O gravíssimo pecado dos omissos

A solução é aumentar a pressão através de manifestações

Percival Puggina

O PAÍS PERDE TRINTA ANOS EM 13
Os responsáveis pela crise brasileira podem ser classificados em três grupos principais. O primeiro inclui políticos, governantes e formadores de opinião que, numa rara e fecunda combinação de ignorância, incompetência e desonestidade, jogaram o país no abismo.

O segundo é formado pelos que se beneficiando do governo concederam sucessivos mandatos a quem, diligentemente, conduzia o país de volta aos anos 80. Uniram-se no palco para a grande mágica petista: o país perde trinta anos em 13!

O terceiro é o dos tão descontentes quanto omissos. Refiro-me à turma que não sai do sofá. Quando a água bate nas canelas, pegam as velhas listas telefônicas e sentam em cima. Estes últimos incorrem no gravíssimo pecado de omissão. Eu ficaria feliz se os ônus do que vem por aí incidisse, direta e pessoalmente, sobre cada um desses três grupos em vez de se repartir de modo tão injusto sobre o conjunto da população

OMISSOS!
É gravíssimo o pecado dos omissos no atual momento histórico brasileiro! O sujeito lê uma pesquisa e fica sabendo que quase 70% da população quer o impeachment da presidente e que ela conta com a confiança de menos de 8% da sociedade. Diante desses dados, em seu comodismo, ele se considera contado e se dá por representado. Naquela cabeça de cidadão omisso, o dado da pesquisa fala por ele. Representa-o.

TERCEIRIZAM O PRÓPRIO DEVER
Pouco importa se seu congressista, ou o Congresso inteiro, não o fazem. Pouco lhe interessa se o único assunto das lideranças com poder de fogo no parlamento é a formação de um “acordão” que mantenha tudo como está. Não o perturba a inconfiabilidade dos tribunais superiores. Ele terceirizou todas as suas responsabilidades cívicas. Ou o fez para as Forças Armadas, que não podem e não devem intervir fora das previsões constitucionais. Ou o fez para o juiz Sérgio Moro, como se o bravo magistrado e a sala onde trabalha não estivesse situada no andar térreo do enorme e pouco confiável edifício judiciário. A pachorra dos processos criminais contra personalidades do mundo político é simétrica à pachorra dos cidadãos omissos. E esta serve àquela.

MOBILIZAÇÃO OU CAOS
No entanto, o fio pelo qual pende esse trágico governo, só poderá ser rompido quando a mobilização do povo, fonte legítima de todo poder, alcançar proporções multitudinárias, se dezenas de milhões (e não centenas de milhares) forem às ruas, pacífica e ordeiramente, rugir de modo reiterado e insistente sua inconformidade para desestabilizar a quietude das instituições.

Uma das páginas mais aviltantes da nossa história está sendo escrita no tempo presente com as tintas da ignorância, da incompetência, da desonestidade e da omissão.

7 thoughts on “O gravíssimo pecado dos omissos

  1. Prezado amigo. Fazem 25 anos que ando pelo nosso estado (RS) e por diversos outros, em palestras, encontros e trabalhos comunitários. Em cada um deles, em muitos momentos, me deparo com a classe dos “omissos”.
    Tua análise diz muito mas, certamente não tudo. Assim, permita-me aproveitar teu texto, repleto de verdades e alertas, para incluir um detalhe que julgo importante.
    As duas primeiras classes de omissos são fruto da terceira. Escolhemos, alimentamos e sustentamos brasileiros da pior espécie e ainda lhes entregamos a tarefa de nos representar. Honrosas exceções só servem para mostrar o tamanho e a grandeza dos erros cometidos.
    A sociedade idiotizou-se, esqueceu princípios, entregou-se às orgias das coisas sem valor. Até a educação dos filhos (não confundir com ensino) repassou à marginalia de administradores públicos que destroem o país. No afã do consumo, das festas e baladas, da bebida e das drogas, parcela considerável da sociedade, vendeu sua alma e a das futuras gerações.
    Teu texto lembrou-me, mais uma vez, palavras de meu irmão Vicente. “Triste daquele que tem consciência, em nosso país!” Seu sofrimento é muito maior.
    Um abraço fraterno no amigo.

    • Antonio

      Maravilhosas são as suas palavras. Sim muito verdadeiras pois o nível de idiotia que nossa sociedade chegou só trazem preocupações. Mas sempre devemos acreditar que há luz no fim do túnel. Para mim o impedimento vira, só não sei como e quando. A fúria de nossa sociedade silenciosa vai aparecer na medida que tudo piorar e vai piorar. Abraço fraterno também.

  2. 30 anos apenas perdidos nestes 13??? Observando, mesmo que de longe, a Coréia do Sul, o México, ou então o Chile, chego a dizer que essa petralhada nos deu, até agora, uns 50 anos de atraso. Meio século de atraso, para quem deseja um termo mais forte!

  3. Percival Puggina, concordo em gênero número e grau. Mas vamos seguindo com o raciocínio, e verificar como mobilizar este povo? Talvez as torcidas organizadas, que são pagas pelos dirigentes poderiam nos ajudar, sei o que estou falando…, mas uma pressão da “oposição” ajudaria. Os meios justificam os fins. A grande mídia, não teria como ocultar, pois os 90 minutos seriam de panelaços, no Brasil inteiro, em todos os jogos a uma data pré-fixada e televisionada. Não sei, Percival, mas para mim é de suma importância a sua opinião quiça para a concretização, se assim concordando, pois acredito que arregimentaria adeptos.

  4. “Um retrocesso de 80 anos em 8”, o que diz SR. Helio Fernandes em relação ao des-governo da Rainha da França.
    Já disse várias vezes aqui no Blog do Sr. Newton, tudo o que está acontecendo hoje, essa perpetuação nos governos, federal, estadual, municipal, é tudo por conta da Rainha do Caviar que ao in´ves de sair pela porta dos fundos e ir direto para Avenue Foch,, roubou alguns trocados para comprar sua própria Reeleição, rasgando a Constituição , e os restos jogados ao lixo….

    HELIO FERNANDES
    21.05.15

    Hoje politicamente, ninguém tem tanta obsessão pelo impeachment da presidente Dilma, quanto FDHC. Excluindo juristas, alguns sendo consultados mas não contratados. Motivo: o contrato só é assinado e pago, se o parecer for exatamente o que interessa ao contratante.

    FHC poderia ter o impeachment pedido á Câmara, não garanto que teria sido aprovado e ele, julgado pelo senado, presidido pelo presidente do Supremo. Mas alem da aprovação de que seu governo foi “um retrocesso de 80 anos em 8”, sobrariam outras gravíssimas justificativas.

    Pelo menos quatro acusações poderiam (ou deveriam) ser alinhadas contra o então presidente. E nenhuma delas prescreveu, importantíssimo.

    Criou a criminosa Comissão de Desestabilização. DOOU partes importantes do patrimônio nacional. Em troca recebeu “moedas podres”, como denunciei incessantemente enquanto ele estava no Poder. Impossível calcular o prejuízo para o país.

    2 – Tentou trocar o nome da própria Petrobras, que passaria a se chamar PetrobraX, esse X seria um chamariz, uma espécie de senha para DOA-LA a multinacionais. Diante da reação contraria. Como é de seu estilo e ação, recuou, abandonou a ideia.

    3 – Elevou os juros a colossais a 44 por cento, jogando a divida lá para o alto, com essa remuneração estratosférica. É impossível saber quanto o país se endividou e quanto perdeu. Basta uma operação aritmética. Quem comprou digamos 1 milhão da dívida, e dois anos já teria o dobro. Como esquecer ou inocentar um personagem como esse?

    A divida impagável de hoje, cresceu e se transformou num total insuportável, começou a atingir limites incalculáveis com FHC.

    4 – finalmente, pela primeira vez na História da República, um presidente foi reeleito. Comprou a permanência no Poder por mais quatro anos. E pagou á vista. De onde surgiu tanto dinheiro para compartilhar o voto de 513 deputados e 81 senadores?

    Sem falar que é o responsável pelo segundo mandato de Dona Dilma, mandato que ele agora quer encurtar. A falta de alternância no poder se deve a ele. Sem contar que a reeleição dificilmente acabará.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *