Os riscos da antecipação da campanha

Carlos Chagas

Importa menos saber quem Deus criou   primeiro, se o ovo ou a galinha. Pode ter sido Dilma que decidiu lançar-se à reeleição para forçar o Lula a definir-se quanto à disputa de 2014. Pode ter sido o açodamento do governador Eduardo Campos. Quem sabe as manobras de Marina Silva para formar seu novo partido? Ou até mesmo o aumento do diapasão das críticas de Aécio Neves.

De qualquer forma, a campanha sucessória foi para as ruas bem antes do previsto. Ninguém terá condições de fazê-la refluir. Vale  alinhar alguns de seus inconvenientes.

Começando  pela presidente, fica clara a incapacidade de seus assessores compreenderem que o lançamento dela aguçaria a reação de outros concorrentes, seus adversários, em vez de tirar-lhes as perspectivas. Ao mesmo tempo, a candidatura de Dilma, mesmo formalmente  negada, não seria, como não é, penhor do refluxo do Lula. Claro que ele apóia a reeleição. Foi o primeiro a reconhecer o direito de a presidente reivindicá-la. Mas mantém a janela aberta para ocupar o lugar de candidato, diante  de várias hipóteses, a maior delas referente a uma hipotética queda  na popularidade da sucessora.

Quando seus adversários estavam desarticulados e nem se tinha idéia de quantos poderiam ser, o segundo mandato parecia mais  garantido do que hoje, até por causa do preço que ela vem pagando na tentativa de evitar defecções. Ministérios como moeda de troca e até composições com gente demitida por acusações de corrupção.

Quanto a Eduardo Campos, apesar de estar ocupando a atenção da mídia, enfrentará graves prejuízos como governador por haver iniciado tão cedo seu distanciamento do governo. Mesmo entremeando críticas com elogios ao desempenho de Dilma. Deveria ter tido presente a lição dos velhos marinheiros, de que não é o porto a afastar-se do navio. Este é que se separa daquele, cortando as amarras  por força  de suas próprias máquinas. Trocou um refúgio seguro para aventurar-se em mares tempestuosos.

Marina Silva  não encontraria maiores dificuldades  em formar a Rede, seu novo partido, caso desautorizasse especulações sobre sua candidatura.  As duas realidades agora estão ligadas, sobrevindo a má vontade óbvia do governo, verdadeiro inspirador do projeto que nega tempo de televisão a legendas em formação. Bem como recursos do fundo partidário. Lançada ano que vem, com o partido já formado, evitaria o perigo do fracasso antecipado.

Aécio Neves, meio à força, obrigou-se a ocupar  espaços de candidato, despertando previamente seus contrários, como José Serra e Geraldo Alckmin. Não teve tempo para preparar o contra-ataque e agora amarga a hipótese de os paulistas no mínimo tratarem com indiferença suas naturais pretensões.

Em suma, todos parecem estar perdendo com  a antecipação. Erodidos pelo açodamento.

PARTICIPAÇÃO OU DESFIGURAÇÃO

No PT,  cresce uma espécie de sentimento de frustração diante das recentes escolhas da presidente Dilma para o ministério, a última delas de Guilherme Afif. Existem companheiros diagnosticando que certos grupos partidários admitem participar do governo apenas para desfigurá-lo.

JOGO ABERTO

Quem abriu o jogo, esta semana, foi o presidente do PT, Rui Falcão, ao prever que nenhum de seus companheiros condenados pelo Supremo Tribunal Federal será preso em regime fechado.  Para ele, os embargos apresentados pelos réus constituem um novo julgamento, devendo ser revistas as sentenças contra José Dirceu, José Genoíno, João Paulo Cunha e Delúbio Soares.

Tão grave quanto contestar decisões da mais alta corte nacional de justiça é verificar que Rui Falcão continua achando injustiçados os referidos líderes do PT, dando a impressão de que não acompanhou os demorados trabalhos do processo do mensalão.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Os riscos da antecipação da campanha

  1. A impressão que tenho, é que nossa Presidenta Dilma se viu obrigada por Forças Políticas Poderosas, a adiantar a Campanha Presidencial. Ela tem que tomar muito cuidado, pois encontrará “muitas cascas de banana pela frente” que podem lhe causar escorregão fatal para suas pretenções de se re-eleger. Precisa URGENTEMENTE se recompor com boa parte de tais Forças. Acelerar ainda mais o excelente Programa “Minha Casa minha Vida”, Investimentos em Infra-Estrutura, e criar um impacto positivo no estratégico ítem: Segurânça dos Cidadãos. Atuar mais como Política, e menos como Tecnocrata. Abrs.

  2. O pior é que já começaram as teorias da conspiração para defender a corrupção e roubalheira desenfreadas institucionalizadas nesse triste brazil com z!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *