Os obstáculos do Corinthians serão o Boca e a pressão emocional de ganhar o título pela primeira vez.

Tostão (O Tempo, de BH)

Corinthians e Boca Juniors estão no mesmo nível técnico. O Corinthians vai adotar a marcação mais à frente, como algumas vezes faz, ou vai marcar mais atrás, com duas linhas de quatro encostadas à grande área, como fez em boa parte dos jogos contra o Santos?

O Boca deve fazer muitos cruzamentos para a área. Para isso, o Corinthians tem um goleiro muito alto e muito bom. Cássio me passa a impressão de que será um goleiro excepcional. Ou já é? Não sei. Temos de vê-lo mais vezes.

Com a queda técnica de Julio Cesar, o Brasil ficou sem um grande goleiro, como foram, recentemente, Marcos, Rogério Ceni, Dida e o próprio Julio Cesar. Quem sabe será Cássio? Apesar do erro contra o Vasco, Fábio é, hoje, o melhor. Jéferson e Rafael, bons goleiros, preferidos de Mano Menezes, falham mais que o goleiro do Cruzeiro.

###
EUROCOPA

Hoje e amanhã, conheceremos os finalistas da Eurocopa. Durante a Copa de 2010, diziam, como agora, que a Alemanha era a melhor equipe e que a Espanha trocava passes em excesso, sem objetividade. No sábado, contra a França, na Copa, diante da Alemanha e contra a maioria dos adversários, a Espanha, pelo estilo e por ter os melhores armadores do mundo, ficou com a bola, deixou os rivais longe de sua área e ganhou, várias vezes por 1 a 0. Evidentemente, se a Espanha tivesse um ótimo atacante, seria mais forte.

É muito bom ver a Itália com nova postura. O time troca muitos passes e chega à frente com vários jogadores. Só não entendo o cartaz que dão a Balotelli, como se ele fosse, além de fanfarrão e exibicionista, um craque. É um bom jogador. De vez em quando, faz belos gols. Craque é Pirlo, com seus excepcionais passes.

Enquanto isso, continuam, no Brasil, a correria, os chutões e os passes longos e errados. As razões não são apenas falta de qualidade técnica ou de treinar passes. Acontece, principalmente, porque os jogadores se acostumaram, desde as categorias de base, a ter pressa para chegar ao gol, como se isso fosse moderno. Sem passe, não existe futebol coletivo, apenas espasmos individuais.

Ainda bem que poderei ver, na íntegra, o jogo da Libertadores e os outros dois pela Eurocopa, sem ficar curioso para saber os detalhes de outra partida simultânea. A turma especializada nos melhores momentos, que assiste a três jogos ao mesmo tempo e que olha mais para o computador do que para o jogo, para twittar e buscar informações, deve me achar esquisito, perdido no tempo e no espaço.

###
LÍDER E VICE

Contra o Vasco, Celso Roth armou bem novamente a equipe, bloqueando avanços dos laterais e aproveitando o contra-ataque. Wellington Paulista fez mais um belo gol, Montillo brilhou intensamente, e Léo jogou bem de lateral, melhor que Diego Renan. O jornaleiro de quem compro meus jornais, que entende de futebol, como a maioria da torcida do Cruzeiro, disse que é preciso, com urgência, arrumar um zagueiro e um volante para os lugares de Mateus e Charles.

Para discordar da maioria, acho que Ronaldinho tem jogado menos do que no Flamengo. Mais uma vez, fez seu tradicional gol de pênalti, bateu bons escanteios e deu bons passes. É pouco para o que ele foi, mas é muito mais do que os outros jogadores que o Atlético tem para a posição podem fazer.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *