O verdadeiro sentido da vida

Vittorio Medioli

Na estúpida corrida para bater recordes de acumulação de riquezas, o verdadeiro sentido da vida tende a ficar para trás. Continua gozando de maior respeito um homem rico do que um sábio. O primeiro é mais visível, possui acessórios caros; impõe-se pela capacidade de comprar soluções; o segundo, por evitar comprá-las, pois não gera problemas. Um mede seu êxito pelo tamanho da inveja que suscita; o outro, pela arte de insuflar satisfação, pois ele compreendeu que não é feliz quem mais tem, mas quem mais se satisfaz com o que tem.

A felicidade, em si, não é algo exterior, não vive fora do indivíduo nem se pode comprar na feira. Ela se gera bem no tabernáculo humano, num recinto pessoal e intocável, como um sentimento de plena harmonia, e não de superioridade. Engana-se, portanto, quem desfila entre seus semelhantes recolhendo olhares invejosos ou medindo sua importância pela riqueza. Será um Sísifo empurrando eternamente a pedra e recomeçando sempre do princípio.

SABEDORIA

O novo milênio, saudado pelos arautos da Era de Aquário como o início de uma fase de grandes transformações, deverá promover o resgate da sabedoria entre os seres humanos e, portanto, a capacidade de viver de forma harmoniosa em relação tanto aos semelhantes quanto à natureza. Sinais dessa mudança se notam pela preocupação ainda tímida, mas já evidente, da “responsabilidade social”, algo humano e ambientalmente correto que começa a ser compreendido como fator fundamental e indissociável das atividades econômicas.

Embora o lucro continue a ser condição básica, pois sem ele nenhuma empresa consegue permanecer em atividade, surge com vigor nas grandes corporações, e até nas pequenas empresas, a necessidade da ação correta, aquela que distribui não apenas dividendos, mas ajudas ao desenvolvimento humano.
O desempenho de uma empresa passou a ser avaliado, com intensidade crescente nos meios mais atentos, por um conjunto de valores não apenas econômicos e não necessariamente materiais. Hoje, e ainda mais no futuro, a importância e as perspectivas de longevidade da empresa se atrelam ao respeito de interesses difusos e à superação de sofrimentos humanos.

Mais vale uma empresa com um lucro modesto, mas com papel definido de utilidade social, do que uma empresa com um monumental lucro sem méritos sociais. A primeira terá vida mais fácil que a outra, gozando de simpatia, de apoio, de gratidão – valores imateriais que conspiram hoje, e conspirarão ainda mais no futuro, para o sucesso.
Quem compreender isso é um afortunado que distribuirá meios para uma vida melhor.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “O verdadeiro sentido da vida

  1. Minha internação como débil mental, doido varrido, louco irrecuperável e demente nato e hereditário já estava programada. Eu … debatendo-me e gritando.
    Mas … eis que após ler este artigo, percebi que o autor deve ser internado muito antes de mim. O Vittorio Medioli conseguiu ir muito além da minha insanidade latente!!! O mundo ao qual ele se refere é um mundo que jamais existirá, é o mundo de Dom Quixote, de Morus e muitos outros Cavaleiros das Tristes Figuras que lutam montados em cavalos raquíticos como Rocinante, com penicos como capacetes e bacias furadas e enferrujadas como armaduras. Não temos chance. Podemos apenas imaginar um outro mundo. Esta imaginação é o nosso alimento verdadeiro.

  2. Prezado Almério, veja a seguir um trecho de publicação escrita pelo Leonardo Boff…

    MITO DO PROGRESSO

    Vivíamos sob o mito do progresso. Mas este foi entendido de forma distorcida como controle humano sobre o mundo não-humano para termos um PIB cada vez maior. A forma correta é entender o progresso em sintonia com a natureza e sendo medido pelo funcionamento integral da comunidade terrestre. O Produto Interno Bruto não pode ser feito à custa do Produto Terrestre Bruto. Aqui está o nosso pecado original.

    Esquecemos que estamos dentro de um processo único e universal – a cosmogênese – diverso, complexo e ascendente. Das energias primordiais chegamos à matéria, da matéria à vida e da vida à consciência e da consciência à mundialização. O ser humano é a parte consciente e inteligente deste processo. É um evento acontecido no universo, em nossa galáxia, em nosso sistema solar, em nosso Planeta e nos nossos dias.

    A premissa central do Ecozóico é entender o universo enquanto conjunto das redes de relações de todos com todos. Nós humanos, somos essencialmente, seres de intrincadíssimas relações. E entender a Terra com um superorganismo vivo que se autoregula e que continuamente se renova. Dada a investida produtivista e consumista dos humanos, este organismo está ficando doente e incapaz de “digerir” todos os elementos tóxicos que produzimos nos últimos séculos. Pelo fato de ser um organismo, não pode sobreviver em fragmentos mas na sua integralidade. Nosso desafio atual é manter a integridade e a vitalidade da Terra. O bem-estar da Terra é o nosso bem-estar.

    Leonardo Boff

    Na minha opinião o Vittorio Medioli tem uma persepção maior que a tua !

  3. Ótimo texto. Parabéns! Gostei, sobretudo, da primeira metade. O sr. Almério Nunes não gostou. Mas tudo bem. Cada um tem a sua opinião. Tristes são àqueles que não sonham. Afinal, “quem não sonha com o azul do vôo, perde o seu poder de pássaro”.

  4. Pingback: O verdadeiro sentido da vida | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *