim do mundo?

É preciso ter paciência de Jó e saco de Papai Noel…

8 thoughts on “O fim do mundo… aqui mesmo no Brasil

  1. Aproveitando que não acabou o Mundo ainda, e muito menos no Brasil
    Quem será que vai vestir a Roupinha do Capitão América para salvar a pele do Homem de deu$$$$, o famoso talebanjegui eduardo cunha.
    Será a Rainha da França, dona Henriquetta Cardosiana II.
    Será o famoso Vampiro da Móoca.
    Será o Guardião da Justiça e Moral e dos Bons costumes, a besta vociferante carlos sampaio
    Será o Rei da Água, gerardo efeagacê…….
    Como diz um deles, “vamos aguardar”, todos sabemos que eles são IMPLACÀVEIS contra a corrupção…….
    Pois até este finalzinho de Mundo, nem um piu do Partido da Ética contra a corrupção do cunha e suas continhas na Suiça…
    VIVE LA FRANCE

  2. CN, segue sugestão de ótimo artigo do Jorge Oliveira para publicação na Tribuna.
    http://www.diariodopoder.com.br/artigo.php?i=31308564510
    .
    Dilma desiste de governar e entrega o poder a Lula e ao PMDB fisiológico
    Jorge Oliveira
    image
    Brasília – A Dilma perdeu seu principal conselheiro. Como não manda mais em nada abriu mão de Aloizio Mercadante e entregou de vez o comando do país ao Lula que, finalmente, agora, ocupa todos os espaços no Palácio do Planalto, e ao PMDB fisiológico do Eduardo Cunha. Mercadante foi rifado porque – imagine! – não deixou que o pessoal do Lula loteasse o país, ocupando ainda mais cargos no governo. Também pesou contra ele os repetidos “nãos” aos parlamentares que iam em procissão ao seu gabinete a procura de liberação de emendas com a justificativa de que o dinheiro seria para obras sociais em suas bases.
    Lula temia uma provável candidatura de Mercadante à sucessão da Dilma. Ele sabe que o cargo do companheiro seria um trampolim à presidência, a exemplo do que aconteceu com a Dilma, que virou presidente quando a economia estava estabilizada. Dilma, mais uma vez, perdeu feio, muito feio. Deu uma demonstração ao país de que não manda e nem decide nada mais no governo. Para manter as aparências, ainda conseguiu realocar o seu “Príncipe Encantado” no Ministério da Educação, sua antiga caserna.

    O imbróglio da presidente não tem fim, como também não tem fim a sede do PMDB por cargos. Quando os brasileiros pensavam que o partido do saudoso Ulysses Guimarães iria apresentar ao país uma saída para a crise, eis que alguns fisiológicos do partido aparecem com uma lista de nomes para ocupar os cargos vazios do governo. A proposta para dividir a responsabilidade na administração partiu de quem? Dele, do próprio Lula, que prefere entregar os anéis a perder os dedos. E, mais uma vez, os peemedebistas assumem o ônus desse governo desgastado, corrupto e incompetente em troca de alguns carguinhos que lá na frente vão ter que abrir mão com a progressão da crise.

    O que ocorre com o PMDB tem semelhança com o PT. Muitos peemedebistas históricos perderam a eleição e estão desempregados. Acostumados a se servirem da máquina pública, lutam com unhas e dentes para se manter no poder. Muitos deles dão plantão dia e noite no Palácio do Jaburu, casa do vice-presidente Michel Temer, de olho nas boquinhas que ele oferece ao partido. Ou seja: quem pensava que o PMDB estaria fora do fisiologismo quebrou a cara. A cúpula do partido só vai desgrudar do governo quando não tiver mais gordura para queimar.

    E, nós, o que devemos fazer? Precisamos alimentar um movimento, usando todos os meios de comunicação, para demonstrar a nossa indignação. Não é possível que um partido como o PMDB que lutou pela redemocratização, que reorganizou o país na Assembleia Nacional Constituinte, que viu muitos de seus militantes serem degolados pela repressão, numa hora como essa desonre os brasileiros. Prefira acomodar seus militantes desempregados, sem votos, a convocar à sociedade para uma reflexão, um projeto que unifique o país em torno de uma saída para a crise.

    O partido está indo na contramão da história. A última pesquisa mostra que a Dilma não tem o apoio da população, mas ela insiste em dividir o poder, mesmo com uma rejeição astronômica de 70%. Mesmo assim, a cúpula do PMDB quer mantê-la na presidência como uma figura decorativa, mesmo sabendo das suas fragilidades. A partir de agora, é obrigação dos peemedebistas encontrar uma solução para a crise sob ameaça de acompanhar a Dilma à sepultura.

    Se depender de Eduardo Cunha, agora mais enrolado na Lava a Jato, e seus filhotes peemedebistas do Rio, o PMDB vai carregar nas costas a crise do PT. É assim que os petistas, liderados por Lula, agem. Quando a coisa desanda, eles procuram um boi de piranha para ser devorado. E a travessia do rio, com esse boi na frente, agora será do PMDB. E o sonho de chegar à presidência com candidato próprio em 2018 certamente vai ficar mais longe. É o instinto, meu caro sapo!

  3. Realmente. como disse o Sr. Sylo Costa. um erro não justifica o outro. Perfeito.
    Mas, o que o Sr. Armando está sempre fazendo em seus comentários ?
    É o ”tal negócio” . . .

  4. Sr. Sylo Costa,
    Comento o caput do seu artigo. É por homens da sua idade, como a minha, que temos grandes dúvidas religiosas e, por isso, escrevo um BLOG Budista. Procure o BLOG de Francisco R Nascimento e dê uma lida. A maioria das Doutrinas estão cheias de distorções. Mas, o erro vem de longe. Quando se atinge uma certa idade, a angústia da vida após a morte é muito grande. Sua dúvida se dispersará, após ler o meu BLOG. Boa sorte!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *