“Obstrução da Justiça feita por Lula está comprovada sete vezes”, diz Janot

Charge do Edra (chargesdoedra.blogspot.com)

André de Souza
O Globo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou sete fatos que, na sua avaliação, demonstram a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Segundo Janot, foram seis reuniões no Instituto Lula, em São Paulo, entre o ex-presidente e o ex-senador Delcídio Amaral, réu no mesmo processo. Outro fato a que ele faz referência são os telefonemas trocados com o pecuarista José Carlos Bumlai, em maio do ano passado. Lula, Delcídio, Bumlai e outras quatro pessoas são réus num processo que investiga se eles tentaram obstruir as investigações da Operação Lava-Jato, que apura principalmente corrupção em contratos da Petrobras.

A primeira reunião do ex-presidente com Delcídio ocorreu em 8 de abril de 2015, quando, de acordo com o procurador-geral, Lula “exortou à adoção de medidas para a compra do silêncio de Nestor Cerveró, de forma a que este não celebrasse acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal ou, ao menos, que ocultasse fatos que pudessem relacionar as pessoas de Lula e José Carlos Bumlai às condutas criminosas praticadas no âmbito da citada organização criminosa, de que tinha ciência”.

Seguiram-se reuniões em 16 de abril, 30 de abril, 8 de maio, 19 de junho e 31 de agosto. Segundo Janot, sempre com o mesmo objetivo: impedir que Cerveró falasse. Nas duas últimas reuniões, o procurador-geral disse que eles também se encontraram para “acompanhar o andamento das negociações e pagamentos”.

JUNTO Á FAMÍLIA – Ainda de acordo com Janot, em 8 de maio o ex-presidente determinou que Delcídio “intercedesse junto à família Bumlai para operacionalizar mecanismos de obstrução da Operação Lava-Jato”. O procurador também menciona os oito telefonemas entre Lula e Bumlai no período que vai de 8 a 22 de maio de 2015, data em que houve o primeiro pagamento à família Cerveró, no valor de R$ 50 mil. Nesse intervalo de tempo, Janot registra que Lula “efetuou, pelo menos, oito conversações telefônicas com José Carlos Bumlai, nas quais ajustou a compra do silêncio de Nestor Cerveró”. O ex-diretor da Petrobras viria a firmar o acordo de delação premiada, mas, enquanto ficou calado, recebeu R$ 250 mil por intermédio da família de Bumlai, amigo de Lula.

A denúncia de Janot contra Lula, Bumlai e seu filho Maurício Bumlai foi feita em 28 de abril deste ano. Antes disso, em dezembro, ele havia denunciado Delcídio, seu ex-assessor Diogo Ferreira, o banqueiro André Esteves e o advogado Edson Ribeiro, que já defendeu Cerveró. Nesse intervalo de tempo, Delcídio e Diogo decidiram também colaborar com as investigações, fornecendo mais elementos de prova para Janot.

SEM FORO PRIVILEGIADO – O caso começou no Supremo Tribunal Federal (STF), onde Janot fez a denúncia. Com a cassação do mandato de senador de Delcídio, em maio deste ano, ele perdeu o foro privilegiado e a investigação foi enviada para a Justiça Federal de Brasília. Em 21 de julho, o procurador da República Ivan Cláudio Marx reiterou a denúncia de Janot. Na semana passada, o juiz federal Ricardo Leite a aceitou, e os sete investigados passaram a ser réus.

Em depoimento prestado em 7 de abril deste ano na sede da Procuradoria-Geral da República (PGR), em Brasília, Lula negou ter participado da trama ou mesmo de ter conhecimento de pagamentos a Cerveró para comprar seu silêncio. Na denúncia, Janot rebateu os argumentos do ex-presidente, dizendo que “tais negativas são infirmadas (enfraquecidas) por sólidos elementos de convicção”.

Janot diz, por exemplo, que a quebra do sigilo bancário de José Carlos e Maurício Bumlai mostra que eles sacaram valores na mesma data ou apenas um pouco antes dos dias em que há relato de entrega de dinheiro à família de Cerveró. Além disso, mensagens trocadas por meio de celular mostram Maurício e Diogo Ferreira combinando entrega de dinheiro. Já os encontros entre Lula e Delcídio, na avaliação de Janot, são comprovados por outros documentos, como a quebra do sigilo de e-mails de funcionários do Instituto Lula.

FORMAÇÃO DE QUADRILHA – “Por fim, ocupando papel central, determinando e dirigindo a atividade criminosa praticada por Delcídio do Amaral, André Santos Esteves, Edson de Siqueira Ribeiro, Diogo Ferreira Rodrigues, José Carlos Costa Marques Bumlai e Maurício de Barros Bumlai, (…) Luiz Inácio Lula da Silva impediu e/ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa”, conclui Janot.

As delações de Delcídio e Diogo foram destacadas por Janot. Em depoimento no dia 30 de março, Diogo contou, por exemplo, que parte do dinheiro usado para comprar o silêncio de Cerveró foi entregue dentro de uma caixa de sapato e de uma caixa de vinho. Em relação ao ex-senador, Janot diz que “a riqueza de detalhes dos fatos narrados pelo colaborador Delcídio, pessoa que ocupava posição privilegiada dentro da estrutura da organização criminosa, traz fidedignidade ao seu relato”.

Na reiteração da denúncia, em 21 de julho deste ano, o procurador da República Ivan Cláudio Marx diz que é óbvio que Delcídio, como representante do governo no Senado, não era o chefe do esquema criminoso.

ACUSAÇÃO A LULA – Em seguida destaca que o próprio ex-senador apontou Lula como sendo o “chefe da empreitada”, embora evite corroborar explicitamente essa conclusão. Uma vez frustrada a tentativa de barrar a delação de Cerveró, Marx diz que há indícios de que “Lula atuou diretamente com o objetivo de interferir no trabalho do Poder Judiciário, do Ministério Público e do Ministério da Justiça, seja no âmbito da Justiça de São Paulo, seja no Supremo Tribunal Federal ou mesmo da Procuradoria-Geral da República”.

Na semana passada, quando a denúncia foi aceita na Justiça Federal, Lula negou as acusações. A defesa de Bumlai informou que vai provar que o empresário jamais deu dinheiro a Cerveró ou sua família para obstruir a Justiça. Também por meio de nota, o advogado de André Esteves, Sepúlveda Pertence, disse não haver justa causa para abrir processo penal “em bases tão fracas”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGAntes de se tornar réu sob acusação de ter tentado sabotar a Lava Jato, Lula prestou depoimento à Procuradoria-Geral da República e confirmou que teve conversas com Delcídio sobre os desdobramentos do esquema de corrupção da Petrobras. Segundo Lula, o ex-senador estava “preocupado com as pessoas que estavam presas por ser amigo delas”, como o ex-diretor da estatal Nestor Cerveró. (C.N.)

18 thoughts on ““Obstrução da Justiça feita por Lula está comprovada sete vezes”, diz Janot

  1. Lamentável! Lula – de quem jamais gostei – não soube lidar com o sucesso, ou com a sorte que estava ao seu lado, e por isto deu no que deu. Cada vez mais quis ficar rico, a qualquer custo! Quantos vieram como ele – num Pau de Arara – e não tiveram tanta sorte e nem por isto cometeram atos ilícitos! Lamentável!

  2. A PERFORMANCE DE LULA NO GOVERNO É O SONHO DE CONSUMO DOS GOLPISTA$. O que vocês querem ser amanhã, golpista$ ? O Lula. Fala serio, Renato Russo, que país é este ? Pelo menos uma coisa é certa: do terror da copa do mundo de 2014, que levou o Brasil à derrota humilhante de 7 X 1 para a Alemanha, a Olimpíada está salva. E a razão é muito simples e palpável: a oposicão do nefasto ” quanto pior, melhor”, agora é o próprio governo que gerou tudo aquilo. Agora protegido por uma lei anti-terrorísmo que eles mesmos geraram, prevenindo-se contra possível reciprocidade da situação apunhalada pelas costas pelo próprio irmão bandido. E agora, por culpa dos idiotas que queriam e pugnaram pelo ” quanto pior, melhor”, que trocaram o ruim pelo pior, inclusive à base de golpe, forçação de barra levada ao extremo da indecência e da imoralidade política, somos todos obrigados a chupar o picolé que aí está e que é de jiló, pior do que o picolé de chuchu de SP. Agora está de fato do jeito que o diabo gosta: picolé de chuchu em SP e picolé de Jiló em Brasília. Fodeu geral. http://www.brasil247.com/pt/247/economia/247116/Moreira-Franco-diz-que-o-que-est%C3%A1-ruim-ainda-vai-piorar.htm

    • Dr. Jonot me parece o mais antenado e o mais coerente de todos o PGRs da república 171, que, infelizmente, continua extremamente corrupta, com a governabilidade cada vez mais fisiológica e mensaleira. E enquanto Godot não chega o Dr. Jonot vai dando o seu alô.

  3. Delcídio quis tomar grana de Lula e Blumai para comprar o silêncio de Cerveró em relação a ele Delcídio, que é um malandrão. Tem muita fumaça e pouco fogo nessa história. O que prova verdadeiramente é o dinheiro. A quem foi entregue o dinheiro dado por Bumlai? Ao filho de Cerveró não foi, a Cerveró também não foi. Está muito enrolada essa história. Janot tem muitas razões de querer vingar-se de Lula. Depois de Lula em telefonema dizer que Janot devia tomar no “c” e não ser nomeado procurador, não pode esperar outra coisa. Janot estava na espera para dar o troco. Até o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence diz não haver justa causa para abrir processo. Alguém se propõe a contestá-lo? Acho que tem muito fanatismo na cabeça das pessoas. Ou falta-lhes serenidade.

  4. Bateu o desespero total nos petistas ! Agora um ‘grande jornalista’ divulgou a foto da Fernanda Tedeschi, a cunhada mais nova do Frankstemer nua, em um ensaio deito para a Playboy….

  5. Foi só o CN declarar, “discutam mas não briguem”,
    que o “pau” começou a comer solto.
    Rapazes, quem vive de passado é museu. Lula, Dilma e PT, já são coisas passadas, agora é rezar para a tese do Tiririca funcionar, porque se piorar,
    não sei onde vamos parar.
    Que o senado hoje e dia 29, não falte ao Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *