O lado humano de Lacerda

Antonio Santos Aquino

Pode parecer hipocrisia eu, que desde que comecei a participar ainda na “Tribuna Impressa“, me identifiquei como trabalhista seguidor de Vargas, Jango e Brizola, encontrar em Lacerda seu lado humano. Creio que o lado humano de Lacerda aparece com mais clareza na “Frente Ampla”.

Naquele momento três interpretações podemos fazer. Primeiro: Lacerda procura Juscelino e Jango porque o beneficiário de um acordo seria ele, que não estava cassado.

Segundo: Não tendo êxito o acordo, ficaria no subconsciente dos partidários de Juscelino e Jango sua coragem de tentar uma união; e a qualquer tempo que tivesse eleições, ele candidato receberia seus votos.

Terceiro: Aqui eu acredito vislumbrar o lado humano de Lacerda: Ele tinha consciênsia do risco que corria ao tentar se aproximar de Juscelino e Jango. Ele correu o risco, entendo assim, como um “mea culpa”; uma espécie de pedido de perdão aos adversários e uma satisfação à História dizendo: “Eu errei mas tentei consertar”.

Vejo o lado humano de Lacerda também no suicídio de Getúlio, quando ele manda parar o carro e entra em uma igreja na Rua São Clemente e reza para Getúlio. Ele, em seus depoimentos, disse isso, não posso deixar de acreditar.

Complementando: Lacerda nunca mais falou em Getúlio. Falar de Lacerda é glicerina pura. Melhor é deixarmos que a História, depois de amainadas as paixões, o julgue.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *