O que há por trás desses ataques no Rio? Por que o secretário de Segurança diz que é preferível afugentar os criminosos do que prendê-los. Fica parecendo que o governo fez acordo com os traficantes, antes das eleições, não cumpriu, e os traficantes agora estão dando o troco.

Carlos Newton

A leitora-comentarista Vera Flores, sempre atenta e precisa, registrou ontem aqui no blog:  “Curiosamente, a explicação que aparece com frequência para justificar os ataques de agora é que os traficantes não estão satisfeitos com a política de segurança do governador”.

Se é assim, por que os bandidos não promoveram os ataques antes das eleições para tentar impedir a reeleição do Cabral? Também acho muito estranha a explicação do secretário Beltrame de que o importante é afugentar os bandidos e não prendê-los. Será que para afugentar bandidos precisa uma movimentação tão grande? E os bandidos irão para onde?”, indagou Vera Flores.

Nossa leitora-comentarista tem toda razão. Esse episódio dos ataques dos traficantes está muito mal explicado. Verdadeiramente, qual é o motivo? Tem de existir uma razão para essa onda de incêndios e vandalismos. Por que agora, logo depois das eleições?

Dizer que os bandidos estão retaliando por causa das UPPs (Unidades Policiais de Pacificação) é justificativa que não se sustenta. Existem 1.020 favelas no Rio e só foram instaladas UPPs em 13 delas. Não falta território livre para o tráfico (se é que não mais existe tráfico nas favelas “pacificadas”, o que parece ser uma balela).

Nos últimos dias, já foram feitas várias prisões, inclusive de marginais exibidos pela polícia como “chefes do tráfico”. Por que até agora nenhum dos presos explicou o motivo desses ataques? Os policiais não lhes fizeram essa pergunta, que não quer calar? Está tudo estranho, muito estranho. E o governo estadual fica em posição insustentável.

Vamos falar francamente. Está parecendo que o os ataques se deram porque houve algum acordo entre o governo e os traficantes, antes das eleições. E como acordo não foi cumprido,  agora os criminosos passaram a retaliar, cometendo esses ataques insensatos.

Esta explicação do secretário Beltrame, de que “o importante é afugentar os bandidos e não prendê-los”, é mais estranha ainda. O governador vai ficar inerte, não demitirá um secretário que faz uma declaração idiota como esta? Ou o secretário, ao determinar que os bandidos não sejam presos, está apenas obedecendo as ordens do próprio governador? Por favor, nos expliquem.

Essas dúvidas procedem, porque nas filmagens aéreas da fuga dos bandidos, eles estavam misturados aos policiais, até parecia que brincavam de apostar corrida. Realmente parecia que os PMS não queriam prendê-los. Por que naquela ocasião os policiais não atiraram para cima (ou para baixo, mirando nas pernas dos bandidos)? Se fizessem isso, os bandidos parariam de correr e logo se entregariam. É tudo muito estranho.

Os “especialistas” que pululam na televisão, dando declarações a torto e a direito, fazendo comentários primários e absurdos, não se preocupam com o principal: o motivo dos ataques. Nenhum deles se referiu a esse importantíssimo detalhe, levantou hipóteses ou abordou as notórias ligações do governador Sérgio Cabral com as milícias. Recorde-se que, antes do Panamericano, ele deu declarações, orgulhoso de ter feito acordo com as milícias, para garantir a realização dos jogos. De lá para cá, o número de milícias só fez aumentar.

Pensem sobre isso, raciocinem, tentem chegar a alguma conclusão. Tudo está muito estranho. Eu, pessoalmente, concordo com a Vera Flores e não acredito em polícia que acha melhor afugentar perigosos bandidos do que prendê-los. Tem algo muito podre por trás disso e em breve ficaremos sabendo, podem ter certeza. Quanto ao assunto das milícias, é apaixonante, vamos voltar a ele. A explicação de tudo pode estar aí.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *