O sonho de Luiz Carlos da Vila não acabou

O cantor e compositor carioca Luiz Carlos Baptista (1949-2008) que adotou o nome artístico de Luiz Carlos da Vila ou das “Vilas”, como ele mesmo afirmava, porque residia na Vila da Penha e era compositor da Escola de Samba Unidos de Vila Isabel, é considerado um dos formatadores do samba carioca contemporâneo.

A letra de “O Sonho Não Acabou” homenageia o saudoso cantor e compositor Candeia, falecido em 1978, nela está presente o rico e belo manancial poético de Luiz Carlos da Vila. Este samba faz parte do CD ”Um Cantar à Vontade”, gravado por Luiz Carlos da Vila, em 2004, pela Musart Music.

O SONHO NÃO ACABOU
Luiz Carlos da Vila

A chama não se apagou
Nem se apagará
És luz de eterno fulgor
Candeia

O tempo que o samba viver
O sonho não vai acabar
E ninguém irá esquecer
Candeia

Todo tempo que o céu
Abrigar o encanto de uma lua cheia
E o pescador afirmar
Que ouviu o cantar da sereia
E as fortes ondas do mar
Sorrindo brincar com a areia
A chama não vai se apagar
Candeia

Onde houver uma crença
Uma gota de fé
Uma roda, uma aldeia
Um sorriso, um olhar
Que é um poema de fé
Sangue a correr nas veias
Um cantar à vontade
Outras coisas que a liberdade semeia
O sonho não vai acabar
Candeia

                   (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “O sonho de Luiz Carlos da Vila não acabou

  1. Às orêias de um cavaquinista e lutherie por esporte, palavras que teimam em dar contornos gutemberguianos:

    – “Embora sem espaço no universo midiático, assim como a Culinária, o Cancioneiro Popular Brasileiro, inclusive em versão de alguns instrumentistas/percursionistas eruditos, é o legado mais rico e singular de nossas produções artísticas. Mesmo o dito Rock, Mick Jagger já acentuava a “textura e inserção de temáticas mais amplas” dos nossos “roqueiros”, quando que mundo à fora o que se escambava não passava de debutação de adolescentes caretas ou transviados de ocasião (pernizados por poderosos e milionários esquemas publicitários).”

  2. Sempre fui fã de rock, rock progressivo, jazz, mas quando descobri a obra desse cara, fiquei fascinado. Realmente, pra boa música não existe fronteira.

  3. Paulo Peres, muito lindo este seu trabalho, obrigado, porque sei que você era amigo e um grande admirador das músicas do meu irmão Luiz. Valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *