Pantomima ou tragédia? (I)

Carlos Chagas

Há pouco mais de 50 anos, no início de agosto de 1961, começaram a girar as rodas da insensatez. Claro que o motor estava ligado faz tempo, talvez antes mesmo da posse do então presidente Jânio Quadros. Pelo menos por duas vezes ele havia encenado a farsa da renúncia e obtivera sucesso: quando governador de São Paulo, em choque com a Assembléia Legislativa, redigira carta abrindo mão de seu mandato, que não enviara mas tinha mostrado a diversos auxiliares. Deu certo, os deputados recuaram.

Depois, já candidato presidencial, renunciou mesmo, levando a UDN a retirar o seu vice, já lançado, Leandro Maciel, substituído por Milton Campos. Eram ensaios-gerais para o grande golpe engendrado sabe-se lá desde quando. Renunciando à presidência da República e retornando nos braços do povo, obteria o resultado final, de voltar com plenos poderes, com o Congresso posto em frangalhos, senão fechado.

Afinal, a manobra havia dado certo com dois de seus maiores ídolos na política internacional, Gamal Abdel Nasser, do Egito, e Fidel Castro, de Cuba. O primeiro, depois de perder outra guerra para Israel, retirara-se para as proximidades do Cairo, onde o povo foi buscá-lo para continuar liderando o país. O outro, primeiro-ministro, bateu de frente com o presidente da República escolhido por ele mesmo e, para tornar-se ditador, pulou fora. A multidão foi à sua casa, botando o presidente para correr.

Havia um detalhe que Jânio ignorou ou desconhecia. Em ambos os casos, tudo tinha sido preparado milimetricamente, com os coronéis egipcios sabendo de antemão o que fazer e até mobilizando uma frota de ônibus para levar os populares ao apelo pela permanência de Nasser. Assim como fizeram os barbudos dispostos em volta de Fidel e dominando todos os quartéis de Havana. As duas manifestações não tinham sido propriamente espontâneas.

O singular é que o presidente eleito com a maior votação registrada no país, seis milhões de votos, não quis dividir a preparação do golpe com ninguém: nem militares, nem políticos, muito menos líderes sindicais ou empresários. Nada ficaria devendo nem se tornaria prisioneiro de categoria alguma. Uma exceção, ele se permitiu: na primeira semana de agosto, almoçando com a mulher e a mãe, no Alvorada, disse que no final do mês iria renunciar. Um garçon esperto ouviu mas nem ligou, assim como as duas senhoras, estas por já conhecerem as peculiaridades psicológicas do marido e filho.

Faltava botar as engrenagens para funcionar. O vice-presidente João Goulart estava agastado com a formação de comissões de inquérito para investigar denuncias de corrupção nos feudos do PTB, os institutos de previdência social. Assim, participou a Jânio que viajaria para China Comunista, em caráter particular, atendendo a convite do governo de Pequim. Era o que faltava.

Imediatamente o presidente abriu-se em sorrisos e impôs que a viagem teria de ser oficial. Jango partiria como enviado do governo brasileiro, com farta comitiva e ajuda de custo. Aproximava-se o climax.

O governador da Guanabara, Carlos Lacerda, encontrava-se em franca oposição à política externa de Jânio, voltada para o Terceiro Mundo e para o Bloco Socialista. Passava por dificuldades administrativas e pessoais, com seu jornal, a Tribuna da Imprensa, perto da falência, e sua popularidade em baixa, ofuscada pelo presidente da República. Só que o episodio da mala viraria tudo de pernas para o ar.

Acontece que convidado pelo presidente para vir a Brasília, conversar sobre suas diferenças e obter algum tipo de ajuda para o seu jornal, o governador desembarcou no começo da noite do dia 19, recebido no aeroporto pelo chefe da Casa Militar, general Pedro Geraldo, e levado em carro oficial ao Alvorada. Lá, o mordomo João Ermínio o acompanhou aos aposentos especiais e até desfez a pequena mala, botando o pijama debaixo do travesseiro, a escova de dentes e o aparelho de barba no banheiro, ao tempo em que informava o visitante de que, infelizmente, ele teria de jantar sozinho, pois o presidente já jantara, ao contrário do combinado. Mesmo assim, Jânio sentar-se-ia à mesa, como fez. Coisas de gente excentrica.

Depois de breve refeição e interessado em conversar a sério com o anfitrião, com tantos temas em pauta, surpreende-se o governador com o convite para descerem à sala de cinema, quando assistiriam a um filme de faroeste. Conversariam depois. O inexplicável é que enquanto mocinhos, bandidos e índios trocavam tiros, e os dois, nenhuma palavra, toca o telefone. Jânio atende e logo depois propõe:

“Era o Horta (ministro da Justiça), que quer trocar idéias com você. Um carro está esperando para levá-lo ao apartamento dele, quando voltar, conversaremos”.

Meio espantado, Lacerda ainda diz ter vindo a Brasília para conversar com ele, Jânio, não com o Horta, mas por educação atendeu às instruções. Foi. Na sala do apartamento jantavam Horta, Santiago Dantas e o jornalista Carlos Castelo Branco. O ministro pede licença e leva Lacerda para o quarto de dormir, onde em torno de uma garrafa de uísque, demora-se em considerações sobre a impossibilidade de o país ser governado com aquela Constituição. Pede até que Lacerda lhe mande cópias de artigos escritos anos antes, quando pregava o estado de exceção.

Disse o governador, em suas memórias, haver ficado surpreso e indignado, mas não terá sido bem assim. Golpista empedernido, até gostou, como Horta comentaria anos mais tarde. (continua amanhã)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *