Para justificar o PIB minúsculo, Guedes recorre à poesia de Orestes Barbosa e Olavo Bilac

Charge do dia

Charge do Cabalau (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

O ministro Paulo Guedes tentou apresentar sua versão sobre a queda de 9,7% no segundo trimestre do ano dizendo que o que aconteceu é como a luz das estrelas, que nós vemos agora, mas que foram emitidas há bilhões de anos. No meu modo de ver, recorreu à linguagem poética de Orestes Barbosa (“Chão de Estrelas”) e Olavo Bilac (“Ora direis, ouvir estrelas”).

Os repórteres Marcelo Correia e Manoel Ventura, edição de hoje de O Globo, acompanharam a atuação de Guedes numa audiência na Comissão do Congresso que analisa medidas contra o Coronavírus.

O PIOR JÁ PASSOU? – Perguntado a respeito da queda registrada pelo IBGE sobre o recuo do Produto Bruto, além do exemplo das estrelas, o titular da Economia sustentou que o pior da crise já passou e que o fenômeno pode ser comparado também com a velocidade do som, muito menor do que a velocidade da luz. Dessa forma o PIB representa o passado e não o presente.

A colunista Miriam Leitão, entretanto, lembra que no primeiro trimestre deste ano o PIB já recuara 2,5%. Acrescento que se fosse para retornar ao passado, o IBGE deveria ter assinalado o que ocorreu no espaço de tempo que ficou para trás.

Aliás, o IBGE, acentuo, não se encontra subordinado a Paulo Guedes que ocupa quatro ministérios ao mesmo tempo. A respeito da divulgação do IBGE, escreveram também em O Globo Pedro Cateti, Ivan Martinez Vargas além de Patrícia do Vale, Cássia Almeida e Renan Setti. Portanto, vamos esperar o retorno do voo de Paulo Guedes a poesia.

PERPLEXIDADE –  Hoje também escreveu o professor Roberto DaMatta a respeito da perplexidade do atual momento da política brasileira, na qual. a integridade transforma-se num defeito, a desonestidade inclusive intelectual predomina e impera uma ausência da fraternidade.

O prefeito Marcelo Crivella, em decorrência do absurdo de buscar apoio no crime contra a liberdade de expressão, passou a ser investigado pela Câmara de Vereadores, onde foi apresentado até um pedido de impedimento.

A vereadora Teresa Bergher conseguiu as assinaturas necessárias para convocar Marcos Luciano, apontado como o chefe do bando de funcionários criminosos que violaram a liberdade individual de expressão e a liberdade das reportagens da TV Globo sobre a saúde pública no Município do Rio.

3 thoughts on “Para justificar o PIB minúsculo, Guedes recorre à poesia de Orestes Barbosa e Olavo Bilac

  1. A PANDEMIA APENAS ACENTUOU A CRISE NO ANO PASADO O CRESCIMENTO FOI PÍFIO.GUEDES E MINISTRO DOS RENTISTAS E NÃO DA FAZENDA E SE NÃO FOSSE O FICA EM CASA TERIAMOS MUITO MAIS CASOS E MORTES QUE SÃO RESPONSABILIDADE DIRETA DE BOLSONAROE GUEDES.

  2. Paulo Guedes é um homem mau. Só pensa em demitir servidores públicos e de estatais.
    Desde 2019 ele promete, promete e não entrega. Seu desempenho na gestão econômica é terrível. O país está afundando na recessão. Dólar nas alturas, desemprego subindo e ele só fala em fechar empresas do Estado.
    Sua agenda para o país é destrutiva, o que provoca medo e depressão em quem está trabalhando e desesperança em quem está a procura de emprego.
    Ele agora deseja demitir funcionários públicos, por mal desempenho, medida que embutiu na Reforma Administrativa enviada hoje ao Congresso.
    Então, ele deveria ser o primeiro a ser demitido, por um desempenho ruim na condução da Economia, que ele mente, dizendo que está decolando. Que nada, a economia está travada e pesada como uma capivara.
    Esse tubarão martelo da Economia, bate, bate, na mesma tecla e promete, promete, mas não entrega nada. São sempre promessas para o futuro.
    Ele precisa ser reformado, e nao propor reformas para prejudica as pessoas.
    Parece que estamos vivendo vem plena Idade Média.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *