Odebrecht diz que fez a obra no sítio e Bumlai pagou tudo

Bumlai é acusado pela Odebrecht

Flávio Ferreira e Bela Megale
Folha

A empreiteira Odebrecht admitiu sua ligação com as obras no sítio em Atibaia (SP) frequentado pela família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reforma foi realizada no fim de 2010, quando Lula ainda exercia seu segundo mandato. Em nota divulgada nesta quarta-feira (23), a construtora disse que fez uma apuração interna e que confirmou que seu engenheiro Frederico Barbosa atuou na propriedade rural em atendimento a um pedido de um superior hierárquico da empresa.

Segundo a empreiteira, Barbosa “realizou acompanhamento técnico de obras” e “apoiou a mobilização de pessoas envolvidas na execução dos serviços, que foram remuneradas pelo responsável pela obra”.

Procurada pela reportagem, a Odebrecht não informou o nome do responsável pela obra nem quem teria feito o pedido a Barbosa. De acordo com a companhia, Barbosa trabalhou na obra da segunda quinzena de dezembro de 2010 a meados de janeiro de 2011.

O engenheiro ficou conhecido nacionalmente após coordenar a construção do estádio de futebol do Corinthians em Itaquera, na zona leste da capital.

NOVA “VERSÃO”

Com a manifestação desta quarta, a construtora mudou sua versão sobre o sítio. No fim de janeiro, a Odebrecht havia afirmado à Folha não ter identificado “relação da empresa com a obra”.

Em depoimento prestado a procuradores da Lava Jato na segunda-feira (21), Barbosa também mudou versão dada à reportagem de que havia trabalhado nas férias, gratuitamente, para ajudar a um amigo. No testemunho do início da semana, ele admitiu ter atuado a pedido de um chefe da Odebrecht.

A empreiteira ressalvou, porém, que não “custeou de qualquer modo insumos ou materiais utilizados” e nem foi remunerada pelos serviços prestados no imóvel.

Esse posicionamento diverge das afirmações feitas à Folha por Patrícia Fabiana Melo Nunes, ex-dona da loja de materiais de construção de Atibaia que forneceu produtos para as obras no sítio.

Segundo Nunes, a Odebrecht bancou parte das obras, que consumiram cerca de R$ 500 mil só em materiais. Os produtos foram pagos com dinheiro em espécie por um homem que carregava os valores em envelopes dentro de uma mala, de acordo com Nunes.

Após a publicação das entrevistas no fim de janeiro, a força-tarefa da operação Lava Jato passou a investigar a ligação da Odebrecht com os trabalhos no sítio.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Lembrando Noel Rosa e Vadico, podemos perguntar: “Pra que mentir?”. O pior é que as mentiras da Odebrecht parecem continuar. Quer dizer que ela mandou o consagrado engenheiro fazer a obra, mas não pagou material nem os operários? A prestimosa empresa, porém, confessa que “apoiou a mobilização de pessoas envolvidas na execução dos serviços”, um eufemismo para admitir que, além do engenheiro, forneceu também mestre de obra e os operários. E diz que tudo isso foi pago pelo “responsável pelas obras”, cujo nome, todos sabem, é José Carlos Bumlai. Você acredita nessa história? É claro que a força-tarefa vai conferir com o Bumlai. (C.N.)

8 thoughts on “Odebrecht diz que fez a obra no sítio e Bumlai pagou tudo

  1. (…)… A ex-dona de um depósito de material de construção no interior de São Paulo disse que a construtora Odebrecht, uma das investigadas na Operação Lava Jato, pagou os itens usados na reforma de um sítio no interior de São Paulo usado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por parentes dele.
    As obras teriam começado em 2010, quando Lula ainda era presidente da República. O sítio fica no meio de uma mata, em Atibaia, interior de São Paulo. Tem mais de 170 mil metros quadrados, piscina e até um lago.
    (…)…Material de construção
    A equipe da TV Globo conversou com Patrícia Nunes, mulher do dono da loja de construção que forneceu material para a obra no sítio. Ela disse que a obra foi acelerada.
    “Eu me lembro do fim da obra, que eles aceleraram muito a a partir de 15 de dezembro. Como eu falei, a gente só entregou para eles. Eles tinham equipes trabalhando em turnos de 24 horas e acelerou muito, e aí eu me lembro que acabou no dia 15 de janeiro”, afirmou.
    Segundo o jornal “Folha de S.Paulo”, que publicou reportagem sobre o assunto na edição desta sexta-feira, ela também disse que a obra custou R$ 500 mil e dotou o sítio de quatro suítes e área de lazer com churrasqueira.
    De acordo com Patricia Nunes, os trabalhos no sítio foram coordenados pelo engenheiro da Odebrecht Frederico Barbosa, que cuidou da construção do estádio do Corinthians.
    “O Frederico chegou, a gente fez um cadastro em nome do CNPJ que ele deu, que até então, para a gente, era Odebrecht. E aí ele começou a pedir material”, afirmou.
    Em nota, o engenheiro disse que foi procurado por um amigo para realizar a reforma de uma residência no município de Atibaia e que apoiou a obra durante período de recesso. “Nunca dei orientações sobre emissões de notas fiscais pela loja mencionada nem realizei tais pagamentos”, afirmou na nota.
    Patricia Nunes disse que quem pagava as contas do material de construção era outra pessoa. “Era um senhor que eu não me lembro o nome. Mas ele era calvo, grisalho, gordinho. Eu não me lembro o nome dele, ele vinha só para fazer pagamento”, declarou.
    – “Quanto ele pagava para você por semana?
    – “Mais ou menos R$ 70 a 90 mil
    – “Mil reais?
    – “É”
    – “Por semana?”
    – “Por semana”
    – “Em dinheiro vivo?”
    – “Em dinheiro vivo”

    ( G 1 – 29/01/2016 ) .

  2. Mariel de Pimentel
    Brasil 25.02.16 10:01
    O Antagonista recebeu um relatório da PF sobre os documentos apreendidos com o operador de Fernando Pimentel, o Bené.
    Um bilhete manuscrito dizia:
    “Mouriel 150.000,00 em aberto”.
    E em seguida:
    “Flavio H 80.000X2”.
    A PF suspeita que se trate de uma “referência a pagamentos em aberto pelo porto de Mariel, em Cuba”.
    O porto de Mariel foi feito pela Odebrecht, com dinheiro do BNDES.
    Quem mandava no BNDES?
    Fernando Pimentel.
    —————————————————————–

    Lula e Fernando Pimentel em Mariel
    Brasil 25.02.16 09:55
    Releia este post de outubro do ano passado:
    Lula, informa O Globo, admitiu ao Ministério Público que “pode ter entregue ao então ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel uma carta de Cuba pedindo um financiamento do BNDES.
    A carta mencionada teria sido entregue a Lula pelo ministro do Comércio Exterior de Cuba, Rodrigo Mamierca, em 1º de junho de 2011, e pedia financiamento do BNDES para pequenos produtores cubanos”.
    Lula disse imaginar que “a Odebrecht, que bancou sua viagem, tivesse interesse em investir em usinas de etanol em Cuba, mas que não tinha conhecimento de pedido específico de financiamento do BNDES para o setor sucroalcooleiro daquele país”.
    Lula é uma mistura de Bené, o lobista que encaminhava a Fernando Pimentel os pedidos das empresas ao BNDES, e Carolina Oliveira, a primeira dama de Minas Gerais cujas despesas erampagas pelas fornecedoras do PT.

  3. O Brasil é um país único no planeta. São centenas de escândalos de roubos declarados que surgem a cada dia e até hora, patrocinados e capitaneados por um partido de criminosos apoiado por outros partidos crivados de políticos criminosos ,tudo apodrecido e NADA ACONTECE. O que será do futuro de gerações de brasileiros POVO SEM VERGONHA e FROUXO QUE NADA FAZ ?????!!!!

    • Puxa, eu tenho um imóvel com o IPTU em meu nome e nunca nenhuma empreiteira o reformou de graça…. Na listas de reformas do PT, ainda tem o tríplex, a casa do Zé Dirceu em Vinhedo, cuja reforma custou R$ 1,8 milhões e o apartamento do irmão do Zé, na Rua Estado de Israel, Vila Mariana, que custou R$ 1 milhão…. PT o partido das reformas e da famílias….

  4. Essa história de empreiteiras assumindo totalmente obras de reformas (inclusive seus custos) em propriedades de petistas ou de seus apaniguados não tem desculpas esfarrapadas que expliquem: – pois é corrupção e ponto final.

    Eles pensam que enganam a quem com tantas lorotas???

    • 48 milhões de reais a JD na campanha de 2010
      Brasil 25.02.16 11:53
      O mesmo relatório da PF que tratou das “práticas criminosas” de Lula, tratou também dos pagamentos de propina da Odebrecht para José Dirceu.

      De acordo com O Globo, 48 milhões de reais foram repassados a José Dirceu: 10 milhões de reais em 2009 e 38 milhões de reais em 2010, ano eleitoral:

      “Já em 2010 temos novamente a sigla JD, de José Dirceu, atrelada ao valor total de R$ 38 milhões, dos quais R$ 8 milhões solicitados em abril e maio de 2010; R$ 20 milhões descritos com eventos em julho, agosto e setembro de 2010 – estando tal valor dividido em duas parcelas, uma de R$ 16 milhões e outra de R$ 4 milhões”.

      Pelas datas, constata-se que JD, ao sair da cadeia, virou um dos maiores arrecadadores do PT.

      Por isso ele mantinha tando poder dentro do partido.

  5. É do Perú….

    Cooperação do Peru com Lava Jato é parcial
    Brasil 25.02.16 12:49
    O departamento de cooperação internacional do Ministério da Justiça informou a Sérgio Moro que o pedido de cooperação com o Peru no inquérito contra José Dirceu foi cumprido apenas parcialmente.

    Moro solicitou hoje para que o MJ cobre da Autoridade Central do Peru “a remessa imediata de cópia do depoimento já prestado do ex-primeiro ministro Jorge del Castillo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *