“Os brasileiros acham que o país está uma bagunça”, explica analista político

Imagem relacionada

Moura previu vitória de Bolsonaro em fevereiro

Flávia Marreiro
El País

Em fevereiro, Mauricio Moura, da consultoria Ideia Big Data, dizia que a eleição deste ano era sobre a indignação, numa espécie de efeito retardado dos grandes protestos de 2013, e que, no segundo turno, Jair Bolsonaro seria o favorito para bater o PT. Agora, a dias da votação decisiva que escolherá o próximo ocupante do Palácio do Planalto, Moura volta a conversar com o El País. Primeiro, aposta que a votação do primeiro turno e a onda conservadora liberta o eleitorado brasileiro de diversos clichês. “Um deles era a falsa premissa que o eleitor brasileiro teria uma atitude moderada ou de ‘centro’ perante a atual conjuntura”, diz.

O analista afirma ainda que a disseminação de mentiras via WhatsApp chegou a níveis “estratosféricos”, mas não crê que o fenômeno pode explicar sozinho o impulso de Bolsonaro na reta final do primeiro turno. Moura, que também fez campanha nos EUA, projeta, em caso de vitória do deputado de extrema direita, a continuação da política de redes sociais, uma radicalização do que Donald Trump já fez nos EUA.

Bolsonaro é favorito no segundo turno sem nem sequer suavizar discursos. Segue prometendo “varrer do mapa” adversários e disse nesta terça querer acabar o “coitadismo” de nordestinos, gays, mulheres e negros. Os clichês sobre a moderação típica do eleitorado brasileiro ficaram ultrapassados?
Essa eleição liberta o eleitorado brasileiro de diversos clichês. Um deles era a falsa premissa que o eleitor brasileiro teria uma atitude moderada ou de “centro” perante a atual conjuntura. As pessoas foram às urnas altamente indignadas com a economia, enojadas com a corrupção iluminada pela Operação Lava Jato e amedrontadas pela falta de segurança. Imaginar que essa combinação seria insuficiente para evitar a busca por novas alternativas eleitorais era negar a realidade. Outro clichê repetido exaustivamente foi o chamado “teto de Bolsonaro”. A maioria esmagadora das análises errou ao tentar prever um limite de crescimento do candidato do PSL. Bolsonaro surfou sozinho no contexto de indignação coletiva e no antipetismo.

Qual são as chaves dessa fortaleza de Bolsonaro?
Acredito que os eleitores perceberam dois ativos no discurso de Bolsonaro. O primeiro é a autenticidade. Um atributo que faz muito tempo deixou de ser uma qualidade dos políticos tradicionais. O segundo ativo é a sua forma de pregar a “ordem”. Os brasileiros, em sua maioria, acham que o país está uma bagunça e portanto precisa de alguém capaz de encarar a desordem. A busca por essa “ordem” solidificou seus votos ao longo do tempo. A cada evento de impunidade, em 2017, o deputado ganhava pontos nas pesquisas. Por último, e mais importante, ele incorporou plenamente o antagonismo ao PT. O sentimento antipetista foi o motor da arrancada final. Ninguém representou melhor esse papel.

Você já dizia em fevereiro que essa era a eleição do WhatsApp. O que ainda pode ser feito para minimizar os efeitos das mentiras disfarçadas de notícias?
Sim, finalmente entramos na era moderna da discussão sobre comunicação política no Brasil. O resultado do primeiro turno enterra a discussão sobre TV x redes sociais. As campanhas modernas entram na rotina das pessoas via telefonia móvel. O hábito das pessoas de acessar Internet em média 30 vezes por dia via celular foi decisivo para que o conteúdo das campanhas passasse essencialmente pelos telefones. O WhatsApp escalou esse processo de forma inédita. Tinha sido assim no México e assim foi no Brasil. A escala também potencializou a disseminação de fake news em níveis estratosféricos. A saída real para isso é de longo prazo e passa essencialmente pela educação dos usuários. A solução está nos receptores e não no controle da oferta de fake news.

O acesso a internet também não vira uma variável central? Bolsonaro apresentou um projeto para garantir que as operadoras deem acesso ilimitado ao WhatsApp, por exemplo, mas analistas dizem que acesso só ao aplicativo limita a capacidade de cotejar informações em outras fontes. Não podemos esperar nenhuma contenção tecnológica?
Não acredito em contenção tecnológica. Agora, no caso da vitória de Bolsonaro, existirá uma nova forma de comunicação presidencial. Assim como na pré-campanha e na campanha, quando o uso das redes sociais e WhatsApp foi seu elemento central, tal dinâmica continuará na sua presidência. Isso significa, na prática, que teremos um presidente falando diretamente com os usuários de redes sociais. Sem passar pela imprensa ou mecanismos tradicionais. Isso já ocorre com o presidente Donald Trump e vai estrear no Brasil com Bolsonaro.

A Folha publicou reportagem em que aponta a existência de um esquema bancado por empresas para fazer campanha anti-PT e favorecer ilegalmente Bolsonaro no WhatsApp. O caso está sob investigação e aplicativo tirou contas do ar. Acha que pode explicar a onda de Bolsonaro na reta final primeiro turno?
Não explica, mas o WhatsApp foi a plataforma de comunicação principal dele. Foi crucial para a sua votação. O que é mais interessante no fenômeno Bolsonaro, comparado com os outros casos latino-americanos, é que ele dependia exclusivamente das redes sociais e com isso ficou evidente o protagonismo do WhatsApp.

Outro clichê é segundo turno é nova eleição. Ainda vale? Vê alguma chance para Haddad?
Sim e não. No segundo turno, sempre terá o aspecto novo porque empurra, em tese, os candidatos a buscarem eleitores fora da sua “zona de conforto”. Isso implicaria, no caso de Haddad e Bolsonaro, em uma busca por eleitores mais moderados. Todavia, se leva do primeiro uma base instalada de votos e isso é duro de mudar. As viradas, em segundo turno, são raras no Brasil. Bolsonaro é favorito não somente porque teve mais votos no primeiro turno mas pelo fato de ter a narrativa mais simples de executar. O segundo turno é um referendo e nesse caso basta ao deputado explicitar que esse pleito é uma decisão sobre o PT: “Você, eleitor, quer o PT de volta ou não?”. Dado o sentimento antipetista, escancarado no primeiro turno, será extremamente duro o PT reverter esse quadro. Isso estava posto desde o ano passado.

Quais são as bases do antipetismo? Você acha que é um fenômeno duradouro? Vemos vários atores políticos fazendo o cálculo de não subir no palanque de Haddad, mesmo com eventuais danos para a biografia por apoiar um candidato de extrema direita…
O antipetismo, em linhas gerais, é reflexo dos seguidos escândalos de corrupção e da péssima administração na economia da ex-presidente Dilma Rousseff. Essa combinação de imagem de corrupção e responsabilidade pelo desemprego nacional foi fatal em 2018. Todavia, acho que o PT continua sendo um partido que representa um segmento relevante da sociedade. Certamente será uma grande força, se ficar na oposição, e tem tudo para se reinventar num futuro próximo. Ajudará muito se fizer uma autocrítica desse período e seguir um caminho de renovação de quadros. Em 2022, a eleição não será mais sobre Lula (depois de muitas) e isso é o caminho para, quem sabe, enterrar esse sentimento antipetista que pautou esse pleito.

Aconteça o que acontecer, essa é a eleição da insurgência da extrema direita no Brasil.  Parte de uma onda global?
Não é uma tema exclusivo de extrema direita. A onda global passa pela desconexão dos partidos tradicionais com o cidadão comum. Por isso surgiram movimentos e candidatos de fora da política com sucesso eleitoral em diversas partes do mundo. A Itália, França, Espanha e Estados Unidos são alguns exemplos recentes. O Brasil entrou na rota global de privilegiar alternativas aos partidos tradicionais.

O PSDB é um derrotado de 2018. Questionar o resultado de 2014 e participar ativamente do impeachment, ao mesmo tempo que fez vista grossa para seus próprios casos de corrupção, contribuíram para o atual quadro?
 Totalmente. O PSDB insistiu em não ouvir plenamente as vozes das ruas. O evento fatal da perda de credibilidade tucana foi não ter expulsado Aécio Neves mesmo diante dos áudios irrefutáveis da JBS. A partir dali se desconectou completamente não somente da opinião pública em geral, mas principalmente com sua própria base de eleitores. Bolsonaro herdou grande parte de órfãos do PSDB. O mapa eleitoral do primeiro turno deixou isso bem evidente.

Por fim, acha que o PT poderia ter evitado essa onda pro-Bolsonaro neste ano, apoiando, por exemplo, o Ciro Gomes?
Ciro Gomes teria certamente sido mais competitivo, porque diminuiria o protagonismo do antipetismo. Porém, dificilmente conteria essa onda indignada do eleitor.

29 thoughts on ““Os brasileiros acham que o país está uma bagunça”, explica analista político

  1. “MINISTRO JOAQUIM BARBOSA MATA A COBRA, MOSTRA O PAU E PROVA O QUANTO BOLSONARO É DISSIMULADO, INESCRUPULOSO, LEVIANO, EMBUSTEIRO, OPORTUNISTA E APROVEITADOR, como retratado por seus superiores hierárquicos em sua ficha disciplinar a época em que se serviu do exército brasileiro como trampolim à sua carreira política no Rio de Janeiro, até porque, na sua terra natal, infância e juventude, onde é conhecido, não se elegeria nem vereador. A época do “Mensalão”, Bolsonaro era deputado do PTB, de Roberto Jefferson, condenado por corrupção, disse o Ministro, partido que extorquia propinas até mesmo dentro dos correios onde seus operadores foram pegos em flagrante com a boca na botija. E daí, meu caro, “diga-me com quem tu andas, e com quem vc fez carreira e a mala na política, e eu te digo quem tu és “, diria o Mestre dos Mestres. https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/10/27/joaquim-barbosa-rebate-bolsonaro-mensalao-falso-fake-apoio-haddad.htm?fbclid=IwAR1IYotGt1S6LwmFY2uK1pgAI94LWBPrjvu5aJo4Nejv-aynURU8XFO1NTY#comentarios

      • Eu quero saber apenas o seguinte, a quem vem esse cidadão, caso chegue lá, para ser apenas um traste 171, conjugado com o golpismo ditatorial e o partidarismo eleitoral, para atrasar ainda mais o país, ou para ajudar o Leão a fazer a Revolução Pacífica e Redentora, da política, da nação e da população, na estrada da vida há mais de 20 anos ?

        • Estou farto do embate apenas moral, que sob a égide do $istema podre termina sempre empatado, igual o campeonato baiano a depender a macumba. Quero saber apenas a quem vem esse cidadão, caso chegue lá: para ser apenas mais um traste 171 do $istema apodrecido, para atrasar ainda mai o país e o processo civilizatório brasileiro, ou para ajudar a Revolução Pacífica do Leão ? Eis a questão.

          • Ui ui ui, o petista estrebuchou. Vai ter que procurar emprego em plena recessão oriunda do PT. Com 14 milhões de desempregados da Dilma, o petista está louco e espumando pela boca. Trabalhar, cansa e quem faz tempo que vive do dinheiro roubado, cansa muito mais.

          • ” Paulo 2″, não sou da vossa laia e turma 171. Trabalhei desde os 10 aos de idade para ajudar meus pais e meus irmãos, me aposentei só aos 65 anos de idade. Uma aposentadoria modesta, mas honrada, sem saber o que é férias, décimo terceiro, seguro desemprego e nem licença e muito menos auxílio-doença. Portanto, dignidade por dignidade, pra mim vc é lixo social, sem autoridade moral para fazer referência desairosa nenhuma à minha pessoa.

    • Caro leitor e comentarista Luiz Felipe,
      Não distorça os fatos.
      Quando o ministro Joaquim Barbosa do STF ao prolatar o seu voto na sessão de julgamento da AÇÃO PENAL 470 conhecida como MENSALÃO, almejando comprovar a existência do malsinado “mensalão” do PT afirmou que ocorreram votações de grande interesse do Governo Lula, como a da “Reforma da Previdência” e a da “Reforma Tributária”, e que as mesma só foram aprovadas após repasse de dinheiro para deputados federais, ou seja, após a compra da consciência dos parlamentares brasileiros, tendo citado o nome do candidato à presidência da república Jair Messias Bolsonaro como o único a não votar com o Governo, ou seja, o único parlamentar brasileiro que não foi comprado.
      Assista o vídeo clicando no link abaixo:
      https://www.youtube.com/watch?v=5dvQknBCix0

  2. Mais um discípulo da Mãe Dinah que tenta explicar o que está acontecendo.

    Esses cientistas sociais das madraças vermelhas universitárias estão mais por fora do que “especialistas” da Globonews.

  3. Se o Joaquim Barbosa fosse branco, teria sido nomeado ministro do STF?
    Pais engraçado o Brasil, este mesmo Joaquim Barbosa, que agora diz ter medo do Bolsonaro, foi o mesmo que em um voto pela condenação de membros do PP, no mensalão, diz com todas as letras, “apenas o deputado Jair Bolsonaro, votou contra a orientação do líder da bancada”. Seria porque? Porque era o único que não havia sido comprado pelo governo do lula e do PT?
    Ele tem medo do que mesmo? Que o Bolsonaro implante no pais uma república onde as leis sejam cumpridas e os ladrões presos?

    Interessante que associem a figura do capitão a violência, mas afinal não é ele que sofreu um atentado em plena campanha? Que esta impossibilitado até de fazer campanha na rua, e sabem porque? Porque pode ser novamente atacado pelos “defensores da democracia e estado de direito”. Aqueles que dizem abominar o nazi fascismo, mas não dizem nada contra o totalitarismo comunista, o qual por não conhecerem as verdadeiras barbaridades que comete, fazem apologia desta ideologia.
    Até quando teremos que aturar tanta hipocrisia neste pais, onde o candidato que apoia a existência do estado de Israel, é taxado de nazista, e o candidato do partido que apoia a extinção deste mesmo estado, é taxado de democrata.
    Oras bolas, sera que já não chegou a hora deste pais de vagabundos mudar de comportamento, e passar a ser sério, e deixar de “adorar” um ignorante trancafiado numa cadeia, por ter feito todo o mal possível ao seu povo.
    Amanhã é o dia D, depois de amanhã, já pode ser tarde.

  4. Não existe pessoa mais abalizada para endossar que os brasileiros estão cobertos de razão quando afirmam que o país está uma bagunça, haja vista o desabafo de uma profissional da medicina brasileira.

    Médica indignada, desabafa
    Tenho ouvido falar tanto em tortura, que tive que me manifestar! Não vivi a Ditadura, logo não comento sobre a mesma…
    Mas sobre tortura, posso falar:
    Tortura é ter que reanimar um paciente no chão, porque não há sequer uma maca.
    Tortura é precisar de uma Tomografia de urgência e não dispor sequer de uma ultrassonografia no serviço público.
    Tortura é ter que improvisar uma incubadora para um bebê prematuro, em uma caixa de sapatos.
    Tortura é ter que escolher entre 2 pacientes, qual deles irá usar o único respirador disponível.
    Tortura é precisar prescrever um medicamento, ouvir do doente que não tem dinheiro pra comprar e saber que na rede pública, também não há o remédio e o paciente não poderá se tratar.
    Tortura é chegar com um paciente grave ao hospital e não haver um leito disponível para acomodá-lo.
    Tortura é ver o Governo culpar ao médico e ao corpo clínico do hospital por todas as mazelas da saúde e desviarem ainda mais dinheiro com o pretexto de trazerem médicos cubanos – como se a culpa fosse nossa.
    Tortura é ver o idoso indo para a fila às 4h da manhã, ser atendido por profissionais não habilitados do Mais Médicos, enquanto os ladrões se tratam com os melhores especialistas no Sírio e Libanês de SP.
    Tortura é dar a alta para o paciente e o mesmo pedir para ficar, porque em casa não há comida.
    Tortura é fazer um juramento no dia da nossa formatura e perceber que a corrupção no Brasil nos impede de cumpri-lo.
    Se você nunca viveu este tipo de tortura e está só replicando o que leu, pare, pense e seja menos egoísta!
    Chega de roubo
    #ForaPT
    Texto de Giselle Freihat

  5. Caro(a) leitor(a) carioca da gema,
    Não sei o seu sexo porque incursiona aqui neste blog sob o anonimato, é risível ler os seus sarcasmos medíocres como este “Onestoooo sem h mesmo, kkk.”.
    Honesto é o apedeuta do Lula!
    Honestos são todos os partidos com viés esquerdistas com os quais o(a) leitor(a) se identifica, haja vista as suas pífias abordagens aqui no blog.

  6. -Êta instituto safado!
    -Êta Globo picareta!

    “Percebe-se que o candidato Haddad, as Organizações Globo e o Datafolha trabalham sincronizados.
    Ontem o candidato tratava de igualdade racial e hoje de armas. Exatamente os elementos dessa pesquisa divulgada em destaque na Globo no dia de hoje, véspera das eleições.

    Parece que ter isenção em nosso país é privilégio de poucos. E essa cumplicidade criminosa e omissão explícitas estão também presentes nas instituições do Poder Judiciário,
    Justica Eleitoral e em todas as repartições públicas que foram cooptadas pelas propinas e gratificações da máfia do PT.”

    • Amanhã será que publicarão alguma pesquisa que tenha o resultado negativo, sobre o uso de uniforme na escola, cabelo cortado ou sobre qualquer outro assunto que faça alusão, ainda que inconsciente, aos militares e ao Bolsonaro?

  7. Apesar da jornalista ser bastante tendenciosa, forçando a barra com essa coisa ridícula de extrema direita, com essa história falsa de WhatsApp pago por empresas, além de outras asneiras, acho que o analista mandou bem.

  8. “O assassino que nunca matou ninguém.
    O ditador que sempre exerceu cargo eletivo.
    O homofóbico que recebe beijos e abraços de homossexuais.
    O nazista que empunha a bandeira de israel, que defende e dá palestras na comunidade judaica e é ovacionado.
    O racista que tem um negro como melhor amigo ha vários anos (Helio Bolsonaro).
    O violento que levou purpurinas, ovos, cuspe na cara e por fim uma FACADA no abdômen e nunca reagiu e agrediu ninguém fisicamente.
    O mentiroso que só diz verdades que doem.
    O louco que defende que bandido seja tratado como Bandido.
    O estuprador que é contra o estupro e o aborto.
    O radical que defende que o cidadão tenha o direito de defender sua família e sua propriedade.
    O único corrupto que NÃO tem processo por corrupção em 27 anos atuando no ambiente mais corrupto do mundo.
    O candidato dos ricos que fez a campanha mais pobre da história.
    O milionário que tem 5 imóveis.
    O político mais burro, pois anuncia seus principais ministros antes mesmo do fim do primeiro turno, não deixando margens para negociatas no segundo turno.
    O prepotente que ousa dizer que não negocia cargos com partidos em troca de tempo de TV.
    #ESTEÉJAIRBOLSONARO”

  9. Quem apoia e vota em Ladrões do Brasil, Traidores da Pátria e da organização Criminosa PT são tão iguais ou piores que eles, querem a continuidade da destruição da Nação e a implantação definitiva de uma República Corrupta Cleptômana Bolivariana igual a da Venezuela !!!!!

  10. Confiram em meu face (link adiante): Do livro que Osvaldo Maneschy publicou, uns 20 anos atrás, com falas políticas de Leonel Brizola, copio pequeno trecho no qual o líder fala sobre o processo social. Confiram, a meu ver explica as palavras de Ciro Gomes em duas ocasiões, no início e ao final deste segundo turno (parágrafo abaixo), quanto à volta que o povo está dando nas eleições. É pena que miliantes da esquerda fake atuem como em outros tempos, desrespeitam instituições ou individualidades contrárias às desorientações políticas que os norteiam e não sabem interpretar corretamente os sentimentos de nosso povo, assumindo atitudes típicas de quem não se resolve por si e busca em outros os fundamentos de suas próprias fragilidades. http://www.facebook.com/photo.php?fbid=2163222183894041

    As cúpulas lulistas (diferencio de petistas) que depreciam Ciro já colheram os resultados almejados, no primeiro turno. Não estão nem aí para o Haddad, não sabem esses babacas que a tendência é Lula apodrecer na prisão se o Bolsonaro for eleito presidente (se deve pague pelos seus erros, mas há excessos que deveriam ou poderiam ser corrigidos). Ciro sabe o que faz e se conduz como alguém livre, mas não há dúvida quanto ao voto dele no Haddad. Agora, quero ver lulista com moral pra criticar ele ofuscando as canalhices de Lula favoráveis à direita. O erro original foi do petista, contra o esforço de unir as esquerdas em torno de alguém com maiores chances e melhores condições para derrotar o lado pior. Nas curvas decisivas da história ele sempre fez o jogo da direita, Leonel Brizola não foi presidente por causa dele (Filhote do Golbery). Já votei 13 como Ciro e todos os Brizolistas o farão, apesar desses lulistas ou lunáticos que tentam depreciar esta nossa decisão. Ciro foi gigante no primeiro turno e não negou fogo prestando ótima declaração logo após o resultado das eleições, junto com o posicionamento da sigla brizolista. Apesar disso, na depreciação cada qual faz a paisagem que quiser. http://www.facebook.com/cirogomesoficial/videos/2239699602986045

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *