Parem de distrair o povo com Escola Sem Partido e vamos melhorar a educação

Resultado de imagem para escola sem partido

Charge reproduzida do Arquivo Google

Jonas Gomes da Silva
Estadão

O artigo apresenta os principais desafios da educação no Brasil e como os políticos tentam distrair a população com assuntos menos relevantes. De um modo geral, um dos principais desafios seria estar entre as cinco prioridades do Congresso. Uma educação com qualidade faz toda a diferença na formação intelectual, social e emocional do ser humano. Apesar da sua relevância, no Brasil o tema não tem recebido a correta atenção, tanto na esfera do Legislativo quanto do Executivo.

SEM PRIORIDADE – Uma pesquisa que fiz este ano sobre o custo, a produção e a produtividade do nosso Congresso mostra que entre jan/10 e jul/2018 a Câmara dos Deputados: a) custou ao contribuinte perto de R$ 39 bilhões; b) teve 1150 deputados que geraram 210.253 proposições, maioria em forma de requerimentos; c) dessas proposições, apenas 208 projetos de lei e PECs foram aprovados (0,1%); d) estes 208 projetos aprovados foram classificados em 17 áreas sendo que quase metade deles (44,7%) não agrega nenhum valor para a maioria significativa da população, pois estão dentro da área Honorífico ou Comemorativo; e) apenas 3 projetos (PL 7639/2010, PL 1025/2011 e PL 5374/2016) na área da educação foram aprovados, ficando em 9º lugar no ranking das áreas e representando apenas 1,4% do total de projetos aprovados.

SEM ATENÇÃO – Outro desafio é o setor educacional receber a correta atenção por parte do Executivo, com a conclusão das obras de construção/reformas e a realização de auditoria nos órgãos envolvidos.

Para mostrar a gravidade da situação, serão exemplificados apenas os casos envolvendo construção de creches. Relatório “Tá de Pé”, publicado em ag/17 pela Transparência Brasil, revelou que: a) após 10 anos de funcionamento dos programas do governo federal PAR e Proinfância, apenas 37% (4.830) das obras foram concluídas, 642 foram canceladas e restam ainda 7.453 obras para serem entregues; b) das 7.453 obras de escolas e creches públicas, 29% encontram-se paralisadas e 17% atrasadas, o que representa 46% das obras que ainda precisam ser entregues; c) foram gastos, pelo menos, R$ 1,5 bi com 1.924 obras paralisadas; d) dados disponíveis sobre as etapas de execução das obras, valores dos repasses, endereços das construções, datas de assinatura de contrato e previsão de entrega são muitas vezes imprecisos ou estão ausentes, evidenciando tanto falta de transparência, como dificuldade do FNDE em fiscalizar e monitorar a execução dos convênios estabelecidos com as prefeituras; e) as obras fiscalizadas in loco apresentaram um atraso médio de 21 % em relação ao que foi atestado pelas prefeituras por meio do monitoramento remoto, e 1/3 das obras não apresenta informações sobre repasses.

SEM INCENTIVO – Um dos desafios do setor é investir em bibliotecas e aumentar o incentivo ao hábito da leitura. Levantamento feito pelo G1 em 2014, com base nos dados do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas, do Ministério da Cultura, revelou que: a) o Brasil tinha 6.148 bibliotecas públicas, ou seja, uma biblioteca pública por 33 mil habitantes. Entre as regiões, a Sudeste tinha 1.968; Nordeste, eram 1.873. A região Sul possuía 1.263, a Norte, 525, e a Centro-Oeste, 519;

Segundo relatório do Instituto Pró-Livro, denominado Retratos da Leitura no Brasil (4ª edição, março de 2016): a) 73% dos entrevistados em 2015 afirmaram que não existe biblioteca comunitária na sua cidade/bairro; b) 66% afirmaram que não frequenta bibliotecas. Entre os estudantes, 34% não frequentam biblioteca; c) dos que frequentam biblioteca, 48% usam biblioteca pública da cidade e 64% usam biblioteca escolar ou universitária; d) 43% declararam que não gostam muito de ler; e) 30% afirmaram que nunca compraram um livro;

ANALFABETOS – Segundo relatório do INAF BRASIL 2018, três em cada 10 brasileiros são analfabetos funcionais, pessoas com dificuldade de fazer uso da leitura e da escrita e das operações matemáticas em situações cotidianas.

Se o caso da construção das creches está preocupante, imaginem como anda a situação das escolas de Ensino Médio, dos Institutos Federais e das Universidades, estes dois últimos casos registram penúrias em termos de investimentos em infraestrutura (ampliação e manutenção), especialmente a laboratorial, cujos laboratórios se encontram defasados em relação ao estado da arte de seus equipamentos e de metodologias de trabalho.

Além disso, há a constante falta de materiais e a perda de bons cérebros, especialmente pesquisadores brilhantes que por falta de apoio acabam indo para a iniciativa privada ou para outros estados ou países.

FUGA DE CÉREBROS – A famosa fuga de cérebros é o efeito mais visível de quão ruim está nosso sistema educacional, de ciência, tecnologia e inovação. Este problema não é novo e o Brasil insiste em ignorá-lo.

Para se ter ideia, um relatório do Sistema Econômico Latino Americano e do Caribe (2009), apontou que: a) entre 1990 a 2007, o número de brasileiros que receberam visto dos EUA dado somente a profissionais de alta qualificação aumentou 242%; b) de 1990 a 2000, quase dobrou de 1,7% para 3,3% a proporção de brasileiros com nível superior vivendo nos 30 países da OCDE, que reúne, na maioria, nações ricas de Europa, Ásia e América do Norte. Outro estudo recente (2018) realizado pela consultoria especializada em expatriação JBJ Partners sobre uma base de dados composta de 240 clientes revela que, nos últimos 4 anos, o percentual de pessoas com formação superior que se mudaram para os EUA subiu de 83% para 93%.

E A QUALIFICAÇÃO? – Segundo o Censo Escolar de 2016, 35,6% dos que atuam em creches estudaram só até o ensino médio. Nos demais anos da educação infantil, 33% dos professores não têm curso superior. Além disso, a gestão educacional precisa ser aperfeiçoada para desenvolver novas abordagens de ensino e criar ambientes participativos para que a família e outras organizações sejam protagonistas.

Os educadores necessitam ter uma carreira valorizada e um ambiente de trabalho adequado, favorável a diversidade para desenvolver programas ou projetos interdisciplinares para os discentes e para as comunidades próximas.

Além disso, há os desafios de combater a evasão, reduzir as disfunções burocráticas, atualizar as grades curriculares para atender as demandas de uma sociedade cada vez mais globalizada, ofertar treinamentos aos docentes, melhorar a gestão educacional, usar as TICs, etc.

PLANO VERGONHOSO – Diante de tantos desafios, é extremamente lamentável que parte do congresso e do novo governo (o plano de governo “caminho para a prosperidade” é superficial, uma vergonha) ignorem esses desafios e foquem atenção em assuntos periféricos como kit gay e Escola sem Partido. Agindo assim, essa gente mostra que não tem interesse em fazer o povo evoluir, pensar.

Em países mais avançados com alto desempenho educacional, o professor não é alvo de ataque dos gestores públicos, pelo contrário é beneficiado com políticas públicas que transformam a profissão em uma das mais atrativas e respeitadas do país. Então, parem de distrair o povo com Escola sem Partido, de tentar cercear a liberdade de pensar dos professores, em vez disso criem vergonha na cara, sejam mais produtivos e comecem a apresentar projetos de lei e políticas públicas para enfrentar e resolver com sabedoria os desafios supracitados.

15 thoughts on “Parem de distrair o povo com Escola Sem Partido e vamos melhorar a educação

    • Excelente fonte! Não a toa, costuma dar vexames em vários comentários.
      Devido a mais ridícula superficialidade.
      Ex: Tenho um propriedade que alugo, venderia para pagar dívidas?

  1. 1) Por falar em fuga de cérebros…

    2) Uma parenta terminou o seu curso de Biomedicina na UFRJ, isso tem 10 anos.

    3) Pensou em fazer mestrado na Fiocruz. Mas o orientador explicou que não havia dinheiro para tal pesquisa, visto que o projeto era muito bom e caro.

    4) Ela pegou o mesmo projeto e enviou para duas famosas universidades da França. As duas aceitaram de imediato e ela teve que escolher uma, claro.

    5) Fez mestrado e doutorado lá, pós-doutorado na Espanha e hoje está na Bélgica, feliz e contente.

    6) Por motivos de matrimônio adquiriu cidadania italiana…

    7) O primeiro mundo não é bobo e investe $$$ na Ciência, na Pesquisa de Ponta, nosso Brasil fica discutindo o sexo dos anjos…

  2. Vamos educar o homem para agir como cita a junção dos dois verbo : Educar + Ação . Hoje em dia , as escolas e as universidades não educam , somente transmitem conhecimentos . Desde criança , o ser é treinado a competir , produzir e consumir . Não é raro se encontrar excelentes acadêmicos ,, mas é raro se encontrar homens educados para agir .

  3. -Pois é…

    “a) após 10 anos de funcionamento dos programas do governo federal PAR e Proinfância, apenas 37% (4.830) das obras foram concluídas, 642 foram canceladas e restam ainda 7.453 obras para serem entregues;
    b) das 7.453 obras de escolas e creches públicas, 29% encontram-se paralisadas e 17% atrasadas, o que representa 46% das obras que ainda precisam ser entregues;
    c) foram gastos, pelo menos, R$ 1,5 bi com 1.924 obras paralisadas;
    d) dados disponíveis sobre as etapas de execução das obras, valores dos repasses, endereços das construções, datas de assinatura de contrato e previsão de entrega são muitas vezes imprecisos ou estão ausentes, ”

    -Esse GOVERNO PETISTA é mesmo TERRÍVEL no quesito educação…
    …e ainda tem a CARA DE PAU de querer ensinar aos outros o que não teve nem a coragem, nem a vontade e muito menos a competência, para fazer.

    -Quanto ao jornalista Jonas Gomes da Silva, teria ele saído de coma hospitalar somente agora, no ocaso do governo petista, ao perceber, TARDIAMENTE, que a educação ministrada no Brasil, nos últimos anos, está no mesmo nível do LIXO?

    -Em todo o caso, já peço adiantado as minhas DESCULPAS caso ele tenha lutado, nas últimas três décadas, contra o sistema que (ainda) está implantado que não consegue educar nem estudante, mas diz que pode educar bandido.

  4. O texto é um emaranhado de deduções inverídicas.
    É um pedido de socorro para o salvamento de um cadáver. Se não fosse trágico, seri apenas algo de mal gosto.
    O jornalista não sabe nada de nada!
    Algumas afirmações beiram o absurdo.
    Distrair o povo? Sem prioridade, sem atenção, sem incentivo, fuga de cérebros, sem qualificação. Puxa, quantas descobertas.
    E finalmente, plano vergonhoso.

    Acho que deve ser o Jonas, aquele que foi engolido pela baleia.

    Caramba, quanta coisa fora do lugar. Me permito dizer que, trata-se do texto mais insólito que li nos últimos 10 anos, tentando falar de educação (???), escola, professores e política.

    Gostaria muito de conhecer e bater um papinho com o autor. Com todo o respeito.
    Aqui no sul, quando alguém tenta se imiscuir em algo que não conhece, a gente diz: “deixa disso”.

    Precisaria de duas ou tres horas para colocar tudo no lugar, mas não vou investir tempo que não disponho no momento.

    mas, para não dizer nada, digo apenas que, quando os pais/responsáveis aceitam colocar seus filhos numa escola tão ruim e delegam a terceiros a educação deles, o que esperar dos políticos?

    Recolho o artigo para uma análise jornalistica.

    Fallavena

  5. A derrocada da educação e cultura no Brasil , faz parte de um projeto neoliberal em que o PT participou , não foi mentor . Tal processo , teve inicio na década de 90 , durante o governo de FHC . Formar o homem para competir , produzir e consumir, esta é a didática do projeto de educação neoliberal implantado no Brasil . Pior é ver idiotas , chamando o PT de partido de esquerda e nomearem Bolsonaro como salvador da pátria . Manter o Brasil como País periférico é a missão destes vira – latas , incluindo Bolsonaro .

    • ” Tal processo , teve inicio na década de 90, durante o governo de FHC . Formar o homem para competir , produzir e consumir, esta é a didática do projeto de educação neoliberal implantado no Brasil.”

      -Competir… Como, se temos uma geração de analfabetos que não sabe digitar um memorando?
      -Produzir? A única coisa que essa geração sabe produzir é filho para a avó criar.
      -Consumir? Só se os pais comprarem ou se venderem um pouco da maconha “de uso pessoal”…

      Culpa do Bolsonaro, claro!

  6. Escola se Partido não é irrelevante. O desastre educacional brasileiro existe porque os professores descobriram que doutrinar em vez de educar rende mais benefícios para eles. Isso acontece porque todo o sistema educacional está aparelhado para promover somente a turma da patota esquerdosa gramsciana ou os puxa sacos de sempre.

    É preciso expor à opinião pública e afastar os responsáveis pela desastre da educação no Brasil. São criminosos, e devem responder moralmente pelo crime de lesa pátria que cometeram!

    E ainda falam em mais verbas! Dar dinheiro pra essa gente é o mesmo que dar mais capim para os burros esperando que eles fiquem inteligentes!

    O velho discurso acabou, ninguém será mais enganado.

  7. Os comunistas estão a décadas destruindo a educação e transformando a escola em fábrica de militantes; agora que estão sendo expostos, querem que a população esqueça o escola sem partido.

  8. A culpa não é de Bolsonaro , ele simplesmente foi comandado a apoiar do esquema durante 28 anos . Se esquece que Bolsonaro se filiou em sete partidos diferentes e todos participaram da base do PT. Bolsonaro não possui características para lidera , mas sim ser liderado , em 28 anos de mandato , apresentou um projeto . Bolsonaro é um mito que possui pés de barro . Parceiro de Temer apoiou a reforma trabalhista , da previdência e outras que vão contra interesses sociais . Foi eleito apenas com quarenta milhões de votos , num montante de cento e cinquenta . Mesmo antes de começar seu governo , já existe uma debandada de seus apoiadores . Vide declaração de um dos seu filhos >

  9. “Não basta saber ler que ‘Eva viu a uva’. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho.”Paulo Freire.

    A doutrinação começa na creche, ficam discutindo marxismo com as crianças e esquecem de ensinar o beabá. Não ficam discutindo o “sexo dos anjos” como o Antonio Rocha falou, ficam discutindo somente o sexo…Se não tirar este foco dos professores não vamos a lugar nenhum.
    Com a progressão automática os professores não sabem que não estão conseguindo ensinar e que os alunos não estão aprendendo e que os pais estão perdendo tempo e dinheiro na formação dos seus filhos, prejudicando o futuro das nossas crianças e do Brasil.
    A CRIANÇA É O PAI DO HOMEM.
    Que pessoa você quer que governe o Brasil daqui 30 anos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *