Oposição quer CPI para apurar uso do GSI e da Abin contra investigações em caso da “rachadinha” de Flávio

Defesa de Flávio se reuniu com Bolsonaro, Heleno e Ramagem

Julia Lindner
O Globo

Integrantes da oposição no Congresso querem investigar se o governo usou a estrutura de Inteligência de Estado para proteger familiares do presidente Jair Bolsonaro. Na visão deles, a prática poderia representar crime de responsabilidade. Parlamentares do PSB e da Rede também defendem o afastamento do ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e do diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem.

Conforme revelou a coluna de Guilherme Amado, da revista  Época, representantes da defesa de Flávio Bolsonaro se reuniram com Jair Bolsonaro, Heleno e Ramagem, em agosto, para expor uma tese que poderia derrubar o caso Fabrício Queiroz. Na ocasião, as advogadas pediram ajuda para encontrar provas que mostrem que Flávio foi vítima de uma organização criminosa dentro da Receita Federal.  

ALVO DE INVESTIGAÇÃO – Após a reportagem, os advogados do senador admitiram que apresentaram ao GSI as suspeitas de que o parlamentar teria sido alvo de uma investigação atípica por parte da Receita. O líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ), anunciou nesta sexta-feira, dia 23, que iniciou o processo de coleta assinaturas para instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apure se o GSI e a Abin atuaram para interferir em investigações do Ministério Público que envolvem o senador Flávio.

Para Molon, Bolsonaro não pode usar a força do cargo para ter acesso a dados sigilosos. “É um ataque à Constituição e às leis do país o presidente da República usar seu cargo público e as instituições de inteligência para tentar livrar seu filho de uma investigação criminal, conduzida pelo Ministério Público. Não é assunto de segurança familiar, mas de blindagem da família contra a aplicação da lei”, disse o deputado.

Enquanto isso, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que vai ingressar com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo afastamento de Heleno e Ramagem, além de uma ordem contra Bolsonaro para que ele se abstenha de fazer solicitações à Receita sobre o caso Queiroz.

USO POLÍTICO – “Esse caso revela o uso político das instituições da República para fins particulares e, o que é pior, para desviar e impedir uma investigação contra a corrupção”, afirmou Randolfe.

A oposição também pretende requerer a convocação de Heleno e do ministro da Economia, Paulo Guedes, para que prestem esclarecimentos ao Congresso. Também deverão ser solicitadas informações das duas pastas sobre o caso.

11 thoughts on “Oposição quer CPI para apurar uso do GSI e da Abin contra investigações em caso da “rachadinha” de Flávio

  1. WOOOOOOOOOOOOOOOOW

    Gabinete de Segurança Institucional se reunindo com a defesa de um senador pra discutir tese de defesa? Isso é atribuição do GSI?

    Lembram do André Mendonça impetrando HC pra aliados do governo, agindo como advogado de bolsonaristas?

    A República virou feudo dos aliados e parentes do Imbrochável?

    Alô, jumentinhos histéricos!

    Venham defender esta pocilga que vocês, por xucrice ou alienação da realidade, chamam de “Nova Era” ou “Nova Política”!

    Isto é combater o establishment?

    “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, os tempos mudaram!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”

      • EM TEMPO:

        Cuidado, Gadinho histérico!

        Quando se escamoteia a realidade pra defender esse ou aquele político vagabundo, haverá um ponto que não se poderá mais voltar atrás, seja porque o orgulho não o permite, seja porque se criou um mundo paralelo para si. Esse é o problema da era do pós-verdade: criam-se tantas narrativas mentirosa para sustentar uma posição, que perde-se contato com a realidade…..

        • Balada do Louco
          (Ney Matogrosso)

          Dizem que sou louco por pensar assim
          Se eu sou muito louco por eu ser feliz
          Mas louco é quem me diz
          E não é feliz, não é feliz

          Se eles são bonitos, sou Alain Delon
          Se eles são famosos, sou Napoleão
          Mas louco é quem me diz
          E não é feliz, não é feliz

          Eu juro que é melhor
          Não ser o normal
          Se eu posso pensar que Deus sou eu

          Se eles têm três carros, eu posso voar
          Se eles rezam muito, eu já estou no céu
          Mas louco é quem me diz
          E não é feliz, não é feliz

          Eu juro que é melhor
          Não ser o normal
          Se eu posso pensar que Deus sou eu

          Sim sou muito louco, não vou me curar
          Já não sou o único que encontrou a paz
          Mais louco é quem me diz
          E não é feliz
          Eu sou feliz

          • Tá cheio de Alain Delon e Napoleão por aí, né Gadinho?

            VIVA A REPÚBLICA DO BUMBUM GULOSO !!!!

            VIVA A REPÚBLICA DO BUMBUM GULOSO !!!!

            VIVA A REPÚBLICA DO BUMBUM GULOSO !!!!

            VIVA A REPÚBLICA DO BUMBUM GULOSO !!!!

            VIVA A REPÚBLICA DO BUMBUM GULOSO !!!!

  2. É a nova política. E muitos aqui da TI tem culpa direta. Tudo de errado era do PT. Bastava o PT sair. Façam uma pequena análise e a conclusão lhes mostrará como foram ingênuos.

    • O pior é que as histórias macabras ainda não acabaram para o PT.
      O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva virou réu pela quarta vez na Operação Lava Jato.
      Vai ser julgado e poderá ser condenado outra vez?
      Aceite, o PT já era.

      • Em tempo.
        “A 23ª Zona Eleitoral do Rio de Janeiro cassou a candidatura de Lindbergh Farias (PT) ao cargo de vereador do Rio de Janeiro nas eleições de 2020”.
        O mal quando vem, não vem sozinho.
        Cruz credo.

  3. Os crimes do Flávio Bozinho são tão evidentes que mesmo com a ajuda da GSI (general de pijama Heleno) e da Abin (Alexandre Ramagem) não estão conseguindo livrar a cara do Bozinho, e consequentemente a cara do papai Bozo.

    Mesmo porque todo mundo sabe que os bozinhos fazem tudo aquilo que o papai Bozo manda fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *