O tempo do basta

Carlos Chagas

Apesar da teoria da relatividade de Albert Einstein misturar tempo e espaço, pelo menos fora da órbita do planeta Terra, a verdade é que o tempo, para nós aqui em baixo, parece um só. Assim, fica difícil aceitar a afirmação do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, de que o tempo da Justiça é diferente do tempo do Congresso.

Como conclusão, ambos os poderes estão atrasados com relação às suas obrigações e à opinião pública: a maior corte nacional de Justiça, por guardar segredo do nome dos deputados, senadores, governadores e ministros envolvidos na tramoia da Petrobras. O Legislativo, por não investigar e abrir processo de cassação contra eles.

O cidadão comum aguarda ansioso a divulgação dos nomes dos políticos que receberam dinheiro podre dos ladrões da estatal, diretores e empreiteiras, Assim, espera-se que o Supremo inicie o julgamento e, provavelmente, a condenação desses maus representantes do povo, ao tempo em que, em paralelo, Câmara e Senado decidiriam nos respectivos Conselhos de Ética sobre a perda de mandatos dos implicados.

Falta o quê, nessa equação? Tempo não pode ser. As atribuições dos dois poderes são conhecidas e permitem a ação imediata. Faltaria vontade política?

Mesmo que as denúncias atinjam a metade dos deputados eleitos, alguns senadores, governadores, ministros e ex-ministros, não dá para protelar os procedimentos. A impunidade, com raras exceções, tem sido constante nos negócios entre o poder público, suas empresas, a atividade privada e a representação eleitoral. A hora é de um basta nessas liberalidades. A cadeia chegou para os dirigentes da Petrobras e os responsáveis pelas empreiteiras. Faltam os políticos.

QUEM TEM RAZÃO

No palácio do Planalto, prevalece a frase de um senador da Roma Antiga diante da exigência do imperador Adriano a respeito de determinada lei não poder ser aprovada. Disse o tal Favorino na hora da decisão: “qualquer homem que tiver atrás de si trinta legiões não pode deixar de ter razão…”

É dentro desse raciocínio que a presidente Dilma e seus auxiliares imaginam conseguir o governo livrar-se da mancha dos escândalos na Petrobras. Eles detém o poder, que conforme o Conselheiro Acácio disse pela pena de Eça de Queirós: “O poder é muito poderoso!”

Será mesmo?…

One thought on “O tempo do basta

  1. Bom dia Carlos.
    Correto. Concordo tranquilamente .
    Agora, quando você pergunta quem tem razão, me lembrei
    do escrito na parede de um barzinho, justificando as
    ”AS RAZÕES DO CHEFE”’ , proibindo o fiado.
    Fiz então a versão para os ”políticos com letra minúscula”,
    com letra minúscula. . ., muito embora, é verdade, temos
    muitos políticos com letra maiúscula.

    AS RAZÕES DOS POLÍTICOS
    Art. 1o. – O político TEM RAZÃO
    Art. 2o. – O político SEMPRE TEM RAZÃO !!!
    Art. 3o. – Em caso de dúvida se o político tem ou não razão,
    – PREVALECE o Art. 1o.

    Também me lembrei muito da letra de composição do Chico Buarque,
    da letra… da letra, no seguinte trecho :
    ”Sorria a nossa Pátria Mãe tão distraída, sem perceber que era corrompida
    em tenebrosas transações”
    E viva os Irmãos PeTralhas.
    E ”nóis, como ficamos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *