O gênio Chico Lopes, economista-matemático que salvou o Real. Os discursos de Dilma, Francisco e Lincoln. Foi o Papa que deu a ordem ao motorista: “Vá por onde tenha povo”. Por que teria medo da rua? Dilma despenca diariamente, o PT desunido. Mas o “Volta, Lula” vai uni-lo. O ex-presidente concorda.

Helio Fernandes

O PT está no auge, não pelo passado dito revolucionário, mas perdido. Também não por deter o Poder, que não está perdido. Mas pelo futuro, que pode até não perder, só que no momento é de completa incerteza. Até afirmaria, provocando surpresa e perplexidade como analista isento e independente: “O PT, não ostensiva mas oficialmente, está com 70% de certeza e 30% de incerteza”.

Surpresa? Isso é análise. E o que dizer do comportamento de Rui Falcão? Presidente do partido e precisando urgentemente da reeleição, sem a qual não existe, afirma e pergunta textualmente: “Ninguém sabe quem apoiará Dona Dilma em 2014”.

É uma declaração acintosa, mas decisivamente elucidativa. Rui Falcão jamais quis vir para o plano nacional, sempre soube que sendo do PT e de São Paulo, ninguém o definiria como estadual. Dessa forma chegou a presidente do partido. E agora, para conseguir a reeleição indispensável, não se aborrece, se contrange ou se incomoda em definir os caminhos do PT. Mesmo aparentemente controversos.

HOUAISS, URGENTE, AURÉLIO, RÁPIDO:
D. DILMA CONFUNDE COALIZÃO COM COLISÃO

Por causa disso, o ainda não reeleito Rui Falcão resolveu abrir o jogo. Uma coisa que ele aprendeu na presidência do PT é que, dentro do partido, o importante não é ser, mas se impor. Por isso, representando os 70% que têm certeza, que sabem que serão apoiados pelos outros 30% da incerteza, sem explicação maior, perguntou sobre o futuro do PT e de Dona Dilma.

Pela forma como vem agindo e se expressando, a própria Dona Dilma é que deveria fazer a pergunta, quem sabe diante do espelho: quem me apoiará em 2014? Ela hostiliza a todos, sem piedade, mas não tem correligionários, não surpreende nem assombra ninguém.

Pode ser dito que Dona Dilma já esteve em melhor situação? Seria arriscado e perigoso. Dona Dilma já tomou posse como era antes de 1998, sem reeleição. Pelo menos para ela. Logo no início do primeiro ano foi surpreendida pela “faxina”, fez o que prepararam para ele, que nem percebeu.

Se alguém não entender nada e perguntar o que vai acontecer ou está acontecendo, pode receber como resposta: “É a sucessão de 2014, estúpido”. E se a trajetória dessa sucessão não passa pelo Sírio-Libanês ou pelo Einstein, duas coisas serão irreversíveis. 1 – O PT não terá dificuldade com o candidato. 2 – O Planalto e o Alvorada terão que se readaptar a antigos hábitos.

COMPARANDO DISCURSOS

Num palavreado voltado para exaltação a ela mesma, Dona Dilma utilizou 1.134 palavras, não emocionou ninguém. Insistiu em se auto-elogiar, não ligou para as “caras amarradas” de “correligionários”, significando que gastava tempo demais. Nem se preocupava com o fato: depois dela falaria o Papa, o que a obrigaria, pelo menos por elegância e consideração, a ser mais rápida. Não ficou uma só afirmação da presidente, o vento desperdiçou todas as 1.134 palavras vazias.

Francisco já veio com o discurso preparado, não se envolveu em polêmicas internas, não entrou na armadilha de Dona Dilma, que pretendia marcar pontos, elogiando o povo nas ruas. (Desconsideração com o anfitrião, Sergio Cabral, que nem pode entrar ou sair de casa, por causa dos manifestantes.)

Em matéria de rua, Francisco não perde para ninguém. Sua afirmação, nos quatro meses em que é Papa, vem precisamente das ruas. E se consagra com sinceridade e humildade, quando acaba com a luxuosa liturgia da Igreja. Citou o futuro do mundo “com jovens e idosos”. Utilizou 902 palavras, nenhuma desperdiçada.

Voltando a um passado de 152 anos, reverteremos ao discurso de Lincoln na posse como presidente dos EUA. Lincoln usou apenas 132 palavras, o que o coloca, com essa antecedência, como precursor do twitter. Antes ou depois, Dona Dilma já estava ultrapassada, no tempo e no espaço.

CHICO LOPES: O GÊNIO
QUE SALVOU O REAL

Começando pelo princípio. Filho de Lucas Lopes, ministro da Fazenda de Juscelino. Economista-matemático-gênio, foi deixado de fora pelo grupo encarregado de criar e lançar o Plano Real. Presidente do Banco Central, fez uma desvalorização cambial que só mesmo um gênio poderia fazer.

Acusadíssimo de irregularidade, isso só poderia ser aceito por quem não conhece o economista-matemático.

Deixou o BC, foi processado e condenado a 15 anos de prisão, recorreu, a condenação foi reduzida para 8 anos, e será absolvido. Ele e o então presidente do BC, interino por 20 dias (outra notável e jovem figura). Não quer que o processo acabe, sabe que não tem culpa alguma.

O grupo de economistas do Plano Real (quase todos hoje muito ricos, nunca saiu tanto dinheiro do Brasil) entrou num “beco sem saída”, não sabia o que fazer para o Real ser entronizado. Admiradores do gênio de Chico Lopes, recorreram a ele.

Desprendido, socorreu-os. Apenas com um quadro-negro, a genialidade e debaixo de palmas, mostrou por que estavam engarrafados. E foi embora, como sempre, sem pensar em dinheiro. Ao contrário dos outros, que sem serem gênios, se “consagraram” financeiramente com o Real.

VACCAREZZA PERPLEXO

Jamais imaginou que fosse sofrer tanto. Escolhido e indicado pelo próprio Lula para coordenador da Reforma Política, vem apanhando impiedosamente. Surgiu então o brado retumbante: “Vaccarezza não representa o PT na Comissão”.

Foi se queixar a Lula, ouviu a resposta: “Não liga, o PT é assim mesmo”. Lula tinha razão, gritaram mais alto ainda: “Não queremos que Vaccarezza deixe a Comissão”. Lula conhece mesmo o partido que fundou, que governou e que não se desvinculou dele.

###
PS – Destaque das televisões brasileiras ontem: “Chegada do Papa ao Brasil tem grande repercussão na Itália”. Só na Itália?

PS2 – Na própria segunda-feira, os sites dos grandes jornais da Europa utilizaram todo o espaço, até com perplexidade, para assinalar o sucesso da chegada de Francisco.

PS3 – Isso apesar do fuso da Europa, pois quando o Papa chegava ao Guanabara, já eram 10 horas nas capitais da Europa, com exceção de Londres, lá eram 9.

PS4 – Grande discussão a respeito do roteiro seguido pelo Papa, assim que deixou o Galeão. Culpavam o secretário municipal de Transportes, que teria jogado o carro do Papa num engarrafamento.

PS5 – Não conheço o secretário, mas o roteiro não foi traçado ou imposto por ele. Não teria coragem ou autonomia para fazer alteração.

PS6 – A ordem foi direta do Papa ao motorista, “vamos por onde tenha povo”. Essa determinação pegou de surpresa os próprios agentes de segurança do Vaticano, que deixaram visível seu desespero. (Como assinalei ontem).

PS7 – Acontece que Francisco sabia a ordem que dava. Nunca esteve a perigo, não fechou os vidros do carro, sempre com um sorriso nada forçado, estava à vontade.

PS8 – No Guanabara também não exibiu desconforto, embora quisesse ficar o menor tempo possível. Ali não estava seu público predileto. Bem antes das 8 se preparou para ir embora. E foi.

PS9 – Quase unanimidade, mesmo sem objetividade: o Papa aproveitaria a folga de ontem, terça-feira, para conhecer o Corcovado. A conclusão vinha de uma certeza: “Francisco vir ao Rio e não visitar o Corcovado, quase um sacrilégio”.

PS10 – Mas as horas foram passando, a noite aparecendo e Francisco descansava no Sumaré. Dom Orani Tempesta abria a JMJ em Copacabana, o Papa se resguardava para os cinco dias agitadíssimos e cansativos, de hoje até domingo à noite, quando deixará o Brasil.

PS11 – Sem dúvida alguma, foi viagem histórica e inesquecível, essa de Francisco ao Brasil, Repercussão muito maior do que a dois outros dois Papas que estiveram no Brasil.

PS12 – Outra certeza: Francisco terá passagem também marcada para sempre, fique quantos anos ficar no Vaticano. Em 4 meses, Francisco já deixou indelével a palavra que influenciará a Igreja, com ele e depois dele: r-e-v-o-l-u-c-i-o-n-á-r-i-a.

PS13 – Dione de Castro e Silva: perdão e obrigado. Confundir Castro Alves com Olavo Bilac não é crime, talvez seja a traição da admiração. Sem desculpa ou alternativa, a responsabilidade deve ser da longevidade.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

9 thoughts on “O gênio Chico Lopes, economista-matemático que salvou o Real. Os discursos de Dilma, Francisco e Lincoln. Foi o Papa que deu a ordem ao motorista: “Vá por onde tenha povo”. Por que teria medo da rua? Dilma despenca diariamente, o PT desunido. Mas o “Volta, Lula” vai uni-lo. O ex-presidente concorda.

  1. Nem o Volta Lula salva o PT. Além dos atos de corrupção ainda tem pendente a participação de Lula no Processo do mensalão, o caso de Rose (amante de Lula) o enriquecimento de Lulinha e outros atos de vandalismo contra os Cofres Públicos praticados por diversos membros do partido. O PT esta agonizando de tanta podridão.

  2. ‘Fatofobia’, por Rodrigo Constantino

    Publicado no Globo desta terça-feira

    RODRIGO CONSTANTINO

    A presidente Dilma tem atacado a “postura pessimista” daqueles que criticam a situação econômica. Ela foi buscar até em Camões inspiração para acusar esses “profetas do Apocalipse”. Sinto-me, em um surto de megalomania narcisista, diretamente atingido. Afinal, tenho feito duras críticas ao modelo econômico nos últimos três anos, aqui nesse espaço, alertando que o modelo era insustentável e que teríamos sérios problemas.

    Para os “desenvolvimentistas”, não há problema algum, ou, se há, eles vêm de fora. Tenho dificuldade de compreender por que as economias de Chile, Peru, Colômbia e México continuam crescendo bem mais que a nossa, e com bem menos inflação. Mas deve haver alguma explicação mirabolante que me escapa.

    Ou, então, a equipe da presidente sofre do que podemos chamar de “fatofobia”. Não é “fotofobia”, ainda que possa ser medo da luz também; é “fatofobia” mesmo, ou seja, um verdadeiro pavor dos fatos. A realidade pode assustar. E o governo opta pela via fácil: negá-la.

    Senão, vejamos: a presidente diz que tem “certeza” de que a inflação fechará o ano dentro da meta. A meta, não custa lembrar, é 4,5%, o que já é um patamar bastante elevado para padrões internacionais. Mas Dilma tem em mente outro valor: o topo da banda, existente para casos esporádicos.

    Em seu governo, o topo virou a meta, e a presidente dorme tranquila com mais de 6% ao ano de perda do poder aquisitivo da moeda. Quem perde o sono é o povo, que precisa fazer compras no supermercado.

    Outro fato que a presidente escolhe ignorar diz respeito aos crescentes gastos públicos. Eles sobem sem parar. Não tem crise na ilha da fantasia em Brasília. Não há nada de “anticíclico” neles, pois na época da bonança eles aumentam, e na época do arrefecimento também. Mas a presidente faz uma comparação em relação ao PIB e conclui que eles não subiram tanto.

    Ora, presidente, permita-me a sinceridade, mas isso é malandragem! Se o próprio PIB tem crescido de forma insustentável, estimulado justamente pelo gasto público e também por muito crédito sem o devido lastro na poupança, é claro que a proporção do gasto sobre o PIB pode ficar até estável, e ainda assim isso representar um grave problema. Foi o que aconteceu na Espanha, por exemplo. O crescimento artificial da economia, turbinado pelo crédito e o governo, mascarou a magnitude do problema.

    Todos sabem que o governo vem apelando para “malabarismos contábeis” bastante rudimentares. Esses truques baratos jogam a sujeira para baixo do tapete, mas ela está lá. E um dia vem à tona. Não dá para enganar todo mundo o tempo todo.

    O que me remete a um pensamento assustador: nossa crise nem começou! É verdade que o clima ruim já se instalou, mas os esqueletos ainda estão bem escondidos nos armários. Além disso, o custo do capital no mundo ainda está muito barato, e a economia chinesa cresce perto de 7% ao ano. O que vai acontecer quando a taxa americana de juros subir, ou a economia chinesa embicar?

    Não vamos ignorar que a China plantou seus próprios problemas, com um modelo intervencionista, totalmente calcado em investimentos direcionados pelo estado. Há inúmeros “elefantes brancos” por lá, até “cidades fantasmas”. Administrar essa transição para uma economia mais voltada para o consumo não é nada trivial. Se o trem descarrilar no processo, sai de baixo! O Brasil será duramente afetado.

    Portanto, eis a situação: vamos muito mal das pernas, com baixo crescimento, parcos investimentos, e alta inflação. Mas isso tudo em um cenário em que ainda há abundância de capital nos mercados e forte crescimento chinês. Como efeito disso, ainda temos um quadro de pleno emprego. Pergunta: o que acontece com a inadimplência dos bancos se o desemprego subir, lembrando que o governo vem aumentando em mais de 20% ao ano o crédito público? Pois é…

    O prognóstico não é nada bom. E quanto mais o governo fugir dessa dura realidade, tal como uma menina foge desesperada da barata, pior será o ajuste necessário depois. O governo não fez o dever de casa. Perdemos a incrível oportunidade que veio de fora. E bilhetes de loteria como este não aparecem o tempo todo. O que fazer agora?

    A primeira coisa deveria ser aceitar os fatos como eles são. Como lembrou Aldous Huxley, os fatos não deixam de existir porque são ignorados. Isso demanda coragem, uma postura de estadista, que assume os erros passados para poder mudar o curso. Como não vejo isso acontecendo no atual governo, vou seguir com minha maldição de Cassandra, espalhando alertas pessimistas por aí.

  3. São Francisco de Assis e o Buda têm semelhanças!!!
    Por exemplo: ambos nasceram em famílias ricas.
    Ambos abandonaram tudo para dedicarem-se aos pobres e enfermos.
    Ambos foram logo dando de cara nas ruas, com leprosos, que abraçaram.
    Na época de São Francisco de Assis, os religiosos fixavam-se em mosteiros, não iam para as ruas. Ele, ao pregar este encontro direto com o povo, tornou-se na maior figura do Cristianismo, desde Jesus Cristo. O Buda chegou mesmo a anunciar sua morte, cercado por ascetas (pessoas que praticam um auto-flagelo, um total desapego ao materialismo). São Francisco de Assis deitou-se nu, no chão, e morreu sorrindo e cantando o Salmo 142 (“Senhor, ouve minhas aflições e angústias”, etc). Nelson Rodrigues compôs a imagem; “de tão humilde, aquele cara parecia calçar as sandálias de São Francisco”.
    Neste mundão que temos, espalhar as palavras de Jesus Cristo é ser alvo de deboches. O “querer exibir conhecimentos” … vale mais do que “sentir”.
    Que São Francisco de Assis coloque na boca do Papa Francisco as palavras de Jesus Cristo, tal como ELE fez com João XXIII e Paulo VI.
    Vai adiantar alguma coisa? Sou cético quanto a isto. Mas … combatamos o bom combate, como disse Paulo.

  4. Quanto a Lincoln, Helio e comentaristas … já dissemos aqui: foi o realizador da maior Reforma Agrária em todos os tempos. Deu terras e condições para o plantio, fornecendo (com o dinheiro do Estado, dinheiro do povo) de tudo. A seguir, promoveu a maior Revolução na Educação de que se tem notícia. Seu país, 80 anos após sua morte, já era a maior potência do mundo.
    Palavras de Abraham Lincoln: “Quando uma verdadeira Revolução acontece, é porque a letra R está demais” …
    Este gigante social, Lincoln, foi assassinado. Claro. Distanciou-se demais do sistema até hoje existente em seu país. Preferiu cuidar do povo. “Este é um governo do povo, pelo povo e para o povo”. Jesus Cristo endossaria estas palavras? Creio que a resposta é desnecessária.

  5. RPL-PNBC-ME, é o mote que pode viabilizar a tão sonhada aliança progressista puro sangue no Brasil.

    A RPL-PNBC-ME, na verdade, é o grande mote que pode viabilizar no Brasil a tão sonhada união progressista puro sangue, a ser içada ao Poder em 2014, pelo Povo, pela força das idéias em contraponto à força do dinheiro sujo da politicalha tradicional.

  6. Estão partindo de um axioma: Dona Dilma quer ser reeleita. (Mas prefiro a palavra oxímoro).
    Quem garante isso?
    Muito estranho, para alguém que busca votos, agir do modo absolutamente independente e personalista, fazendo exatamente o que deseja, sem se importar com o que analistas e comentaristas pensem sobre ela.
    Tudo indica, conforme declarou acima o sempre bem informado Sr. Helio Fernandes, tudo indica que o PT vai se aglutinar em torno do ex-presidente Lula da Silva. E que Dona Dilma acha muito melhor ser novamente “convocada” pelo presidente Lula, do que ter que ser o que ela de fato não é, só para ganhar eleição. Dona Dilma já mostrou ser uma pessoa que não é co-dependente, no sentido de não precisar de aprovação. Como se sabe, políticos estão sempre buscando aprovação dos outros. Está claro que não combina com a personalidade de Dona Dilma. O PT é que vai precisar dela. O Sr. Lula é quem vai precisar dela.
    Mas outros acontecimentos podem surgir.

  7. Papa é um Feliciano com muito mais poder e o apoio da Globo

    Homofobia, machismo, apego ao dinheiro, religião interferindo no Estado. Os motivos que inspiram o “Fora Feliciano” se aplicam ao papa. Com o agravante de que ele é bem mais poderoso

    por Lino Bocchini, na CartaCapital, última modificação 23/07/2013 16:34

    Os evangélicos estão sendo injustiçados. O tsunami de críticas que atingiu Marco Feliciano, Silas Malafaia e demais líderes evangélicos fundamentalistas se aplica ao papa Francisco e à Igreja Católica. Explico: as mesmas bandeiras conservadoras levantadas pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos do Congresso estão no centro da atuação da igreja católica há séculos. E o argentino Mario Bergoglio, agora chamado de Francisco, comunga destes ideais e não se mostra disposto a alterá-los. Pelo contrário.

    Vamos por partes:

    Primeiro, a homofobia

    Muito se reclamou da atuação de Feliciano contra os direitos fundamentais dos homossexuais. A coleção de frases e a atuação do pastor não deixam dúvidas quanto à sua posição. Como é sabido, a igreja católica igualmente condena a homossexualidade, e considera pecado o amor da população LGBT.

    O próprio Francisco, pessoalmente, demonstra preocupação com o que chama de “lobby gay” no Vaticano. Conforme revelou o site católico Reflexión y Liberación, o pontífice afirmou o seguinte em uma audiência recente com a diretoria da Confederação Latino-Americana e Caribenha de Religiosos: “Na Cúria há gente santa de verdade. Mas também há uma corrente de corrupção, é verdade. Fala-se de lobby gay, e é verdade, ele está aí… temos que ver o que podemos fazer”.

    Segundo, os direitos da mulher

    Em entrevista para o livro “Religiões e política”, o deputado do PSC-SP afirmou o seguinte: “Quando você estimula uma mulher a ter os mesmos direitos do homem, ela querendo trabalhar, a sua parcela como mãe começa a ficar anulada, e, para que ela não seja mãe, só há uma maneira que se conhece: ou ela não se casa, ou mantém um casamento, um relacionamento com uma pessoa do mesmo sexo; [assim] você destrói a família, cria-se uma sociedade só com homossexuais, e essa sociedade tende a desaparecer, porque ela não gera filhos”.

    A igreja católica sempre tratou a mulher de forma diferenciada. A começar pelo fato de que elas não podem ser ordenadas. Aos homens (padres) cabe orientar os fiéis, ditar os rumos da igreja e do mundo. Às freiras cabem tarefas como cuidar dos enfermos e necessitados e, por exemplo, cozinhar, lavar e passar para o “homem simples de fala mansa” que está entre nós.

    Mais: estão sendo distribuídas 2 milhões de cópias de um Manual de Bioética (em PDF) durante a visita do papa ao Brasil, sendo quase a metade da tiragem a versão em português, segundo informações da Confederação Nacional de Bispos Brasileiros. De suas 72 páginas, praticamente a metade traz pilhas de informações “científicas” e julgamentos morais contra o aborto. O restante divide-se entre a condenação de pesquisas com células-tronco, a condenação da inseminação artificial e a condenação da eutanásia.

    O direito sobre o próprio corpo, uma questão que o movimento feminista do mundo todo considera vital desde a década de 1960, é classificado como “crime” em diversos pontos do texto. De acordo com o manual, mesmo em caso de estupro ou de inviabilidade do feto, a interrupção da gravidez não pode ser sequer aventada: “O direito de matar o próprio filho não pode ser fonte de liberdade nem de realização pessoal”. Todos os métodos contraceptivos, pílula e DIU inclusive, são considerados abortivos e criminosos.

    Em terceiro lugar, o apego ao dinheiro

    Causou espécie um vídeo que circulou recentemente, no qual o pastor Marco Feliciano pedia a senha de um cartão de crédito para um fiel, dizendo que, caso a senha não fosse revelada, “o milagre não viria”. Costuma ser igualmente criticada a cobrança do dízimo por parte de igrejas evangélicas –como se a igreja católica não o fizesse.

    Tudo isso, contudo, é esmola perto do patrimônio misterioso e incalculável da igreja católica. A revista Exame fez umareportagem bastante reveladora sobre o Banco do Vaticano. Entre diversos casos de lavagem de dinheiro, escândalos sexuais, corrupção e má administração relatados pela publicação, destaco uma informação: o banco gere cerca de 6 bilhões de euros em ativos. Vou repetir: 6 bilhões de euros.

    Isso sem contar as milhares de propriedades da igreja católica ao redor do globo todo. Não sou um estudioso do cristianismo, mas acredito que valores como ajuda ao próximo, desapego e amparo aos pobres não combinam com a acumulação de fortunas dessa grandeza. Mesmo que o chefe da instituição prefira andar num fiat “sem luxo” e dormir num “quarto simples”.

    Em quarto lugar, a promiscuidade com o poder público

    Muito se critica Feliciano e a bancada evangélica por usarem o poder público que detêm para obter vantagens para suas instituições. O que afronta o conceito de estado laico. O catolicismo faz o mesmo.

    O amplo uso de estruturas e verbas públicas durante a visita de Francisco; o mesmo lobby para isenções fiscais e outras benesses financeiras; a mesma submissão dos governantes (de Dilma ao vereador de Pindamonhangaba). Mais: há crucifixos em repartições públicas (desrespeitando os evangélicos, inclusive) e mensagens religiosas nas notas de dinheiro, que são um símbolo nacional. E por aí vai. (Parênteses: pedofilia)

    Aqui não há o paralelo com Feliciano, mas vale lembrar das inúmeras acusações de abuso sexual contra padres no mundo inteiro, muitas cometidas contra menores e encobertas pelo Vaticano. A situação é tão grave que a ONU pediu, agora no começo de julho, esclarecimentos sobre os crimes cometidos por padres em todo mundo. Como o vaticano é membro das Nações Unidas e tem a falta de transparência como uma de suas marcas, a ONU quer saber o que a Igreja Católica têm feito de efetivocontra os criminosos que foram descobertos em suas fileiras.

    Por fim, o apoio da mídia

    Aqui, uma das maiores injustiças com Marco Feliciano. O pastor é hostilizado por todos, TV Globo inclusa. Suas posições, conforme demonstrado, são irmãs siamesas das defendidas por Francisco e pela religião que comanda. E dos dogmas vindos de Roma ninguém reclama.

    Pior: a maior TV do país (bem como quase todos os outros veículos de imprensa) ajoelha-se ao mandatário da tv católica. E não acredito ser esta uma decisão baseada somente pela audiência. A missa de domingo está na grade da Globo há décadas –atualmente é celebrada ao vivo pelo Padre Marcelo. E a emissora, apenas recentemente, de olho na perda de audiência e de dinheiro, começou um flerte institucional com os evangélicos, inaugurado com o festival de músicas gospel Promessas.

    Pare finalizar, deixo vocês com algumas frases do primeiro bloco do Jornal Nacional desta segunda-feira. Tentem imaginar Marco Feliciano ou qualquer outro líder evangélico sendo tratado desta forma pelo noticioso visto por quase metade da população brasileira toda noite:

    “De papamóvel, fez um passeio que vai ficar na memória dos fieis”

    “Distribuiu simpatia”

    “Mais perto do povo, do jeito que o papa Francisco gosta”

    Fiel: “Foi um presente de Deus, eu consegui estar perto dele e pude constatar que ele realmente é esse pastor humilde, amigo do povo e que veio pra resgatar mais fieis pra igreja católica”

    “Deixou uma legião de fieis encantados”

    “Santo, abençoado, humilde… os elogios vão brotando”

    Fiel: “Ele é gente como a gente”

    “A cada esquina ele faz novos amigos”

    “Os gritos pareciam saídos de um show de rock”

    “Se fosse só isso, já valeria a pena, e o papa Francisco acabou de chegar”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *