O Hotel de JK

Sebastião Nery

Na fronteira de Goiás com Mato Grosso, entre o gordo rio Araguaia e o magrinho Javaé, há uma ilha muito comprida e toda verde, selvagem paraíso tropical de caça e pesca: Ilha do Bananal. Seu nome lembra outro que virou sinônimo da arrancada nacional para a integração dos infinitos planaltos além de Brasília: JK.

Foi Juscelino quem fez da Ilha de Bananal um posto avançado da conquista do Oeste. Lá, na pequena vila de Santa Isabel do Morro, a FAB plantou um posto com aeroporto. E lá construiu um modesto hotel de dois pisos: Hotel Juscelino Kubitschek, Hotel JK.

Até que um dia os homens que deram o golpe de 1964 e tomaram o poder em toda a Nação também tomaram o poder na meiga Santa Isabel do Morro e decidiram apagar da história nacional aquele nome que lhes comia os preconceitos e as cívicas frustrações. E determinaram que o branco hotelzinho da vila de Santa Isabel do Morro não mais se chamaria Hotel JK

###
SNI

Mas e os pratos, as xícaras, os garfos, as facas, os copos, as toalhas, o que fazer deles, se todos estavam marcados pelas duas letras proibidas: JK? Quebrar tudo? Como justificar? E, pior, como substituir? O SNI decidiu:

– Não é JK? Então o hotel chamar-se-á Hotel John Kennedy.

E assim foi americanalhadamente feito. E na Ilha do Bananal, bem em frente à cidade de São Félix do Araguaia, onde o santo e sábio dom Pedro Casaldáliga, bispo e poeta, tanto cuidou das ovelhas de Deus e dos versos de seus poemas, o hotelzinho branco continuou com o nome de um presidente dos outros (e logo dos Estados Unidos) porque eles, os homens da ditadura, não consentiram que tivesse o do maior dos nossos.

Na vila de Santa Isabel do Morro, da Ilha do Bananal, JK não é Juscelino Kubitschek. É John Kennedy. Cada poder tem o JK que merece.

###
CASTELO

No fim de maio de 64, José Maria Alkmin, vice-presidente de Castelo Branco, telefonou de Brasília para o deputado Renato Archer, do PSD do Maranhão, que morava no Rio, coordenador da campanha“JK-65”:

– Renato, estou indo hoje à noite para a Europa, levando um filho doente. Espere-me na base aérea do Galeão, para almoçarmos, porque vou para o Rio agora, na carona do Viscount do presidente Castelo Branco.

Renato Archer chamou o deputado Joaquim Ramos, do PSD de Santa Catarina, e foram esperar Alkmin em um fusquinha azul. Castelo desceu, entrou no carro preto presidencial, com o chefe da Casa Militar, general Ernesto Geisel, e foi para o Palácio das Laranjeiras.

Alkmin, Archer e Ramos foram almoçar no discreto e até hoje ótimo restaurante “Mosteiro”, no centro do Rio. Alkmin estava nervoso, transtornado. E contou que ia “acontecer uma desgraça”.

Mal o avião decolara de Brasília, Castelo o tinha chamado:

– Dr. Alkmin, em que pesem meus compromissos assumidos com o presidente Juscelino Kubitschek, e embora sabendo que vou arrostar o julgamento da história, decidi cassar Juscelino para impedir que o País caia nas mãos de quem não quero que caia.

###
LACERDA

Alkmin ouviu calado, nada disse. O general Geisel aproximou-se:

– Dr. Alkmin, o presidente está convencido de que, se não cassar o presidente Kubitschek, será derrubado pelo ministro Costa e Silva. E por isso vai cassar. Dou-lhe, porém, minha palavra de honra de que essa cassação em nada aproveitará ao governador Carlos Lacerda.

Alkmin viajou naquela noite com o filho, para Estocolmo, onde, no dia 8 de junho de 64, recebeu a notícia da cassação de Juscelino. Na mesma noite da viagem de Alkmin, Renato Archer havia contado tudo a Juscelino.

Três anos depois, em 15 de março de 67, após a múltipla traição de Castelo prorrogando seu mandato, o Brasil desabou nas mãos de Costa e Silva, com a faixa presidencial passada por Castelo. E Carlos Lacerda morreu dez anos depois, em 21 de maio de 1977, informado por Renato Archer de que, desde o fim de maio de 1964, Castelo e o grupo palaciano já haviam rifado seu sonho de chegar à Presidência da República.

(Quarta-feira, Juscelino fez 110 anos. O JK que está em Brasília, de pé diante da Nação e da Historia, a mão estendida para o futuro e o infinito, não é John Kennedy, é ele, o maior de todos os presidentes.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “O Hotel de JK

  1. Morei em Santa Izabel em Ilha do Bananal GO, em 1964a 68, próximo ao Hotel JK+/- 50 m d Hotel o pai trabalhou n Hotel, eu tive honra d pilotar a lancha d P JK, é c/ mto tristeza ficar sabendo agora q a”acorrupção ” começou n governo d JK! n época q eu morei lá ñ tinha noção d nada pq eu tinha apenas, 9 anos d idade, espero receber 1 mensagem á respeito d me sentimento sobre o meu relativo……

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *