Obama organiza os cães da guerra contra a Síria

MK Bhadrakumar (Strategic Culture)

A cortina de fumaça que envolvia a visita do presidente Obama a Israel afinal foi dissipada. Afinal de contas, ninguém engoliu a tese de que não passaria de visita rápida, de amigo saudoso, para fazer reaquecer a velha chama, bastante chocha, entre Obama e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e que só isso arrastaria o presidente dos EUA para o Oriente Médio, em rara excursão transoceânica.

Os senhores da guerra

A revelação surgiu, dramática, no último instante da visita e Obama, quando o presidente dos EUA preparava-se para embarcar no avião presidencial no aeroporto de Telavive, na 6ª-feira. Bem ali, na pista, num trailer improvisado, ele telefonou para o primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan e, depois de rápida troca de piadinhas, estendeu o telefone a Netanyahu, que fez ali o que até então se recusara firmemente a fazer ao longo dos últimos dois anos: pediu desculpas oficiais à Turquia pelo assassinato de nove cidadãos turcos, em 2010, quando viajavam em flotilha em missão humanitária para ajudar os sempre maltratados palestinos no enclave de Gaza.

O incidente de Gaza agrediu as relações turco-israelenses, e as coisas degeneraram rapidamente quando Telavive recusou-se terminantemente a pedir desculpas formais e a pagar uma indenização, como Ancara exigia.

PEDINDO DESCULPAS

Foi provavelmente a primeira vez em toda sua história diplomática, que Israel, que zela atentamente por sua imagem de “machão”, ajoelhou e pediu desculpas nacionais a país estrangeiro por pecados cometidos. O problema foi que, sem a Turquia, Israel ficava cercada e absolutamente sem ajuda possível na região, reduzida ao papel de mera espectadora numa conjuntura histórica em que a região vive em torvelinho e passa por um levante.

A aliança com a Turquia é vital para que Israel consiga salvaguardar seus principais interesses. Na declaração em que festejou a reconciliação Israel-Turquia, o secretário de Estado de Israel disse claramente que esse desenvolvimento “auxiliará Israel a enfrentar os muitos desafios que enfrenta na região” e que a plena normalização de relações entre os dois países permitirá que ambos “trabalhem juntos para promover seus interesses comuns”.

A conversa telefônica no aeroporto de Telavive não aconteceu de repente. Em história dos bastidores e antecedentes, o veterano editor turco Murat Yetkin, comentarista muito bem informado que escreve de Ancara, revelou que, segundo “fontes de alto escalão”, Washington havia construído uma aproximação com Ancara há poucas semanas, com a conversa de que Obama desejava construir uma reaproximação entre Erdogan e Netanyahu e que gostaria de fazer da visita a Israel uma missão de mediação. Yetkin escreveu:

Tendo Ancara garantido que aceitaria os bons serviços dos EUA para acertar-se com Israel, desde que houvesse um pedido de desculpas, a diplomacia começou. Antes de Obama iniciar a visita, dia 20/3, já havia rascunhos dos termos de um possível acordo, que voavam para lá e para cá, entre Ancara e Jerusalém, sob os auspícios da diplomacia norte-americana.

SINAIS EVIDENTES

A grande questão é saber por que a normalização entre Turquia e Israel tornou-se tão terrivelmente importante para Obama, que já tem problemas suficientes com que se preocupar em tantas áreas – e também por que seria também tão importante para Erdogan e Netanyahu? A resposta deve ser buscada no depoimento dado pelo comandante do Comando Europeu dos EUA e alto comandante militar da OTAN James Stavridis, à Comissão das Forças Armadas do Senado dos EUA, na véspera da partida de Obama, de Washington para Israel.

Stavridis insistiu, frente aos políticos norte-americanos, que postura mais agressiva dos EUA e aliados poderia ajudar a quebrar o impasse que se vê na Síria. Nas palavras dele, “Minha opinião pessoal é que ajudaria muito a quebrar o impasse e a derrubar o governo sírio.”

O influente senador John McCain interrogou Stavridis sobre o possível papel da OTAN numa intervenção na Síria. Stavridis respondeu que a OTAN prepara-se para várias contingências. “Nós [OTAN] consideramos amplo espectro de operações e estamos preparados se for preciso agir, como estávamos preparados para agir na Síria” – disse ele.

Stavridis explicou que os mísseis Patriot da OTAN, hoje instalados na Turquia, à primeira vista para ajudar a defender o espaço aéreo turco, têm capacidade para atacar também a força aérea síria naquele país, e que operação desse tipo, pela OTAN, seria “poderoso desincentivo” para o regime sírio.

Vêm por aí tempos sem dúvida muito turbulentos para o Oriente Médio, e a visita de Obama a Israel ainda será vista, em retrospecto, como um dos momentos definitórios de sua presidência, quando abandonou decisiva e abertamente qualquer resto que ainda existisse das pretensões de se fazer ver como pacifista. Na verdade, Obama pode ter certeza de que sua missão em Israel foi unanimemente aplaudida no Congresso, o que terá efeitos positivos também para sua agenda doméstica. Também aí Netanyahu pode ajudar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Obama organiza os cães da guerra contra a Síria

  1. Obama está desesperado em bombardear a Síria, para apagar os vestígios das Armas Químicas, que ele deu aos seus amigos Terroristas muçulmanos, espalharem entre o povo, para incriminar o Governo Sírio, e finalmente conseguir que seja implantado o ISLAMISMO RADICAL, na Síria.
    Ora, não é OBAMA que envia armamentos e dinheiro para os Terroristas, na Síria?
    Não foi Obama que entregou um Drone para que os iraquianos o pudessem copiar, sob alegação que caiu no IRÃ?
    Obama, monitora os telefonemas no mundo inteiro, sob alegação que é para combater o Terrorismo.
    Se realmente quisesse combater o Terrorismo, monitoraria os telefonemas de muçulmanos, que são Terroristas, e não dos europeus e asiáticos!!!
    Alega que combate Terrorismo, no entanto, deixou que os irmãos chechenos, praticassem Terrorismo na maratona de Boston, embora tivesse sido avisado pelo Serviço de Inteligência Russa, que eram perigosos, e cuja mãe deles estava fichada no FBI, como Terrorista.
    OBAMA alegou ter mandado matar OSAMA BIN LADEN, e nada foi provado. O interessante é que os enviados para o Oriente Médio, e que participaram da FARSA, num total de 24 (vinte e quatro), e dos quais 20 (vinte) já estão mortos, numa verdadeira ‘QUEIMA DE ARQUIVO”.
    A única realidade crua e nua é que OBAMA é aliado dos Terroristas muçulmanos, e lhes passa todas as informações necessárias sobre tudo que acontece no Ocidente, no que se refere ao combate ao Terrorismo, através de escutas de telefonemas e internet, para que possa avisar em tempo, seus amigos Terroristas muçulmanos, se alguma preparação para um atentado Terrorista, já foi descoberta, para os advertir. Quando os verdadeiros combatentes ao Terrorismo nada descobrem, o atentado é realizado.
    Se não tivesse essa intenção, não precisaria monitorar telefonemas dos Ocidentais e Orientais, porque eles não enviam Terroristas para matar em outros países, como os muçulmanos!
    Em meio a um discurso do OBAMA, lhe escapou: “FUI PREPARADO POR ANOS, PARA SER PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA”. A nítida impressão que se tem, é que foi preparado por Terroristas muçulmanos. E se aproveitando de atual tecnologia usada por NSA, PRISM E VERIZON, incluindo os Drones, está sabotando o mundo civilizado, sob alegação que combate o Terrorismo, porém OBAMA, na verdade combate a civilização ocidental e oriental, em prol dos Terroristas muçulmanos!
    A Europa e os países civilizados não podem e nem devem aceitar qualquer ajuda desse “infiltrado” na presidência americana, o OBAMA, que se faz passar por um simples mulato e cristão, e cuja verdadeira identidade e religião continuam uma incógnita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *