ONU pede que países fora da Europa também acolham refugiados

É preciso lembrar por que essa tragédia está acontecendo

Deu na Agência EFE

Todos os países do mundo, inclusive os Estados Unidos e as nações latino-americanas, deveriam acolher refugiados sírios, segundo afirmou nesta terça-feira o enviado especial da ONU para Imigração e Desenvolvimento, Peter Sutherland.

O enviado do secretário-geral da Nações Unidas explicou que a situação de desespero dos sírios não deixa nenhuma dúvida necessidade imperante de que sejam amparados e pediu a todos os países do mundo que responda com pró-atividade.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG A ONU, na verdade, é uma instituição totalmente obsoleta. Embora ainda não se possa acabar com a excrescência chamada Conselho de Segurança e seu poder individual de veto, a ONU bem que poderia ter uma atuação mais ativa contra as guerras e em defesa dos refugiados. Os grandes responsáveis pela tragédia atual precisam ser nominados e responsabilizados, especialmente, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Itália, Canadá, França, Suécia, Arábia Saudita e outros países que apóiam as invasões dos marines e contribuem para o surgimento de um fenômeno aterrador chamado de Estado Islâmico. Se depender da ONU, os Estados fazem do mundo o que bem entenderem. (C.N.)

12 thoughts on “ONU pede que países fora da Europa também acolham refugiados

  1. O ocidente não entende os árabes e por consequência todo o assim chamado oriente médio. A OTAN instalou a anarquia no Iraque, Afeganistão, Líbia e quase Síria se não fosse a Russia, China e Irã um país chamado Síria teria se acabado.
    O ocidente tem por obrigação apoiar o presidente Assad.

  2. Estas cenas que vemos todos os dias são chocante. Estes infelizes estão morrendo ou passando por este sofrimento, por cuasa de interesses geopolítocos seja dos americanos e russos e seus seguidores. Se não apoassem governos ditadoriais o mundo estaria numa situação melhor e isto talvez não estivesse ocorrendo.

  3. Absolutamente de acordo, CN! O ISIS é fruto do estupro aos países cujos governantes ousaram ser independentes aos ditames de Washington. Quem mais matou inocentes deveria ser quem mais teria que acolher os refugiados.

  4. Nossa. Esses países são os responsáveis pelo poder conferido àqueles psicopatas do tal estado islâmico?
    E o ditador socialista? A guerra provocada pelos socialista-islâmicos é culpa do ocidente?
    Eu não cheguei até aqui para ler uma barbaridade dessa.

  5. Heitor de Paola: Fugitivos ou invasores?

    “No Ocidente, a burrice tem um passado glorioso e um futuro promissor”.
    (Parafraseando Roberto Campos).

    Muammar Qaddafi há três décadas dizia a um repórter que os muçulmanos iriam dominar a Europa novamente, porém, sem levantar uma arma. O repórter lhe perguntou como isso seria possível, tendo recebido como resposta o seguinte: “enviando muçulmanos para lá e aproveitando-se de suas leis”.

    E eu complemento: e de suas fraquezas lacrimejantes. Bastou a foto de um menininho morto jogado numa praia turca para desencadear um frêmito de solidariedade num Ocidente que cada dia que passa assassina milhões de crianças nos ventres maternos, ou até quando já estão fora dele. Solidariedade falsa, portanto.

    Qaddafi sabia disto, o “califa” al-Baghdadi sabe também, assim como Assad e os aiatolás. Eles matam centenas de milhares de cristãos, fazem reféns e os decapitam à vontade, e cadê a solidariedade ocidental? Nem o Papa, o chefe espiritual dos decapitados, condena com a mesma veemência com que defende que o Islam é uma “religião da paz”.

    Ninguém se pergunta por que os países ricos do Golfo, transbordantes de petróleo e moedas fortes, não se mostram solidários e aceitam os refugiados, teoricamente seus irmãos na “religião da paz”? Só os diabólicos infiéis, permanentes candidatos à submissão ou morte, devem se mostrar amorosos? Por que o “campeão do Cristianismo” Vladimir Putin, com população decrescente e espaço interminável, não se oferece para abriga-los?

    Serão tão perseguidos e esfaimados assim que portando smartphones e outras bugigangas eletrônicas, podem recusar comida só porque vem embalada pela Cruz Vermelha, esta Cruz que eles dizem odiar, mas à qual realmente temem por serem seus principais traidores? São como diz o velho ditado popular: “fogem, como o diabo foge da Cruz”.

    Depois da burrice ocidental, sob o comando consciente de Barack Hussein e seus asseclas, ter desencadeado e se regozijado com a abertura da Caixa de Pandora apelidada de “primavera árabe” – um verdadeiro inferno! – agora este mesmo inferno bate às portas da Europa numa invasão incruenta como planejara Qaddafi. Os europeus, inicialmente reconhecendo o perigo, tomavam medidas, mas se debulharam em lágrimas pela foto de Alan Kurdi. Esta foto em si mesma já seria um “case” – como se diz modernamente – para uma tese de doutorado sobre o uso do jornalismo desinformativo.

    Quem foi responsável pela morte de Alan Kurdi?

    Arthur Weinreb num instigante artigo investigativo (Who is really responsible for the death of 3-year-old Alan Kurdi) conclui: o único responsável por sua morte foi seu pai, Abdullah Kurdi.

    “A família Kurdi vivia há três anos da Turquia e, embora não seja o lugar ideal para curdos, estavam a salvo. Tinham uma casa e recebiam dinheiro de seus parentes no Canadá. Não estavam fugindo de nenhuma perseguição, eram migrantes econômicos esperando uma vida melhor na Europa Ocidental e na esperança de algum dia alcançarem o Canadá. É compreensível, mas um verdadeiro refugiado, sem mencionar um homem de verdade, empreenderia a perigosa jornada sozinho deixando sua família, incluindo duas crianças pequenas, a salvo na Turquia onde não sofria ameaça nem pressão alguma.
    Existem informações que Abdullah só queria chegar à Alemanha para desfrutar de um tratamento dentário particularmente caro e indisponível na Turquia.
    Não importam suas razões, ele nunca deveria ter pago a um contrabandista para levar sua família à Grécia num barco inadequado”.

    O que fazer?

    Como estas hordas já batem às portas da América e do Brasil, creio que as fronteiras devam ser fechadas – se ainda sobram FFAA no Brasil para isto, depois da devastação tucano-petista de seus meio bélicos. Na Europa, estava com razão o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán antes das reações lacrimejantes: podem passar, se quiserem ir para a Alemanha e França, países que ainda não purgaram – se é que um dia o farão – suas culpas pelo Holocausto. Que passem também para a tolerantíssima Escandinávia – tolerantes até verem suas famílias reais orando em mesquitas, e suas mulheres de burka. Putin, coronel da mais sangrenta divisão do KGB, também teria contas a prestar pelo Gulag, mas comunistas não reconhecem culpas, pois tudo fizeram pelo bem da humanidade, e não aceitarão reparar erros que não acreditam ter cometido.

    O ISIS tem proclamado que está inundando o Ocidente com seus combatentes. Seria rematada tolice não acreditar, já que a maioria dos invasores é constituída de homens jovens e fortes.

    Às favas as lágrimas de crocodilo do Ocidente!

  6. Bom dia,leitores(as).

    A ONU e uma entidade decadente,ja deveria se auto dissolver,nao cabe ao Governo do Brasil remediar ou resolver problemas de outros povos,pois nem os proprios problemas de seu POVO, ele e incapaz ou nao quer resolver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *