Objetos de desejo têm vida curta na lógica capitalista

Lobo Pasolini

Não é preciso estar muito atento à mecânica interna do capitalismo e consumismo acelerado para notar que tudo o que compramos rapidamente se torna velho. Essa obsolescência planejada é embutida no design de produtos e faz parte da estratégia de negócio das empresas de vários setores. Um smartphone lançado hoje se tornará um produto praticamente jurássico, tanto física quanto simbolicamente, no ano que vem.

De fato, quando se trata de eletrônicos, esse processo é particularmente rápido porque essa é uma indústria que investe muito em pesquisa e precisa de retorno constante, além de ter criado expectativas muito altas em seu público. O mundo da moda oferece outro exemplo clássico, com as coleções estacionais que perdem o atrativo quando uma nova coleção é lançada.

Com o advento da chamada fast-fashion, moda barata que copia grifes e é vendida a preço de banana no primeiro mundo em lojas que dominam o imaginário juvenil, o ciclo de utilidade e desejabilidade das roupas ficou ainda mais curto. Como consequência, a quantidade de tecido em lixões aumentou consideravelmente.

LUXO E LIXO

E é aí que está o problema. Enquanto o aspecto de inovação é estimulante, o que não é considerado pelas empresas que somente visam ao lucro é a quantidade de lixo que isso gera. Veja o caso das lâmpadas que Thomas Edison inventou. Algumas das originais de mais de cem anos atrás ainda brilham em museus, mas em geral elas não duram mais que dois anos. Produtos obsoletos são, em sua grande parte, produtos jogados fora no lixo.

Como consumidores, ficamos refém dessa lógica perversa em que tudo é praticamente descartável. Algumas empresas hoje em dia incorporaram componentes reciclados em seus produtos, mas ainda assim cada novo item requer eletricidade, água, combustível, papel etc. para ser manufaturado e chegar até o consumidor.

O que nos resta fazer, como sempre, é optar pelo minimalismo e pela qualidade. Comprar aquilo que for necessário, de boa qualidade e tentar esticar a vida útil de cada produto que adquirimos. Eu acredito que essa seja única coisa que cidadãos ocupados com o seu dia a dia estressante no mundo conectado pode fazer. O importante é fazer algo, é saber que essa obsolescência planejada não é algo inevitável, natural. Muito pelo contrário.

Ela é central para perpetuar o ciclo de consumo, a máquina que não para de roer o planeta e cuspir produtos fascinantes, mas, em sua grande parte, completamente supérfluos. (transcrito de O Tempo)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

8 thoughts on “Objetos de desejo têm vida curta na lógica capitalista

  1. O texto acima é conversa fiada, burla.
    O mais importante “bem” a vida, a expectativa de vida, simplesmente duplicou com o advento do capitalismo.
    Tenho óculos Ray Ban com de 30 anos de idade. Tenho uma pequena Rolley Flex que tem mais de 20 anos, e ainda funciona bem.
    O capitalismo simplesmente permitiu que as massas tivessem acesso aos bens e serviços que só os membros da Sociedade de Status possuíam.
    Qualquer pessoa, nos dias de hoje, pode ter um computador, conversar com qualquer um, no Japão, na China, on line.
    As viagens internacionais ficaram baratas, a cultura é acessível a todos.
    É claro que tudo não pode ser acessível a todos.
    Só em Passargada, ou nos sonhos.

  2. Discordamos que: “grande parte dos Produtos atuais, sejam completamente supérfluos”. Concordamos que: devemos “Comprar aquilo que for necessário, de boa qualidade e tentar esticar a vida útil de cada Produto que adquirimos”. A isso os Economistas chamam de “Maximizar nossos Recursos”. Quando todos, Empresas e Consumidores maximizam seus Recursos, temos o melhor dos mundos: Abundância com preços baratos. Como bem diz acima o Sr. MÁRIO LEME, o Capitalismo de Mercados BEM REGULADO, é o menos pior dos Sistemas Produtivos. É verdade que o Capitalismo não garante Pleno Emprego e Distribuição Justa de Riqueza/Renda, mas para isso temos a REGULAGEM. Abrs.

  3. Sr. Bortolotto:
    Não sou economista, mas me interesso fortemente pelo tema.
    Tenho alguns livros dos autores Thomas Sowell, Mises, Hayek, Samuelson, entre outros. Gosto deste assunto, pois realmente é interessante.
    Comprei ultimamente um livrinho muito interessante chamado “O livro da Economia”, da GLOBO LIVROS,bem ilustrado, este livro é uma versão do original inglês: The Economics Book.O Sr. deve conhecer.
    Sr. Bortolotto, com todo o meu respeito, o Sr. sempre esbanja elegância, educação, em suas observações, em seus comentários neste Blog. Infelizmente não o conheço, mas tenho a certeza que o Sr. deve ser uma daquelas pessoas que cativa a todos, por suas qualidades humanas, morais. Conheço os homens com poucas informações, pois sou intuitivo.
    Sou defensor das liberdades, ainda que a Liberdade total não exista. Defendo o direito de escolhas, defendo a liberdade de errar, que é fundamental, e “vivo e deixo viver”.
    Saudações.

  4. Sr. Claudio Segala:
    Não me incluo na sua classificação pejorativa: “intelectualidade com antolhos”. Quem usa antolhos são os asnos, jumentos.
    Posso provar a você e a qualquer um, que a expectativa de vida humana duplicou com o capitalismo, e não existe benefício maior do que este.
    Isto não é dogma Sr. Segala, é fato, mensurável.
    Mesmo que o Sr. não queira.

  5. Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra. (consumismo)

    Para aqueles que não vivem a realidade fica difícil entender porque num lixão de países capitalista tem bilhões de dólares em materiais ainda usáveis, devido ao consumismo geral. Tirando os problemas de contaminação muita gente sobrevive com isso.

    Estamos falando daquilo que se joga fora e ainda é bom para uso.
    E o que as pessoas repassam para os mais pobres antes de jogar no lixo? Bilhões de dólares.
    Tudo isso graças ao consumismo, que faz com sobre e não falte como em Cuba, por exemplo.

    Por essa e outras, a não ser o pessoal do poder, que usufrui de seus prazeres, como Fidel em Cuba, que tem casa , piscina e come do bom e do melhor, o resto quer sair daquele presídio e ir para algum lugar onde possa ser tão feliz mais feliz como pinto no lixo.

    PS. Eu mesmo já catei uma coisa ou outra, como uma cadeira com pequeno defeito, em lixo de rua.

  6. Hoje mesmo dei 2 monitores de tubo e um computador XP para uma conhecida de poucos recursos, que irá para os filhos dela. Tudo funcionando muito bem.

    Enfim, não haverá desperdício enquanto mesmo se se produzir em excesso. E essa tal obsolescência, na prática não é assim como o articulista acha.

    Há mais por aí pela vida afora do que imagina a vã filosofia de quem vive na teoria.

  7. Prezado Sr. MÁRIO LEME, obrigado pelas palavras elogiosas. Também admiro a maneira incisiva como o senhor defende as ideias da Escola Austríaca de Economia. Mas lembremos que a Teoria Econômica da Escola Austríaca não foi suficiente para tirar o mundo da terrível crise Econômica de 1929, e só com Lord KEYNES e sua Macro-Economia, o mundo superou o Desemprego. Sei que o senhor vai dizer que Lord KEYNES superou o Desemprego com LIBERDADE, pois o Comunismo/Fascismo/Nazismo também eliminaram o Desemprego, mas suprimindo a LIBERDADE, mas Lord KEYNES nos legou a Inflação, e assim é a vida, resolvemos um problema e aparece outro. Mas para mim o Desemprego é bem pior que a Inflação. E se a Teoria KEYNESIANA for aplicada corretamente gerará bem pouca Inflação de Preços. O problema é que não existe Solução Perfeita, e por isso a Economia Política é tão fascinante. Abrs.

    Prezado Sr. CLAUDIO SEGALA, pelo que entendi, o Autor Sr. PASOLINI prega o MINIMALISMO. Significa vivermos com o mínimo dos mínimos necessário. Isso levado muito longe, eliminaria o LUCRO, motor do Emprego, e nos transformaria em uma multidão de Desempregados/Esfaimados à disputa por algum peixe/fruta silvestre/raízes. É lógico que estou exagerando um pouco, mas é que geralmente esses MINIMALISTAS moram em mansões, usam carrões V-12, e se abastecem nos maiores super-mercados. Eu ainda me lembro quando diziam: O dia que a China tiver o Padrão de Vida do Ocidente necessitar-se-á 4 Planetas Terra. A China está prosperando, também a Índia e o resto do Oriente, e temos ainda muito Recurso Natural sobrando. Outros falam da escassez de água. Ora com os Oceanos cobrindo mais de 75% da superfície terrestre, como vai faltar água! Vai custar um pouco mais caro, como em Israel, por causa da desalinização, mas não vai faltar. A economia, o uso racional das coisas, a reciclagem, tudo bem, mas MINIMALISMO, podes crer, NÃO CONVÉM. Abrs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *