Para Cunha, reprovação era esperada e ainda não justifica impeachment

Débora Álvares e Mariana Haubert
Folha

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que a reprovação das contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff já era esperada, mas ainda não se pode dizer se elas embasam um eventual pedido de impeachment da petista.

“Quando o governo foi pedir a suspeição do relator, praticamente adiantou o resultado. Foi um erro político grave do governo, para tentar politizar o processo”, avaliou o deputado, ao mencionar a ação colocada em prática no início da semana pelo Palácio do Planalto, que pediu que o relator das contas de Dilma, o ministro Augusto Nardes, fosse substituído.

A suspeição do ministro foi a última cartada do governo para tentar adiar o julgamento das contas, mas acabou barrada também nesta quarta pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

OPOSIÇÃO FESTEJA

Lideranças da oposição, que chancelam o pedido de afastamento de Dilma do ex-petista Hélio Bicudo, acreditam que a decisão do TCU dá forças ao processo.

Apesar de contar com a oposição como fiel aliada e de, inclusive, já ter acordos velados há semanas sobre o rito a ser adotado no processo de impeachment, o presidente da Câmara mantém cautela ao opinar publicamente sobre o impacto da decisão do TCU na questão.

“Tem uma discussão preliminar que trata das contas de 2014, consequentemente, do mandato anterior. Se cabe ou não [um processo de impeachment embasado em acontecimentos de mandatos anteriores], somente vencida essa discussão se pode dizer se isso tem ou não influência no processo. Na minha opinião, até agora formulada, tenho dito que o mandato é novo, então não contamina um mandato com outro”, afirmou Cunha.

RESPALDO TÉCNICO

Na contramão de Cunha, o líder do DEM na Casa, Mendonça Filho (PE), acredita que a decisão “é um respaldo técnico de um órgão que não se curvou à intimidação do governo e respaldará o processo de impeachment”.

A posição é compartilhada por Bruno Araújo (PSDB-PE), para quem a presidente está “pagando o preço político da desconstrução da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal)”.

Para o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), a decisão do TCU “confirma o estelionato eleitoral”. “Fica caracterizado o abuso de poder político e econômico além do crime de responsabilidade. O Congresso Nacional falará pela nação”, disse.

Já para o líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), “o governo Dilma caminha para os seus últimos dias”. “Mesmo com todas as manobras, não conseguiu reverter [a decisão]. Sua base política está fragmentadas. A população brasileira está desacreditada, assistindo a um noticiário repleto de escândalos e corrupção”, afirmou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGPara recusar o pedido de impeachment, Cunha vai usar este argumento fajuto do mandato anterior, já descartado pelo ministro-relator Teori Zavascki. É tudo um teatro, porque a recusa fará o impeachment andar com mais segurança, exatamente o que Cunha na verdade pretende. (C.N.)

21 thoughts on “Para Cunha, reprovação era esperada e ainda não justifica impeachment

  1. Escrevi sobre esta ideia de Cunha, de alegar que a rejeição das contas da presidente de 2014 pelo TCU não seria levada a efeito para impedimento (alô, Walter!).
    Qual é a moral que tem o presidente da Câmara dos Deputados, mentiroso, corrupto e desonesto, para impedir que Dilma continue a arrasar com o Brasil e seu povo?!
    Não que a presidente deva ficar impune, longe disso, mas ser punida pelo parlamentar que tem o rabo preso é irônico, para eu não escrever trágico.
    E querem saber do principal, de modo que a nossa situação seja encarada com mais seriedade e responsabilidade pela população brasileira?
    A retirada de Eduardo Cunha da presidência da Câmara (ou mesmo da Câmara, por cassação ou renúncia), não vai livrar a casa de problemas.
    A linha sucessória do homem de Jesus também está cheia de gente problematizada com a Justiça:
    Caso Cunha renuncie ou seja afastado pela Justiça haverá uma nova eleição, que será convocada pelo primeiro vice, Waldir Maranhão (PP-MA), acusado pelo doleiro Alberto Youssef de receber dinheiro no Petrolão.
    O segundo vice-presidente da Câmara, Fernando Giacobo (PR-PR), e o primeiro-secretário, Beto Mansur (PBR-SP), são réus em processos no STF. [Fonte: O Dia]
    Que tal?
    E esses personagens desonestos compõem a mesa diretora da Câmara, o que não sobra para os demais parlamentares, credo!

      • Juca, meu caro,
        A tua pergunta tem como resposta uma lógica irrefutável:
        Olha só a situação que nos encontramos, tanto política quanto judiciária e executiva.
        O legislativo como sinônimo de corrupção e desonestidade;
        Judiciário significando dois pesos e duas medidas quando se trata de julgar aqueles que são íntimos do poder central, e rigoroso com o povo, aplicando-lhes punições que os criminosos políticos e do colarinho branco jamais experimentaram;
        Executivo, um misto de incompetência, corrupção e desonestidade, razão pela qual a perfeita identidade com o Legislativo.
        Sobra para nós o quê?!
        Não me fala em esperança, pois esta já se dissipou faz tempo.
        Um abraço, Juca.

      • Bendl, esqueceu o que disse o Paladino da Ética, Guardião da Justiça, aquele que pega a Espada do He-Man e espeta Justiça em todos que passam á sua frente???
        Esse mesmo paladino da Justiça, pertence ao Partidinho da Ética do Efeagace, e tam´bem está atolado na Lava-Jato junto com seus pares.
        Veja , Bendl, o que disse o nobre corrupto francês…

        “”De acordo com o deputado Carlos Sampaio, … ‘Eduardo Cunha tem o benefício da dúvida’, afirma líder do PSDB na Câmara .

        • Veja Bendl, mais sobre o nobre corrupto francês…, , corruptos com corruptos se entendem bem….

          247 – O líder do PSDB na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), voltou a dizer nesta quinta-feira 8 que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), merece o “benefício da dúvida”, mesmo após autoridades suíças terem enviado ao Brasil extratos de quatro contas bancárias que o peemedebista mantinha no banco Julius Baer, onde havia o montante de US$ 2,4 milhões, atualmente bloqueado.

          “A denúncia é grave. O presidente da Câmara deve explicações não só ao PSDB mas ao país. Por ora, ele tem o benefício da dúvida, uma vez que os documentos ainda não foram divulgados e ele não se manifestou sobre os documentos”, afirmou o tucano. Reunida ontem, a cúpula do PSDB no Congresso decidiu, sobre que posição tomar em relação a Cunha, que não deve nem “jogar pedra” nem “blindar” o deputado.

          O tratamento dispensado a Cunha é o oposto do que recebe a presidente Dilma Rousseff por parte dos tucanos. Dilma, contra quem não houve nenhuma comprovação de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras, nem citação do nome da presidente, é alvo de um movimento da oposição para que deixe o poder.

          O motivo, claro, é o fato de Cunha ser o responsável por avaliar pedidos de impeachment que chegam à Câmara. Questionado hoje se os tucanos entrarão com um pedido para tirar Dilma do poder, Aécio Neves, que preside a legenda, respondeu: “O PSDB vai aguardar a manifestação do presidente da Câmara dos Deputados. O líder Carlos Sampaio que acompanha isso diariamente poderá aqui falar com mais detalhes em relação a isso, e, obviamente, se o impeachment for colocado em votação, o PSDB se colocará favoravelmente àquilo que pensa não apenas os seus eleitores, mas mais de 60% da sociedade brasileira.”

          Um dos argumentos da oposição para o impeachment é a rejeição das contas do governo em 2014 pelo TCU por uma prática observada também em governos anteriores. Outra tentativa é pelo TSE, onde corre julgamento de ação proposta pelo PSDB para cassar o mandato da presidente e do vice, Michel Temer, por supostamente terem recebido dinheiro de propina durante a campanha. A UTC, empreiteira envolvida no esquema e que fez doações ao PT, no entanto, doou, no entanto, quantia ainda maior à campanha de Aécio Neves no ano passado.

        • Prezado Armando,
          Sabes que eu te admiro por esta luta que desbravas contra o PSDB.
          Não sou um crítico da tua atuação nesta página democrática que, exatamente por ser assim considerada, abre espaços para todas as tendências políticas, inclusive os petistas!
          Dito isso, a diferença nos tons existentes nos comentários postados com relação ao momento atual, evidente que se sobressai o PT, pois é quem comanda o País, e de forma a mais corrupta e desonesta nunca antes registrada na história da República.
          Se o antecessor do lulopetismo foi FHC e ele teve os seus pecados graves, na verdade o PSDB deixou de dar as cartas há quase 14 anos, tempo suficiente para que os petistas “salvassem” o Brasil da tragédia que foi a administração dos tucanos, na ótica desse partido do mal.
          Não só nada questionou sobre as privatizações e compra da reeleição por FHC, como desandou a roubar e assaltar o Brasil de maneira violenta, aparelhando o Estado, inchando a máquina pública de cargos de confiança, transformando o STF em apêndice do Executivo, relações promíscuas com o Legislativo, mensalão, petrolão, Rosegate, a famigerada compra com altos prejuízos à Nação de Pasadena, Evo Morales que nos tomou as refinarias na Bolívia sem qualquer reação de Lula e Dilma, enfim, um corolário de crimes imperdoáveis, que se enalteceram mais ainda pela péssima situação econômica, política e social que nos encontramos.
          Ora, Armando, FHC permaneceu no poder por oito anos, enquanto o PT vai para 14, e tem ainda mais dois anos e meio, significando que teremos quase mil dias para conviver com os petistas, hoje sinônimos de bandidos, traidores da Pátria, pilhadores, criminosos, e responsáveis pelo atraso brasileiro, a sofrível educação, péssima saúde e deplorável segurança.
          Nesse meio tempo, os dirigentes petistas e líderes estão ricos, possuem grandes fortunas, ganham nababescos proventos mensais extraídos dessa carga tributária insuportável que nos colocaram nos ombros, então não vejo qualquer aspecto prático criticar os tucanos em detrimento dos petistas estes, sim, a causa de nossas atribulações e por causarem a total descrença na política brasileira.
          Um abraço, Armando.

  2. Amigo bendl
    Considerações corretas.
    E mais: se esta mesa diretora foi eleita pela maioria – não importando o lado, estamos a passos largos e rápidos para o “impeachment” das casas legislativas!
    Nem o parlamentarismo nos salvaria com um senado com a atual composição.
    Continuo entendendo que nosso problema maior se chama sociedade, povo, eleitorado ou o nome que desejar-se dar ao conjunto de “brasileiros irresponsáveis” que atiraram o país nesta aventura.
    Eleger Lulla foi uma loucura. Reeleger Dillma foi um ato insano. Os votos deveriam ser identificados. Assim, poderíamos responsabilizar aqueles que atiraram seus votos na urna com o nome Dillma. Muitos já se dizem arrependidos. Outros, envergonhados ou com remorso, se esquivam e dizem que não votaram nella.
    E nós é que temos de pagar tudo: consciência e dinheiro.
    Abraço e muita saúde.

    • Acho que sou a única pessoa a acreditar que Dilma não ganhou eleição no voto. Ganhou na apuração secreta dos votos, promovida por Dias Tofólli. Aécio meia hora antes, estava na frente e de repente a vitória foi para o PT. Eita oposição bunda mole que temos – não fez nada, disse Amém

    • Só que ontem o Cunha ofereceu um jantar para vários deputados, onde tratou justo desse assunto.
      Ontem também, o governo conseguiu colocar 96 deputados em plenário…. 513 – 96 = 417… Marca do penalti = 342…. Fora isso foi formado um ‘blocão’ com mais deputados que o PMDB.
      Hoje até a OAB está pulando fora do baco petista…

    • Fallavena, meu caro,
      A nossa situação institucional está de mal a pior!
      Os três poderes absolutamente desacreditados (Judiciário em se tratando de STF, claro), Executivo e Legislativo deixando a desejar em todos os sentidos, dificilmente o Brasil se reerguerá sem medidas fortes, que implicam necessariamente em novas eleições e urgentes reformas verdadeiras na questão eleitoral e fiscal.
      E concordo contigo, que discutir sobre Parlamentarismo com esses políticos atuais é dar à raposa o galinheiro para ela cuidar!
      Um abraço, meu amigo.

  3. Queridos, esse “revés” que o PT teve, nas últimas semanas, é um fato a ser considerado… A internet tem feito a parte dela… Muita gente se articulando e “caindo na real”(finalmente)! Minha opinião? Estamos a mercê de uma organização criminosa…Somente a “pressão” ´popular pode reverter esse trágico/cômico panorama. Telefones, “e-mails”, passeata e etc… tudo é válido (neste contexto, é claro)… A palavra mágica é: ESPERANÇA! Mobilização já! Vamos “carimbar” o passaporte desta “quadrilha” para a Venezuela!!!!!!!!!!
    Um grande abraço, Bendl!

  4. O TCU é um órgão técnico e não político, sendo assim seus pareceres representam
    a verdade dos fatos, indiscutíveis. Quando o parecer é aprovado por unanimidade,
    não há o que o que se discutir. Neste caso o Congresso deveria obrigatoriamente
    endossar o parecer. No caso do parecer não for aprovado por unanimidade, aí sim,
    existe elementos para se discutir e deveria ir a votação do Congresso.
    Entendo, que se o Congresso votar contra o parecer unanime do TCU, será considerado
    um ato fisiológico, de interesse políticos nada republicano.

  5. O Toffoli era petralha, agora é sensacional, o Cunha era a esperança da oposição, agora é um pulha, o Joaquim Barbosa era a voz dos justiceiros contra o mensalão, agora voltou a ser petralha, parece o samba do crioulo doido, e os perdedores ficam sem noção, não sabem pra quem apelar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *