O impressionista Suplicy abre uma dissidência no PT

Pedro do Coutto

O gesto impressionista e impressionante do senador Eduardo Suplicy, assumiu a posição de juiz do povo e simbolizando da tribuna a expulsão de José Sarney da presidência do Senado, não representou apenas um ato de forte hostilidade e rejeição à permanência de um político. Não. Fornece também outra leitura, diferença entre o significado e o significante, interpretação usada pelo meu amigo Antonio Houaiss para definir situações diversas em volta do mesmo fato.

Na realidade, Suplicy, a partir daquele momento que todos acompanharam pela televisão e no dia seguinte viram nos jornais, sublinhou a dissidência que abriu na bancada do PT. Uma cisão clara ficou patente, a começar pela regional paulista integrante do principal colégio eleitoral do país. Isso porque embora o partido tenha defendido a permanência de Sarney, nenhum senador da legenda, a começar pelo líder Aloísio Mercadante, contestou sua atitude e suas afirmações. O episódio, assim, provavelmente vai produzir reflexos na sucessão presidencial.

Pois se não há unidade partidária no Congresso, em termos lógicos não deve existir igualmente na campanha eleitoral. A ausência dos senadores do PT na sessão da noite de terça-feira terá sido casual? Provavelmente não.Foi uma forma velada de permitir que o parlamentar insubmisso às diretrizes do Planalto pudesse se manifestar sem que fosse acossado pelos companheiros.

Por uma ironia do destino, terminaria sendo contestado pelo senador Heráclito Fortes, que é do DEM, e portanto, da oposição. Mas, ao que parece da oposição ao governo Lula. Não à continuidade de José Sarney à frente da Mesa Diretora. Talvez até porque, ele, Heráclito, ocupe a primeira secretaria. Mas esta é outra questão. É restrita ao Parlamento.

O gesto do autor do projeto de renda mínima não está, por sua natureza, restrito à esfera do Poder Legislativo. O que já seria muito, mas é inevitavelmente maior. Vejam só. O líder do Partidfo dos Trabalhadores, Mercadante, que se empenhava abertamente pela saída de Sarney da presidência do Senado, acabou cedendo à determinação do presidente Lula e renunciando irrevogavelmente à renúncia que dissera ser irrevogável. Tornou-se também refém do Palácio do Planalto e de sua própria contradição.

O presidente da República convidou-o para acompanhá-lo em eventos na região metropolitana de São Paulo no sentido nítido de apagar o rastro do mal estar. Lula voltou-se para retirá-lo de uma dissidência. Como Aloísio Mercadante terá que partir para renovar seu mandato no ano que vem, teve que recuar. Mas não adiantou. No momento em que Lula procurava das a cisão inicial como fato superado, surge o episódio Suplicy. Que poderá fazer agora? Não só ele, presidente da República. Mas também o próprio Mercadante que, nas circunstâncias colocadas, não lidera nem a si mesmo.

A bancada petista tem razão em ficar perplexa. Qual, agora, o caminho a seguir? A dissidência de Mercadante ou a dissidência de Suplicy? Passaram a ser duas, em vez de uma. O desenrolar da terça-feira inundou o país de autêntico humor, em dúvida, porém –aí é que está a questão- seu conteudo é mais amplo. Sensibiliza indiretamente a pré candidatura da ministra Dilma Roussef, não a superando, é claro, mas reduzindo o entusiasmo a seu favor na decolagem, espaço estratégico e essencial a qualquer campanha política.

A cisão aberta por Eduardo Suplicy reflete-se fortemente na solidez da candidatura da ministra chefe da Casa Civil. Revela fracionamento, desunião, esgarçamento de propósitos. Isso porque a unidade partidária é fundamental para o início da campanha rumo à escala do poder. Sem união na base, campanha alguma se fortalece. O impressionismo de Suplicy, como um quadro de Manet ou Renoir, iluminou as cores de uma paisagem de contradições.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *