O japonês Ueki

Sebastião Nery

Na visita do presidente Geisel ao Japão, a primeira grande solenidade seria a recepção oficial do imperador Hiroito no Palácio Akasaca, onde os dois se encontrariam (o imperador não vai ao aeroporto).

O lugar de cada convidado estava liturgicamente marcado pelo cerimonial de mil anos. Os quatro ministros brasileiros (Reis Veloso, Severo Gomes, Azeredo da Silveira e Shigeaki Ueki) ficariam imediatamente atrás do presidente Geisel. O imperador Hiroito ia chegar às 9 horas em ponto.

Às 8,55, o ministro Scarabotolo, chefe do Cerimonial do Itamaraty, entrou em pânico. Shigeaki Ueki não aparecia e a cadeira dele, na delegação brasileira, estava lá, reservada, vazia como um terreno baldio.

***
O FALSO UEKI

O ministro Scarabotolo ia de um lado para o outro, procurava, Ueki não chegava. E o imperador Hiroito já apontando na entrada do palácio. O jornalista Adirson de Barros, brilhante como sempre, sentiu o drama do cerimonialista brasileiro, chamou-o e sugeriu:

– Ministro, tenho uma solução. Pegue um japonês desses mais de 200 da segurança que estão rondando por aqui, peça para ele sentar-se no lugar reservado para o Ueki, que ninguem vai sentir a falta dele. O senhor já viu conhecer japonês pela cara?

O Ueki não apareceu, a cadeira dele foi ocupada e Hiroito chegou.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *