O que pretende a esquerda, ao apoiar Lula e Dilma?

charlie hebdo karl marx

Charge do Charb, reprodução do Charlie Hebdo

Fernando Canzian
Folha

A esquerda produziu três grandes eventos na semana passada em São Paulo: no teatro Tuca/PUC (dia 16), na Faculdade de Direito da USP (17) e a manifestação da avenida Paulista (18). Além dos massacres à “mídia golpista” e ao juiz Sergio Moro, predominaram o silêncio sobre o petrolão e o esforço em justificar a crise econômica no governo Dilma.

Quem é liberal na economia e conservador sobre limites nos gastos públicos sente desespero com o fim do ambiente de crescimento, controle fiscal e distribuição de renda que vigorou no Brasil até o governo Dilma.

Muita gente atribui esse passado positivo sob Lula ao “boom” do ciclo de commodities até a crise internacional de 2008/2009. Mas não foi só isso.

CRESCIA 7,5%…

O Brasil empinou e tinha tendência de alta mesmo depois do período mais agudo da crise global. Em 2010, o país cresceu 7,5%.

Foi a chamada nova matriz econômica, com políticas de esquerda e de intervenção do Estado adotadas por Dilma, que nos arruinou.

Com a esquerda agora defendendo o governo, vêm junto opiniões sobre como ela enxerga nossos problemas econômicos de fundo.

São ideias inconsistentes em relação à experiência pregressa e informações erradas dirigidas a gente jovem e crédula, como aos estudantes que estavam nos eventos da PUC e da USP.

31 thoughts on “O que pretende a esquerda, ao apoiar Lula e Dilma?

  1. A que ponto chegou um jornalista capacho.
    Paulo Henrique Amorim postou no facebook, que a presidenta Dilma tem que demitir a Polícia Federal toda…
    A Polícia Federal do Brasil é golpista e criminosa.

  2. Se a esquerda é essa que está aí, então podemos dispensar a turma da direita por superposição de tarefas. Esquerda brasileira e jabuticaba: duas coisas exclusivas das terras tupiniquins.

  3. Sr. Fernando Canzian, estes grupos que falam em golpe e não querem o impeachment de Dilma, isto é, concordam com o PT: pessoas e estudantes avulsos sem ideologia definida, MST, CUT e em termos de partidos políticos constituídos que chamam de golpe o impeachment de Dilma, que são basicamente o PCdoB e o PSOL, todos esses, são tão de esquerda quanto o Sr. Olavo de Carvalho ou o deputado Jair Bolsonaro. A única diferença entre Olavo e Bolsonaro destes outros agrupamentos acima é a de que tanto o Sr. Olavo de Carvalho quanto o deputado Jair Bolsonaro são sinceros nas coisas que dizem. Os outros agrupamentos citados acima mentem o tempo inteiro. Não é só Lula e o PT que são mentirosos. São mentirosos também os que os acompanham.

    É difícil, realmente, definir o que é esquerda, mas vamos lá. A esquerda em todo o mundo, com interpretações diferentes e até desviantes e errôneas, acompanha as idéias de Marx. A URSS achou que estava seguindo as idéias econômicas de Marx de superação do Capitalismo e criação do Socialismo. Assim também aconteceu em Cuba e outros países. Com a ideia marxista de ter um estado forte, centralizado, que na visão de Marx seria uma ampla democracia para a classe operária e uma ditadura do proletariado contra a burguesia exploradora da mais-valia, a colocação dessas idéias em prática, sem entender o que Marx disse, acabou gerando estados tiranos, genocidas, autoritários. Jamais houve democracia para a classe operária, mas sim uma ditadura do Partido Comunista para todos aqueles que estavam fora da cúpula do Partido. Mas, a começar por Lenin, que morreu logo após a revolução de 1917, passando o poder a Stalin, adversário político de Lenin. URSS foi um Estado socialista localizado na Eurásia que existiu entre 1922 e 1991. Uma união de várias repúblicas soviéticas subnacionais, a URSS era governada por um regime unipartidário altamente centralizado comandado pelo Partido Comunista e tinha como sua capital a cidade de Moscou. Perdurou, perseguiu, e cresceu economicamente, só entrando em crise 69 anos depois. A URSS era uma das duas potências mundiais, a outra, os EUA, Mesmo com dirigentes genocidas, que condeno e a História condena.

    Em 1924, após a morte de Lenin, houve a liderança coletiva da troika e uma breve luta política, quando então Josef Stalin chegou ao poder em meados dos anos 1920. Stálin associou a ideologia estatal ao marxismo-leninismo e iniciou um regime de economia planificada. Como resultado, o país passou por um período de rápida industrialização e coletivização, que lançou as bases de apoio para o esforço de guerra posterior e para o domínio soviético após a Segunda Guerra Mundial. No entanto, Stálin reprimiu tanto os membros do Partido Comunista quanto elementos da população através de seu regime autoritário.

    Um processo de desestalinização seguiu-se após a morte de Stálin, reduzindo os aspectos mais duros da sociedade soviética. Em seguida, a URSS passou a iniciar vários dos mais significativos avanços tecnológicos do século XX, incluindo o lançamento do primeiro satélite artificial e do primeiro voo espacial de um ser humano na história, fatores que criaram a corrida espacial. Mas uma coisa não se pode negar nem a Stalin: os dirigentes soviéticos que o sucederam, Stalin inclusive, fez o que acreditava e não governou para enriquecer pessoalmente, embora tivesse o controle de todas as empresas estatais. Salvo nos acordos com Hitler e Winston Churchil, os pactos que fizeram e não foram cumpridos durante a segunda guerra mundial, onde o encontro foi diplomático e a diplomacia é sempre um tanto mentirosa, Stalin não ia para o rádio falar mentira para a população. O que eu quero dizer com isso é que mesmo o Estado precursor da interpretação que foi dada ao marxismo teve êxitos e muitos defeitos, mas seus dirigentes não eram mentirosos, o que é uma característica geral da esquerda. Não eram capazes de olhar pela janela num dia de sol e dizer a um interlocutor ao telefone que estava chovendo.

    A insatisfação com o centralismo democrático, que era centralismo mas nunca foi democrático, foi incomodando parte importante da população, pois a URSS desde Stalin, promoveu uma ampla reforma no ensino, passando a desenvolver as ciências – tanto que foram os primeiros a ir ao espaço sideral, a música, a literatura e o teatro soviético que até hoje é reconhecido como a melhor escola de teatro do mundo. Com a população mais instruída, as exigências por democracia foram se agigantando tanto na Rússia quanto nos Estados satélites.

    Resultado: Na década de 1980 o último líder soviético, Mikhail Gorbachev, buscou reformar a União com a introdução das políticas glasnost e perestroika em uma tentativa de acabar com o período de estagnação econômica e de democratizar o governo. No entanto, as reformas de Gorbachev levaram ao surgimento de fortes movimentos nacionalistas e separatistas no país. As autoridades centrais então iniciaram um referendo, que foi boicotado pelas repúblicas bálticas e pela Geórgia e que resultou em uma maioria de cidadãos que votaram a favor da preservação da União como uma federação renovada. Em agosto de 1991, uma tentativa de golpe de Estado contra Gorbachev foi feita por membros linha-dura do governo, com a intenção de reverter as reformas. O golpe fracassou e o presidente russo Boris Yeltsin desempenhou um papel de destaque em sua derrota, o que resultou na proibição do Partido Comunista. Em 25 de dezembro de 1991, Gorbachev renunciou e as doze repúblicas restantes surgiram da dissolução da União Soviética como países pós-soviéticos independentes. A Federação Russa, o Estado sucessor da República Socialista Federativa Soviética Russa, assumiu os direitos e obrigações da antiga União Soviética e tornou-se reconhecida como a continuação de sua personalidade jurídica.

    Termina com Boris Yeltsin o socialismo na Rússia e Estados satélites . Esta era uma previsão de Marx, a chamada dialética marxista, que o socialismo iria ter seu ápice mas em contrapartida se transformaria em outra coisa após começar a entrar em colapso, como Marx previu para acontecer também com o Capitalismo.

    Os partidos socialistas de hoje, socialistas e esquerda de verdade, aprenderam com os erros da União Soviética (não vou perder meu tempo e cansar mais o leitor falando de Cuba, Coréia do Norte, que estão cheios de erros, podem ser chamados de esquerda, interpretam à sua maneira o marxismo, mas não são democráticos e são genocidas) Podem ser chamados de esquerda, mas uma esquerda superada. O que eu quero dizer é que Fidel Castro não saqueou as empresas estatais para enriquecer, até porque sempre viveu de maneira simples, com aquela roupa ridícula de militar e nunca foi passear no exterior com dinheiro público, jantar em restaurantes caros em Paris, como o fizeram Lula e Dilma. Chamar isso, o PT do Petrolão e dos banqueiros de esquerda é de uma impropriedade absoluta. A velha esquerda nunca foi ladra, vigarista ou mentirosa. Eles fizeram o que fizeram porque acreditavam naquilo que faziam. O PT, não ! Ele tinha um discurso que seduzia a esquerda com suas mentiras, mentiu o tempo todo, e fez outra coisa diferente do que eles falavam. Isto não é esquerda de forma alguma. Nem direita. São bandidos comuns.

    Os grupos da UNE (subsidiada pelo PT) da CUT, do MST acompanhados dos partidos políticos PT, PCdoB e PSOL não podem ser levados em conta como “esquerda” porque não são compostos só por imbecis, estão vendo que foi o governo do PT, Lula e Dilma que arruinaram e saquearam o Brasil, que Dilma está autista, acéfala, sem programa e sem apoio parlamentar, é mentirosa como Lula, e assim mesmo estão falando em golpe o que está na Constituição, que é a possibilidade de impeachment de um presidente da República por crime de responsabilidade. Chamar PCdoB e PSOL de “esquerda” ou atribuir aos pelegos da UNE o rótulo de “esquerda” é uma tremenda injustiça e muita ignorância sobre o que hoje é a esquerda democrática.

    • Caríssimo Dr. Ednei, lí sua opinião na íntegra, e algumas passagens (afirmações) serei obrigado contestar, enquanto outras, a aplaudir:

      – Onde afirma que: “O que eu quero dizer com isso é que mesmo o Estado precursor da interpretação que foi dada ao marxismo teve êxitos e muitos defeitos, mas seus dirigentes não eram mentirosos, o que é uma característica geral da esquerda.”
      Gostaria que ponderasse e explicasse se DE FATO não considera MENTIROSO “alguém” que proclama em palavras textuais que: – “A tarefa dos comunistas é explorar todas as contradições; e onde não existirem, criá-las!” – (Vladimir Ilitch Lenin) , . . . ou “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é!” (do mesmo autor)

      – Lenin geriu a URSS de 1921 a 1924 quando morreu.

      – Quando diz que: “O que eu quero dizer é que Fidel Castro não saqueou as empresas estatais para enriquecer, . . . ” , não estaria esquecendo da ilha particular com iate e acesso restrito para todos os demais “companheiros cidadãos cubanos” (escravos)?

      – É publicamente sabido que no período do Leonid Brejnev, sua esposa oferecia jantares e recepções em que eram usados talheres de ouro e taças de cristal pertencentes à realeza russa (Czar) assassinada, . . .

      – O incentivo à industrialização e ao conhecimento científico promovido por Stálin (ao custo de milhões de mortes de antagonistas ao regime usados como escravos), criou as condições industriais que permitiram que os CIENTISTAS ALEMÃES que “migraram” para a URSS desenvolvesse a tecnologia espacial, devido terem sido os melhores a terem sido levados para lá após a Segunda Guerra. Sendo esses Cinetistas e Engenheiros, os REAIS RESPONSÁVEIS pela Corrida Espacial entre URSS X EUA no período da Guerra Fria, alguns historiadores reconhecem que, na realidade, a “Corrida Espacial” que aconteceu, foi uma competição tecnológica entre os desenvolvimentos dos cientistas alemães capturados pela União Soviética, em relação aos capturados pela América.

      – Onde diz que: “Um processo de desestalinização seguiu-se após a morte de Stálin, reduzindo os aspectos mais duros da sociedade soviética.” , . . . vc. não estaria na realidade “amenizando” o que Stálin representou para os cidadãos anti-comunistas que viviam naqueles tempos sob seu regime, ao adjetivar apenas como “duros”, não seria mais ‘adequado’ chamar de ‘CRUÉIS’? (Não estaria embutido nesse desvio de semantica uma ‘mentira implícita’?)

      Enfim meu caro Dr. Ednei, as bases do marxismo e do comunismo, assim como naturalmente do capitalismo, são a mentira e a empulhação! Esse ‘neosocialismo democrático-republicano’ que vimos se desenvolver na europa deveria ser o regime “que viria depois” que foi previsto por Marx, mas, infelizmente, está sendo ATROPELADO pelo ROLO COMPRESSOR DO SIONISMO (atual farisaismo) e seu projeto de imposição do Totalitarismo Universal, à milênios concebido como “um direito profético” adquirido, que agora, de uma “única cajadada”, destruiu uma nação (Síria) e invadiu uma civilização (Européia) em sua ânsia de impor sua Nova Ordem Mundial a qualquer custo, . . .

      – E por último, ASSINO EMBAIXO quando diz que: “O PT, não ! Ele tinha um discurso que seduzia a esquerda com suas mentiras, mentiu o tempo todo, e fez outra coisa diferente do que eles falavam. Isto não é esquerda de forma alguma. Nem direita. São bandidos comuns.” E concluo dizendo que, EXATAMENTE POR ISSO, esses BANDIDOS PRECISAM IR PARA O ÚNICO LUGAR PRÓPRIO PARA ESSA RAÇA DE DELINQUENCIA: A PRISÃO ! ! !

      • Prezado Zaratrusta,

        Ante a postagem instigante que você postou sobre meu comentário, dou-lhe um exemplo claro e bem acabado do que seja o desinteresse pelo erário público para fins pessoais e a vida modesta daqueles que fazem parte da esquerda democrática na América Latina. Pepe Mujica. Compare a dedicação à Pátria de Pepe Mujica com o que fizeram com a Pátria Lula, Dilma, o PCdoB . Acho que isto esclarece, dirime suas dúvidas e explica melhor do que as minhas palavras sobre o que seja a esquerda democrática:

        Lê os jornais com um iPad apesar de viver em uma humilde chácara, quase sem segurança e onde ele mesmo cozinha carne com cebola, seu prato preferido – assim é José “Pepe” Mujica, o peculiar presidente do Uruguai, que nesta quinta-feira (16/05) recebeu a Agência Efe para uma entrevista junto com sua inseparável cadela de três patas, Manuela. Não é de hoje que Mujica chama atenção por seu estilo de vida simples. O presidente uruguaio dirige um fusca e doa 90% do salário.

        JOSÉ PEPE MUJICA: O MUNDO ESTÁ PRISIONEIRO DA CULTURA DA SOCIEDADE DE CONSUMO (FOTO: AGÊNCIA EFE)

        Nem pela pequena guarita com dois policiais situada na frente do local alguém poderia imaginar que o austero sítio no qual vive com sua esposa, a senadora Lucía Topolansky, é a atual residência presidencial uruguaia.

        Localizada a dez quilômetros de Montevidéu, em uma área rural na qual só se escuta o canto das aves, a primeira coisa que chama atenção na chácara são suas paredes descascadas e tetos de zinco verde, assim como as galinhas que ciscam nos pátios vizinhos em torno da roupa estendida no varal.

        SAIBA MAIS

        Presidente ‘mais pobre do mundo’ dirige um fusca e doa 90% do salário
        Após chamá-lo de ‘vesgo’, Mujica diz que Néstor Kirchner era ‘difícil’

        “Minha maneira de viver é consequência da evolução da minha vida. Lutei até onde é possível pela igualdade e equidade dos homens”, afirma em tom reflexivo este ex-guerrilheiro que passou 14 anos na prisão, a maioria durante a ditadura (1973-1985), e que na próxima segunda-feira completará 78 anos.

        Para Mujica, do bloco esquerdista Frente Ampla, “o mundo está prisioneiro hoje da cultura da sociedade de consumo e o que está se consumindo é vida humana, em quantidades enormes”, pois se perdeu a capacidade de desfrutar o tempo e a ideia que “estar vivo é um milagre”.

        “As pessoas não compram com dinheiro, compram com o tempo que tiveram que gastar para ter esse dinheiro. Não se pode desperdiçar esse tempo, é preciso guardar algum tempo para a vida”, argumenta o homem que preside um país de 3,3 milhões de habitantes e que se vende como paraíso da natureza e da tranquilidade.

        Vestido com roupa e tênis esportivos de tons cinzentos e negros, Mujica lembra então a célebre frase de Sêneca que “pobres são aqueles que precisam de muito”, mas depois esclarece que seu estilo não é uma “valorização da pobreza”, mas “da sobriedade no viver”.

        MUJICA PREFERE VIVER EM SUA VELHA CASA A OCUPAR A RESIDÊNCIA OFICIAL DA PRESIDÊNCIA (FOTO: AGÊNCIA EFE)

        A vida simples não significa desconectada. O chefe de Estado uruguaio tem um iPad para ler os jornais de manhã, antes de deslocar-se à Torre Executiva, sede governamental no centro de Montevidéu.

        Usa o aparelho moderno aparentemente porque não chegam os jornais até a vizinhança onde vive junto com outras três famílias e onde a cadela Manuela circula faceira, apesar dos 18 anos de idade. A ausência de uma das patas da cadela é fruto de um acidente com ferramentas de arar que forçou a amputação, relata Mujica.

        As pessoas não compram com dinheiro, compram com o tempo que tiveram que gastar para ter esse dinheiro”

        JOSÉ PEPE MUJICA

        Um dos vizinhos do presidente, um homem jovem, o ajuda nas tarefas agrícolas, para as quais dispõe de um velho trator que dorme em um galpão junto de seu velho carro, um Fusca que tem um quarto de século de vida e está avaliado em menos de US$ 2 mil.

        O líder diz ter pouco tempo para os trabalhos de campo e esclarece que segue cultivando flores unicamente para manter a semente e poder voltar a produzir com fins comerciais quando deixar o poder.

        Então pretende também “fazer uma escola de ofícios granjeiros” destinada a jovens da região, porque “há muitos rapazes que precisam aprender um ofício”.

        A comida é comprada em um mercadinho próximo com sua esposa Lucía.

        “Cozinhamos nós mesmos”, revela Mujica ao tirar o Fusca da garagem e chamar a cadela Manuela para subir no banco traseiro e ir até o açougue do bairro, situado a dois minutos de sua casa. Vai comprar carne para preparar seu prato preferido: “bife com cebola, com muita cebola picada”.

        • Caro Dr. Ednei,
          Usar o Pepe Mujica para respaldar a ideologia marxista, intrinsecamente genocida e sanguinária foi covardia da sua parte meu caro Watson! :^)

          Mujica é um exemplo da UTOPIA, podemos compará-lo apenas com Gandhi, Jesus e alguns outros poucos iluminados, totalmente EVOLUIDOS e desprendidos das paixões terrenas!

          O Pepe não pode ser ESTRATEGICAMENTE USADO como um exemplo para se tentar neutralizar o martírio causado por essa ideologia mentirosa, escravocrata, autoritária e nefasta!

          Usar as qualidades e CONVICÇÕES PESSOAIS de um indivíduo que é uma UNANIMIDADE
          mundial de simplicidade, desprendimento e verdadeiro ESPÍRITO CRISTÃO como um ESCUDO para tentar dar respaldo ao marxismo, se aproxima de um sacrilégio!

          Não é necessário afirmar que Mujica é “ÚNICO”, e que, como ele, existiram alguns outros que serviram de exemplo para a humanidade, mas que CERTAMENTE NÃO FOI POR CAUSA DE SUA IDEOLOGIA QUE SE TORNOU ESSE SER EXEPCIONAL!

          Ele sempe foi um ser excepcional, que, ao se envolver com a política, teve a oportunidade de apresentar ao mundo a VERDADEIRA dimensão de sua coerência de vida!

          Desejo-lhe e a seus familiares um ótimo domingo de páscoa meu caro Watson!

        • Preciso complementar com ainda um aspecto de VITAL IMPORTÂNCIA, sobre o Pepe Mujica e sua gestão à frente do URUGUAI:

          Trata-se de um país desprovido de riquezas naturais, e sendo de pequenas dimensões, está como que “protegido naturalmente” da cobiça dos interesses internacionais que tanto interferem e corrompem as administrações dos demais países detentores de riquezas (água, petróleo, minerais, biodiversidade, etc, . . . precisamente como nós!).

          Com esses níveis de “blindagem”, torna-se tremendamente mais “simples” conseguir conduzir um país com a racionalidade, o bom senso e a firmeza de propósitos que sempre orientaram suas decisões que não o nosso (não demerecendo com isso suas qualidades pessoais!) . . . Abrçs.

          • Entretanto, . . . (sempre existe um “mas”), até hoje continuo encafifado com a “proposta” do Mujica ao Obama, de se prestar a “reabilitar” no Uruguai, os terroristas muçulmanos confinados e TREINADOS por mais de década em GUANTÁNAMO, . . . !

            ISSO, continua MUUUIIIIIITO estranho!

    • Como “cereja do bolo” reproduzo a profética definição que um empresário fez do PT:

      “A Política do PT é a Arte de Pedir Votos aos Pobres, Pedir Dinheiro aos Ricos. e Mentir Para Ambos. Na Realidade, Não Sabem Fazer Mais Nada na Vida” – Antonio Ermírio de Morais (Jun/1928 – Ago/2014)

    • Excelente, Teresa, excelente.

      Em tantos detalhes de contradição dos quais poderiam ser expostos, de uma forma geral e mesmo assim detalhada, o artigo resume tudo com fatos, verdades e “referências bibliográficas” (rsrs).

      • Wagner, por favor desconsidere meu outro comentário! Estava discutindo outro assunto num grupo do whatsapp, mas haviam palavras parecidas, como referência bibliográfica, usei até uma frase do Beale, mas publiquei no lugar errado! Boa páscoa!

        • Perfeitamente, Teresa, sem problemas minha cara amiga. Entendi.

          Pois é, vi que usaste, hahaha, espero que tenha sido de bom proveito na conversa para quem também o leu. Se busca entender uma das interpretações do Beale sobre essa frase que usou, o texto passado ao Zara, logo abaixo aqui nesse post, segue com descrição precisa de eventos que concluem sobre a causa, já que, no final, tudo acaba, e, enquanto vivos, conhecer A Verdade Absoluta, é o que salvará todos da crise que um dia há de acabar aqui no Brasil e no Mundo.

          Se esse texto servir como referência, não deixe de fazer uso e passá-lo adiante. (O texto não é meu, mas é passível de utilização livre).

          Obrigado pelo desejo na sexta-feira. Um abraço!

    • Tereza Fabrício, Rodrigo Constantino é outro tarado da mesma direita de Olavo de Carvalho e que como muitos mal informados pela imprensa a que estes têm acesso confundem PT com a esquerda. Ou por ignorância (improvável) ou por má fé ignoram em seus escritos a esquerda democrática, procuram identificar PT, PCdoB e PSOL como esquerda, e quando falam do marxismo lá vem um discurso pronto: genocídio na União Soviética, em Cuba e assim vai. Leia com calma os posts abaixo.

      Saudações,

      EDNEI FREITAS

      • Ednei, entendo seu comentário, mas eu aproveito minha dificuldade em guardar nomes para ler tudo e todos, sem pré conceitos, e procuro extrair a ideia básica do artigo. O que ele disse, coincide com a desculpa da Senadora!
        Senadora comunista, Vanessa Graziottin, recebia dinheiro da Odebrecht e diz:
        “Todo mundo sabe que nós, comunistas, fazemos militância política por ideologia e não por qualquer vantagem financeira. O dinheiro que eu recebi era considerado por mim e pelos meus camaradas de Partido como um ato de expropriação contra a burguesia e por isso nós socializávamos com os pobres”.

        • Como você vê, cara Tereza, esta senadora do PCdoB é cínica e mentirosa. Ou você acredita que as propinas provindas das negociatas da Petrobras, que o PCdoB aliado ao Planalto sabia desde o começo que era dinheiro sujo, eram recebidos pelos nobres parlamentares do PCdoB, como ela diz : “expropriados contra a burguesia” (desde quando a Petrobras e as empresas estatais e fundos de pensão são a burguesia ?) e que estes parlamentares dividiam este dinheiro, socializavam, como ela diz, com os pobres ? E qual a militância política por ideologia que o PCdoB fez agarrados como um vampiro, nos últimos treze anos, no governo do PT que eles defendem até depois de morto ? – Só estão lá ainda por que já comeram a carne mas ainda tem o enterro dos ossos do dinheiro público. Peço licença ao nosso querido editor Carlos Newton para dizer – esta é a piada do ano ! P.S. : Sou usuário do plano de saúde da GEAP, isto é, me mantenho na GEAP porque tenho um filho de 15 anos e a mãe dele com quem me casei que usam este plano porque em Recife a Geap funciona. Mas foi o PCdoB que nas gestões de Lula chefiaram e quebraram a GEAP, inclusive o dinheiro do pecúlio que era opcional mas que muitos pagavam. A GEAP nacional está quebrada como a Petrobras. Um diretor do PCdoB, em qualquer diretoria da GEAP, recebe o salário mensal de R$ 60.000,00 com o plano de saúde (agora sabemos pela deputada que a GESP também faz parte da burguesia) expropriados da GEAP por uma questão de ideologia do PCdoB. Prezado editor Carlos Newton, esta conseguiu bater todas as suas piadas do ano. É uma piada insuperável!

          • Concordo! Mas eles acreditam realmente que o fim justificam os meios. Não sabem separar o público do privado e nem acham que estão ” se dando bem”, acham que merecem. São criminosos, são hipócritas, mas realmente acham que estão agindo corretamente. O melhor exemplo é a Dilma, dou razão a quem a chamou de autista, totalmente alienada e fora da realidade. Já não é o caso do Lula, trambiqueiro, nem da Marina, oportunista. Se vc leu o segundo link que postei, vai entender o que estou falando.

  4. Para quem não pegou o meu comentário noutro dia, fica o mesmo argumento:

    Todas essas ideologias, assim dispensáveis no Mundo Moderno, já eram enfatizadas no filme ‘The Network’, em 1976, que de forma suscinta, clara e direta, não deixa a desejar na definição:

    Arthur Jensen: “Você é um homem velho que pensa em termos de nações e povos. Não há nações! Não há povos! Não há russos! Não há árabes! Não há terceiro mundos! Não há Oeste! Existe apenas um sistema holístico de sistemas, um vasto e operacional, entrelaçado, interagindo, multivariante, domínio multinacional de DÓLARES. Petro-dólares, eletro-dólares, multi-dólares, reichmarks, rublos, libras, e shekels. É o sistema internacional de moeda que determina a totalidade da vida neste planeta. Essa é a ordem natural das coisas hoje. Essa é a estrutura atômica e subatômica e galáctica das coisas hoje! […] Você se levanta […] e uiva sobre a América e sobre a democracia. Não há América. Não há democracia. Há apenas IBM, e ITT, e AT & T, e DuPont, Dow, Union Carbide e Exxon. Essas são as nações do mundo hoje. O que você acha que os russos falam em seus conselhos de Estado, Karl Marx? […] O mundo é uma faculdade de corporações, inexoravelmente determinado pelo estatuto imutáveis ​​dos negócios. O mundo é um negócio, Sr. Beale.”

    “The World is a Business, Mr. Beale”
    https://www.youtube.com/watch?v=V9XeyBd_IuA

    Como dizia Enéas Carneiro, “e todo o resto é conversa fiada!”.

    • Essa é uma realidade incontestável meu caro Wagner!

      É essa realidade o fio condutor que atualmente conduz ‘a política’ (e os ‘políticos’) mundial no caminho da Nova Ordem Mundial.

      E em seu percurso o que faz? Vem com seu rolo-compressor atropelando as sociedades, as nações e as CONSTITUIÇÕES de todos os países . . .

      A ODEBRECHT, OAS, Camargo Correia, Gerdau seriam as empresas tupiniquins que, correndo por fora, buscaram garantir “seu lugar ao sol”nesse “NOVO MUNDO”, . . . onde o poder ‘multinacional’ da ‘moeda’ tem o poder de ‘induzir’ magnatas como o Gerdau se achem no direito de se APROPRIAR de praia no litoral do Santa Catarina, e de um Lula da Silva de furtar o acêrvo da União, como um faqueiro de ouro, o Cristo do Aleijadinho e uma gravura de Van Gogh, . . .

      A “lógica” desse pessoal é a da “patrimonialização” DIRETA dos BENS PÚBLICOS, no que entendem que estejamos atualmente nos encontrando no “período de LIQUIDAÇÃO” dos Sistemas de Governo Republicanos dos “ESTADOS NACIONAIS”, concebidos com seus Três Poderes Republicanos, DEMOCRATICAMENTE “pela obsoleta concepção” de uns “retrógrados” do passado, conhecidos por Montesquieu e Rosseau, . . . e cosí la nave vá, . . . fingindo-se que nada de fato esteja mudando!

      Talvez nossa CRISE esteja ao menos servindo para a humanidade despertar de uma ILUSÃO diligentemente contruida durante os últimos dois séculos!

      • Meu querido Zara!

        É com perfeita harmonia e profundidade de entendimento, junto aos seus pensamentos (conceitos da realidade), que venho à você, meu caro “retrógrado do passado” (rsrs), dizer que, é muito bom ver que outras pessoas como você, são LÚCIDAS no que tange aos “conceitos obsoletos” de nossa REALIDADE.

        Poderíamos discorrer centenas de anos em conversas intermináveis quanto ao(s) assunto(s), mas, no que tange o direcionamento conclusivo perante a esta CRISE, como colocou, preste a devida atenção, meu caro Zara, veja que, foi por isso (PELA PRÓPRIA COISA EM SI, PELA PRÓPRIA VERDADE ESTABELECIDA, O TODO E O SEMPRE) que, pessoas como nós, e tantos outros, dirigidos por esses CONCEITO DA REALIDADE/VERDADE/FUNDAMENTO PRIMEIRO, não se deixou antes ou hoje, SEQUER, com que isso fosse visto como uma discussão aberta em procura da mesma [da verdade], pois ‘aqueles que não foram chamados’, não conseguem ver ou entender o processo POR COMPLETO e ABSOLUTAMENTE, pensam que O TODO é chato, massante, ofensivo e delirante… ora, E É!, por isso precisam da nossa ajuda para entender o ponto-chave da existência como UM TODO COMPLETO E ABSOLUTO!, A VERDADE!!!

        E aí, nos indagamos: QUE É A VERDADE [COMPLETA E ABSOLUTA]?

        Quase dois mil anos atrás, a Verdade foi levada a julgamento e condenada por pessoas que se dedicavam à mentira. De fato, a Verdade enfrentou seis julgamentos em menos de um dia, três dos quais eram religiosos, e três que eram legais. No final, poucas pessoas envolvidas nesses eventos poderiam responder à pergunta: “Que é a verdade?”

        Depois de ser preso, a Verdade foi levada primeiro a um homem chamado Anás, um corrupto ex-sumo sacerdote dos judeus. Anás quebrou inúmeras leis judaicas durante o julgamento, incluindo a realização do julgamento em sua casa, tentar induzir auto-acusações contra o réu e bater no réu, o qual não havia sido condenado por nada até aquele momento. Depois de Anás, a Verdade foi levada ao reinante sumo sacerdote, Caifás, o qual era o genro de Anás. Diante de Caifás e do Sinédrio judaico, muitas testemunhas se prontificaram para testemunhar contra a Verdade, mas nada podia ser provado e nenhuma evidência de má conduta podia ser encontrada. Caifás quebrou pelo menos sete leis enquanto tentava condenar a Verdade: (1) o julgamento foi realizado em segredo; (2) foi realizado à noite, (3) envolveu suborno; (4) o réu não tinha ninguém presente para fazer uma defesa a seu favor; (5) a exigência de 2-3 testemunhas não podia ser cumprida; (6) usaram testemunho auto-incriminatório contra o réu, (7) condenou o réu à pena de morte no mesmo dia. Todas essas ações eram proibidas pela lei judaica. Independentemente disso, Caifás declarou a Verdade culpada porque a Verdade afirmou ser Deus na carne, algo que Caifás chamava de blasfêmia.

        Ao amanhecer, o terceiro julgamento da Verdade ocorreu, resultando no Sinédrio judaico pronunciando que a Verdade devia morrer. No entanto, o conselho judaico não tinha o direito legal de executar a pena de morte, por isso foram obrigados a trazer a Verdade ao governador romano na época, um homem chamado Pôncio Pilatos. Pilatos foi nomeado por Tibério como o quinto prefeito da Judeia e serviu nessa capacidade entre 26-36 AD. O procurador tinha poder de vida e morte e poderia reverter sentenças capitais aprovadas pelo Sinédrio. Enquanto a Verdade estava diante de Pilatos, mais mentiras foram feitas contra Ele. Seus inimigos disseram: “Encontramos este homem pervertendo a nossa nação, vedando pagar tributo a César e afirmando ser ele o Cristo, o Rei” (Lucas 23:2). Isso foi uma mentira porque a Verdade tinha dito que todos pagassem os seus impostos (Mateus 22:21) e nunca falou de Si mesmo como um desafio para César.

        Após isso, uma conversa muito interessante entre a Verdade e Pilatos ocorreu. “Tornou Pilatos a entrar no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? Respondeu Jesus: Vem de ti mesmo esta pergunta ou to disseram outros a meu respeito? Replicou Pilatos: Porventura, sou judeu? A tua própria gente e os principais sacerdotes é que te entregaram a mim. Que fizeste? Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. Perguntou-lhe Pilatos: Que é a verdade? Tendo dito isto, voltou aos judeus e lhes disse: Eu não acho nele crime algum” (João 18:33–38).

        A pergunta de Pilatos: “Que é a verdade?” tem sido repercutida ao longo da história. Foi um desejo melancólico de saber o que mais ninguém podia lhe dizer, um insulto cínico ou talvez uma resposta irritada e indiferente às palavras de Jesus?

        Em um mundo pós-moderno que nega que a verdade possa ser conhecida, a questão é mais importante do que nunca para responder. Que é a verdade?

        Uma Proposta Definição da Verdade
        Ao definir a verdade, é útil primeiramente observar o que ela não é:

        • A verdade não é simplesmente qualquer coisa que funcione. Esta é a filosofia do pragmatismo – uma abordagem semelhante à de que o fim justifica o meio. Na realidade, a mentira pode até “dar certo”, mas ainda é uma mentira e não a verdade.
        • A verdade não é simplesmente o que é coerente ou compreensível. Um grupo de pessoas pode se reunir e formar uma conspiração com base em um conjunto de falsidades, onde todos concordam em contar a mesma história falsa, mas isso não torna a sua apresentação verdade.
        • A verdade não é o que faz as pessoas se sentirem bem. Infelizmente, más notícias podem ser verdadeiras.
        • A verdade não é o que a maioria diz ser verdade. Cinquenta e um por cento de um grupo pode chegar a uma conclusão errada.
        • A verdade não é o que é abrangente. Uma apresentação longa e detalhada ainda pode resultar em uma falsa conclusão.
        • A verdade não é definida pela intenção. Boas intenções ainda podem estar erradas.
        • A verdade não é como nós sabemos, mas o que sabemos.
        • A verdade não é simplesmente o que se acredita. Uma mentira acreditada ainda é uma mentira.
        • A verdade não é o que se provou publicamente. Uma verdade pode ser conhecida em particular (por exemplo, a localização do tesouro enterrado).

        A palavra grega para “verdade” é alētheia, que significa literalmente “des-esconder” ou “esconder nada.” Ela transmite a ideia de que a verdade está sempre disponível, aberta e acessível para que todos a possam ver, sem nada sendo escondido ou obscuro A palavra hebraica para “verdade” é emeth, que significa “firmeza”, “constância” e “duração”. Tal definição implica uma substância eterna e algo em que se pode contar.

        Do ponto de vista filosófico, há três maneiras simples de definir a verdade:

        1. A verdade é o que corresponde à realidade.
        2. A verdade é o que corresponde ao seu objeto.
        3. A verdade é simplesmente dizer como realmente é.

        Em primeiro lugar, a verdade corresponde à realidade ou “o que é.” É real. A verdade também é de natureza correspondente. Em outras palavras, ela corresponde ao seu objeto e é conhecida pelo seu referente. Por exemplo, um professor diante de uma classe pode dizer: “A única saída desta sala é à direita.” Para a classe que pode estar de frente para o professor, a porta de saída pode ser à sua esquerda, mas é absolutamente verdade que a porta, para o professor, é à direita.

        A verdade também coincide com o seu objeto. Pode ser absolutamente verdade que uma determinada pessoa pode necessitar de tantos miligramas de um determinado medicamento, mas outra pessoa pode necessitar de mais ou menos do mesmo medicamento para produzir o efeito desejado. Isso não é verdade relativa, mas apenas um exemplo de como a verdade deve coincidir com o seu objeto. Seria errado (e potencialmente perigoso) que um paciente pedisse que o seu médico lhe desse uma quantidade inadequada de um determinado medicamento, ou dissesse que qualquer remédio serviria para a doença em questão.

        Em suma, a verdade é simplesmente dizer como é; é a maneira como as coisas realmente são, e qualquer outro ponto de vista é errado. Um princípio fundamental da filosofia é ser capaz de discernir entre a verdade e o erro, ou como Tomás de Aquino observou: “É a tarefa do filósofo fazer distinções”.

        Desafios para a Verdade
        As palavras de Aquino não são muito populares hoje em dia. Fazer distinções parece estar fora de moda em uma era pós-moderna do relativismo. É aceitável hoje dizer: “Isso é verdade”, contanto que não seja seguido por “e, portanto, isso é falso.” Isto é especialmente observável em questões de fé e religião, onde cada sistema de crenças é para ter a mesma quantidade de igualdade quando se trata da verdade.

        Há uma série de filosofias e cosmovisões que desafiam o conceito de verdade, mas, quando cada uma é examinada criticamente, acaba sendo de natureza auto-destrutiva.

        A filosofia do relativismo diz que toda verdade é relativa e que não existe tal coisa como verdade absoluta. Entretanto, é preciso perguntar: é a alegação de que “toda verdade é relativa” uma verdade relativa ou uma verdade absoluta? Se for uma verdade relativa, então realmente não tem nenhum sentido; como é que sabemos quando e onde se aplica? Se for uma verdade absoluta, então existe verdade absoluta. Além disso, o relativista trai a sua própria posição quando afirma que a posição do absolutista é errada – por que não podem aqueles que dizem que a verdade absoluta existe estar corretos também? Em essência, quando o relativista diz: “Não há nenhuma verdade”, ele está pedindo para você não acreditar nele, e a melhor coisa a fazer é seguir o seu conselho.

        Aqueles que seguem a filosofia do ceticismo simplesmente duvidam de toda a verdade. Entretanto, será que o cético é cético do ceticismo; ele duvida de sua própria afirmação sobre a verdade? Se sim, então por que prestar atenção ao ceticismo? Se não, então podemos ter certeza de pelo menos uma coisa (em outras palavras, a verdade absoluta existe) – o ceticismo, que, ironicamente, torna-se verdade absoluta nesse caso. O agnóstico diz que não se pode conhecer a verdade. No entanto, a mentalidade é auto-destrutiva porque afirma conhecer pelo menos uma verdade: que a verdade não pode ser conhecida.

        Os discípulos do pós-modernismo simplesmente não afirmam nenhuma verdade em particular. O santo padroeiro do pós-modernismo, Frederick Nietzsche, descreveu a verdade assim: “Que é então a verdade? Um exército móvel de metáforas, metonímias e antropomorfismos … verdades são ilusões … moedas que perderam as suas fotos e agora importam apenas como metal, não mais como moedas.” Ironicamente, embora o pós-modernista tenha moedas na mão que são agora “mero metal”, ele afirma pelo menos uma verdade absoluta: a verdade de que nenhuma verdade deve ser afirmada. Como as outras cosmovisões, o pós-modernismo é auto-destrutivo e não pode resistir a sua própria afirmação.

        Uma popular cosmovisão é o pluralismo, o qual diz que todas as alegações sobre a verdade são igualmente válidas. Claro que isso é impossível. Podem duas ações – uma que diz que uma mulher está grávida e outra que diz que ela não está grávida – ser ambas verdadeiras ao mesmo tempo? O pluralismo se despedaça aos pés da lei da não-contradição, que diz que algo não pode ser tanto “A” quanto “não-A” ao mesmo tempo e no mesmo sentido. Como um filósofo ironizou, quem acredita que a lei da não-contradição não é verdade (e, por padrão, o pluralismo é verdade) deve ser espancado e queimado até admitirem que ser espancado e queimado não é a mesma coisa que não ser espancado e queimado. Além disso, observe que o pluralismo afirma ser verdadeiro e que nada contra ele é falso – sendo essa uma afirmação que nega o seu próprio princípio fundacional.

        O espírito por trás do pluralismo é uma atitude de braços abertos de tolerância. No entanto, o pluralismo confunde a ideia de todos têm o mesmo valor com todas as reivindicações sobre a verdade sendo igualmente válidas. Mais simplesmente, todas as pessoas podem ser iguais, mas nem todas as reivindicações sobre a verdade o são. O pluralismo não consegue entender a diferença entre opinião e verdade, uma distinção que Mortimer Adler observa: “O pluralismo é desejável e tolerável somente naquelas áreas que são questões de gosto e não em questões sobre a verdade.”

        A Natureza Ofensiva da Verdade
        Quando o conceito da verdade é criticado, é normalmente por uma ou mais das seguintes razões:

        Uma queixa comum contra alguém alegando ter a verdade absoluta em matéria de fé e religião é que tal postura é “intolerante.” No entanto, a crítica não consegue entender que, por natureza, a verdade é intolerante. É um professor de matemática intolerante por manter a crença de que 2 + 2 só pode ser 4?

        Uma outra objeção à verdade é que é arrogante afirmar que alguém está certo e outra pessoa está errada. No entanto, voltando ao exemplo acima com a matemática, é arrogante quando um professor de matemática insiste em apenas uma resposta certa para um problema de aritmética? Ou é arrogante quando um serralheiro afirma que apenas uma chave vai abrir uma porta trancada?

        Uma terceira acusação contra os defensores da verdade absoluta em matéria de fé e religião é que tal posição exclui as pessoas, ao invés de incluí-las. No entanto, tal queixa não consegue compreender que a verdade, por natureza, exclui o seu oposto. Todos as respostas diferentes de 4 são excluídas da realidade do verdadeiro resultado de 2 + 2.

        No entanto, um novo protesto contra a verdade é que é divisivo e ofensivo quando alguém reivindica ter a verdade. Em vez disso, o crítico afirma, tudo o que importa é a sinceridade. O problema com essa posição é que a verdade é imune à sinceridade, crença e desejo. Não importa o quanto se acredita sinceramente que uma chave errada vai abrir a porta; a chave ainda não vai entrar e a fechadura não será aberta. A verdade também não é afetada pela sinceridade. Alguém que pega um frasco de veneno e sinceramente acredita que é limonada ainda vai sofrer os efeitos infelizes do veneno. Finalmente, a verdade é impermeável à vontade. Uma pessoa pode desejar fortemente que seu carro não esteja sem gasolina, mas se o medidor diz que o tanque está vazio e o carro não funciona, então não há desejo no mundo vai milagrosamente fazer com que o carro continue.

        Alguns admitem que a verdade absoluta existe, mas, em seguida, afirmam que tal postura é válida apenas na área da ciência e não em questões de fé e religião. Esta é uma filosofia chamada de positivismo lógico, popularizada por filósofos como David Hume e AJ Ayer. Em essência, essas pessoas afirmam que as alegações sobre a verdade devem ser (1) tautologias (por exemplo, todos os solteiros não são casados) ou empiricamente verificáveis (isto é, testável via ciência). Para o positivismo lógico, toda conversa sobre Deus é um absurdo.

        Aqueles que defendem a ideia de que só a ciência pode fazer reivindicações sobre a verdade deixam de reconhecer que existem muitos campos onde a ciência é impotente. Por exemplo:

        • A ciência não pode provar as disciplinas de matemática e lógica porque as pressupõe.
        • A ciência não pode provar verdades metafísicas como a de que mentes além da minha existem.
        • A ciência é incapaz de fornecer a verdade nas áreas de moral e ética. Não se pode usar a ciência, por exemplo, para provar que os nazistas eram maus.
        • A ciência é incapaz de afirmar verdades sobre as posições estéticas como a beleza do nascer do sol.
        • Por último, quando alguém fizer a declaração “a ciência é a única fonte de verdade objetiva”, ele acabou de fazer uma reivindicação filosófica que não pode ser testada pela ciência.

        E há quem diga que a verdade absoluta não se aplica na área da moralidade. No entanto, a resposta à pergunta: “Será que é moral torturar e matar uma criança inocente?” é absoluta e universal: Não. Ou, para ser mais pessoal, aqueles que defendem a verdade relativa sobre a moral parecem sempre querer que seu cônjuge seja absolutamente fiel.

        Porque a Verdade é Importante
        Por que é tão importante entender e adotar o conceito de verdade absoluta em todas as áreas da vida (incluindo a fé e religião)? Simplesmente há consequências para estar errado. Dar a alguém a quantidade errada de um medicamento pode matá-lo; ter um gestor de investimentos tomar as decisões monetárias erradas pode empobrecer uma família; embarcar no avião errado irá levá-lo aonde você não deseja ir e lidar com um cônjuge infiel pode resultar na destruição de uma família e, potencialmente, em doença.

        Como o apologista cristão Ravi Zacharias explica: “O fato é que a verdade importa – especialmente quando você é o receptor de uma mentira.” E em nenhum lugar isso é mais importante do que na área da fé e da religião. A eternidade é um tempo muito longo para estar errado.

        Deus e a Verdade
        Durante os seis julgamentos de Jesus, o contraste entre a verdade (justiça) e mentiras (injustiça) era inconfundível. Lá estava Jesus, a Verdade, sendo julgado por aqueles cujas ações eram banhadas em mentiras. Os líderes judeus quebraram quase todas as leis destinadas a proteger o réu de condenação injusta. Eles trabalharam com fervor para encontrar qualquer testemunho que incriminasse Jesus, e na sua frustração, voltaram-se a provas falsas apresentadas por mentirosos. No entanto, nem mesmo isso pôde ajudá-los a alcançar o seu objetivo. Sendo assim, quebraram uma outra lei e obrigaram Jesus a implicar a Si mesmo.

        Quando diante de Pilatos, os líderes judeus mentiram novamente. Condenaram Jesus de blasfêmia, mas já que sabiam que não seria suficiente para persuadir Pilatos a matar Jesus, eles afirmaram que Jesus era um desafio a César e estava quebrando a lei romana ao incentivar o povo a não pagar impostos. Pilatos rapidamente detectou a sua decepção superficial e nunca nem sequer abordou a acusação.

        Jesus, o Justo, estava sendo julgado pelo injusto. O fato triste é que este último sempre persegue o primeiro. É por isso que Caim matou Abel. A ligação entre a verdade e a justiça e entre a falsidade e a injustiça é demonstrado por uma série de exemplos no Novo Testamento:

        • Por esta razão, Deus enviará sobre eles uma influência enganadora para que acreditem no que é falso, a fim de que sejam julgados todos os que não deram crédito à verdade, mas deleitaram-se com a injustiça (2 Tessalonicenses 2:9-12, ênfase acrescentada).
        • “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça” (Romanos 1:18, ênfase adicionada).
        • “que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento: a vida eterna aos que, perseverando em fazer o bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade; mas ira e indignação aos facciosos, que desobedecem à verdade e obedecem à injustiça” (Romanos 2:6-8, ênfase adicionada).
        • “não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade” (1 Coríntios 13:5-6 , ênfase acrescentada).

        Conclusão
        A pergunta que Pôncio Pilatos fez séculos atrás precisa ser reformulada a fim de ser completamente precisa. A observação do governador romano,”Que é a verdade?”, ignora o fato de que muitas coisas podem ter a verdade, mas só uma coisa pode realmente ser a Verdade. A verdade deve se originar de algum lugar. A dura realidade é que Pilatos estava olhando diretamente à Origem de toda a Verdade naquela manhã mais de dois mil anos atrás. Não muito tempo antes de ser preso e levado para o governador, Jesus tinha feito a simples declaração: “Eu sou a verdade” (João 14:6) – o que foi bastante incrível. Como poderia um mero homem ser a verdade? Ele não podia ser, a menos que fosse mais que um homem, que é exatamente o que afirmava ser. O fato é que a afirmação de Jesus foi validada quando ressuscitou dos mortos (Romanos 1:4).

        Há uma história sobre um homem que vivia em Paris e recebeu a visita de um estranho do interior. Querendo mostrar ao estranho a magnificência de Paris, ele levou-o a Louvre para ver a grande arte e, em seguida, a um concerto em um majestoso teatro para ouvir uma grande orquestra sinfônica. No final do dia, o estrangeiro do interior comentou que não gostou particularmente nem na arte ou da música. O seu anfitrião respondeu: “Eles não estão em julgamento, você está.” Pilatos e os líderes judeus achavam que estavam julgando Cristo, quando, na realidade, eles que estavam sendo julgados. Além disso, Aquele que foi condenado vai na verdade servir como o seu Juiz um dia, como o será para todos os que detêm a verdade em injustiça.

        Pilatos evidentemente nunca chegou ao conhecimento da verdade. Eusébio, o historiador e bispo de Cesareia, registra o fato de que Pilatos finalmente cometeu suicídio em algum momento durante o reinado do imperador Calígula – um final triste e um lembrete para todos que ignorar a verdade sempre leva a consequências indesejáveis.

        Cabe à você agora, meu querido Zara, reconhecê-lO, chegando ao seu conhecimento aquilo que É, e ponto final.

        Um grande abraço, meu caro!

  5. Cazian (que pelo nome não se perca como diz o saudoso Hélio Fernandes), é mais um analfabeto político. Mesmo não tendo escrito a matéria nela acreditou. Cazian, nenhuma política de Dilma desestabilizou a economia brasileira. Dizem com os olhos injetados de ódio Dilma mentiu para se eleger. Em nenhuma eleição os candidatos dizem totalmente a verdade. Sempre enfeitam ou exageram o que dizem, uns mais outro menos. (Só teve um político vivo que eu conheço. A história talvez não tenha registrado,que falou a verdade para o povo e a enfeitou com tantas teses complicadas que os eleitores o abandonaram e elegeram seu adversário. Este político está por aí saltitante com teses e conseitos absurdos, que eu escrevi carta para um seu corregionário no senado, chamando-o de TEORISTA. Não confundam com “terrorista”. É uma praga como a ZICA o teorista na política. Ele tem solução para tudo. Este senador vendo os protestos que pareciam um tusimame na TV e representavam muito pouco em um pais de 200 milhões de habitantes. Aconselhou os jovens a anularem o voto. Algum tempo depois aconselhou a irem as ruas protestar. Depois aos mesmos jovens disse que deviamos mudar para o parlamentarismo. Depois aconselhou que os jovens fizessem como os ucranianos (não disse mas deu a entender que protestassem até derrubar o governo). O que houve na verdade foi erro de avaliação de Dilma. Ela pensou que as comódites (petróleo e ferro) fossem voltar ao preço normal de 100/105 dólares. Os preços já tinham despencado para 40, 30 dólares. Sem dinheiro ninguém faz nada. Se mudou o que planejara é um direito de qualquer governante mudar de rumo quando a situação exige. A Lava Jato já estava sendo investigada antes da eleição. Com o presidente da Câmara enchendo a pauta de BOMBAS e qualquer matéria para passar tinha que ser submetida a chantágem e a oposição trombeteandoque a eleição fora roubada e que a candidata mentiu para se eleger, jogando o povo, contra o governo. Nenhum governante governa. Se os preços das comódites voltassem ao normal. TODOS ENVOLVIDOS NA LAVA JATO SERIAM PROCESSADOS E PRESOS DA MESMA MANEIRA. Mas, os perdedores aproveitaram e cairam de pau na presidente. E estão aí prontos para assumir o governo. O PIOR É QUE TODOS ESTÃO SENDO ACUSADOS DE TEREM RECEBIDO PROPINAS. Não podemos fazer nada. Se vocês ficarem curiosos eu digo quem é o senador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *