O reencontro com Waldir Pires e a perda de Carlos Araújo

Resultado de imagem para carlos araujo velorio

O velório de Araújo foi no saguão da Assembléia gaúcha

Sebastião Nery

Nestes tempos de mediocridade triunfante, carência de vocações públicas, foi uma festa na casa do advogado Carlos Sodré, em Salvador, o reencontro com velhos amigos como Waldir Pires, Virgildásio Sena, Roberto Santos, Joacy Goes, Hélio Duque, João Carlos Teixeira Gomes (o poeta Joca), outros, relembrando uma parte da história política brasileira.

Por exemplo, aos 91 anos, Waldir lúcido e ativo na defesa da democracia, nos ensina: “A política é a única forma de produzir mudanças na sociedade. O governo democrático não é o governo da vontade pessoal do governante. Não há falta de inteligência nos dias atuais. Há falta de caráter. A civilização não pode ser a corrupção e o caos, a ansiedade e a opressão. A dignidade humana, os direitos existenciais, os valores da liberdade, devem ser o balizamento na sociedade democrática. É o ser humano a medida e o fim da sociedade.”

CARLOS ARAÚJO – E lá se foi um grande gaúcho e grande brasileiro, o advogado e ex-deputado do PDT Carlos Araújo. Valente e exemplar na luta armada contra a ditadura militar, no movimento estudantil e nas disputas partidárias, na organização do PDT, sempre com liderança, patriotismo e desprendimento.

15 thoughts on “O reencontro com Waldir Pires e a perda de Carlos Araújo

  1. Sr. Sebastião Nery
    Vivendo aprendendo e conhecendo as criaturas…
    Querer mudar uma bagunça de governo por uma ditadura estrangeira, não tem nada de louvável.
    O pior dos indivíduos, na morte sempre encontra um vivo que o enaltece, é compreensível.
    Não vejo atitudes que mereçam elogios e sim atos extravagantes que garotos, que querem mudar o mundo e a procura de aventura, na sua ignorância, praticam…
    Jovens!

    sanconiaton

  2. Tosca cultura de enaltecer atos errados e criminosos.
    Que Deus tenha misericórdia do ex-marido da Dilma, mas querer classificar de decente um criminoso isso é demais.
    Nada justiça pegar armas e enfrentar o mundo. O mundo se muda com palavras. Chamar de corajoso um sujeito bandido, que adjetivo usar pra descrever um Ghandi?

    • Sr.Luiz Fernando Souza
      A pergunta primordial é quem iniciou as agressões armadas…
      Os estabelecidos militares ou os inconsequentes revolucionários?
      Guerra iniciada, não tem o que reclamar, atenha-se a ficar vivo e derrubar quantos adversários puder, afinal guerra é guerra.
      Ninguém deve enfiar a força, na casa de alguém, indivíduos ou ideias sem a concordância do proprietário.
      Isso tudo com a frágil crença que democracia ou comunismo acrescentará honestidade ao seus ideólogos.
      Em essência o ser humano é desonesto, não importa sua ideologia ele acabará corrompendo seu regime político seja ele o qual for.
      Voltando a escaramuça.
      Fica a pergunta:
      Quem iniciou as agressões?
      Um agrediu o outro se defendeu.

      Auto defesa é um bem, um direito e obrigação que cada indivíduo deve preservar.

      sanconiaton

  3. Eu era um infante em 1969, e terminando o 3º ano científico; sei muito bem o que este “guerrilheiros/subversivos de merda trouxeram de prejuízo para a sociedade”.
    Sinto muito, mas não posso calar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *