Odebrecht queria impedir a cooperação com Suíça, mas Dilma sabia que era inútil

Resultado de imagem para odebrecht + suiça charges

Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

Renata Mariz
O Globo

A delação da empresária Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana, revelou que Marcelo Odebrecht insistiu com o casal para pedir a então presidente Dilma Rousseff que barrasse a cooperação jurídica do Brasil com a Suíça, por meio da qual os investigadores brasileiros conseguiram acesso a provas de propinas pagas pela empreiteira. No entanto, Dilma respondeu que “não poderia fazer nada sobre isso”, segundo Mônica.

Ela relatou na delação premiada que Santana resistia a abordar Dilma sobre o assunto porque ela já havia dito, em ocasiões anteriores, que qualquer tentativa de interferência nesse sentido era “inútil e politicamente arriscado”. No entanto, a própria Mônica teria relatado a preocupação da Odebrecht quando ouviu de Dilma que não faria nada a respeito do assunto.

DILMA E CARDOZO – Segundo Mônica, pouco antes de ser preso, em junho de 2015, Marcelo Odebrecht mandou seu motorista particular buscá-la para uma reunião na casa dele. Na conversa, Marcelo pediu a Mônica que convencesse João Santana a falar com Dilma sobre os riscos do acordo de cooperação entre o Brasil e a Suíça. O então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, também deveria ser acionado.

Em outra ocasião, um executivo da empresa, Ernesto Vieira Baiardi, voltou a soliticar a ajuda de Mônica no mesmo sentido. “Era visível o desespero de Marcelo e Ernesto quanto às provas que foram enviadas pela Suíça”, informa o documento com os principais pontos do relato de Mônica.

PAGAMENTOS NO EXTERIOR – Marcelo interpelou Mônica para saber também de detalhes de campanhas pagas no exterior. Ela disse que repassou informações genéricas e sugeriu que ele checasse com Hilberto Silva, Fernando Miggliaccio, André Rabello e Ernesto Baiardi, todos executivos da Odebrecht.

Apesar dos apelos, Santana “não se sentiu à vontade de tratar do tema com a presidente, inclusive porque ouvira comentários veementes dela, em ocasiões recentes, se negando a interferir neste tema, por ser ‘inútil e politicamente arriscado’. Monica Moura em uma ocasião transmitiu a preocupação da Odebrecht e os reiterados pedidos para que intervissem junto a presidente, contudo Dilma Rousseff disse que não poderia fazer nada sobre isso”, aponta o documento.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A estratégia da Odebrecht para evitar rastreamento do dinheiro sujo era pagar caixa 2 e propinas sempre em dinheiro vivo, aqui no Brasil, ou em depósitos nas contas no exterior. Dilma só se recusou a intervir porque Cardozo lhe informara que boicotar o acordo com a Suíça seria confissão de culpa. Além disso, os documentos das contas bancárias seriam enviados do mesmo jeito. A estratégia de Dilma e Cardozo, para evitar o impeachment, então passou a atribuir os “malfeitos” ao governo anterior e seguir em frente. Não foi nenhum ato de grandeza dela a posição de não querer atrapalhar o acordo com a Suíça. (C.N.)

One thought on “Odebrecht queria impedir a cooperação com Suíça, mas Dilma sabia que era inútil

  1. Daí a pergunta a ser feita ao conjunto da obra do partidarismo-eleitoral, o golpismo-ditatorial e a seus tentáculos, velhaco$, que perfazem o $istema político podre: isso é Política e Democracia ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *