‘Partido deixou de ser instrumento de mobilização’, diz Lindbergh Farias

Fernando Rodrigues (Folha)

Partido político “virou coisa de eleição” e “deixou de ser instrumento de mobilização das ruas”, constata Lindbergh Farias, ex-líder dos caras-pintadas que em 1992 ajudou a pressionar pelo impeachment do então presidente Fernando Collor.

Há dez anos no poder, o PT e outras siglas de esquerda experimentam “um afastamento” das demandas da sociedade, “principalmente desse contato com a juventude”, afirma Farias em entrevista ao “Poder e Política”, programa da Folha e do UOL. “Acho que houve um descolamento da vida das pessoas”.

Aos 43 anos, hoje senador da República pelo PT do Rio de Janeiro, Lindbergh acumula vasta experiência no currículo sobre protestos de rua. Foi do PC do B, do trotskista PSTU e virou petista em 2001.

Para ele, o PT ficou ao largo dos atuais protestos. “A lógica de estar nos governos acaba distanciando de uma pauta mais real”. E falar de conquistas passadas “não basta mais”, diz ele. “Se nós do PT ficarmos na agenda antiga dos [últimos] dez anos, nós vamos ser superados”.

O petista compara as manifestações de hoje com as de duas décadas atrás e lembra que, no impeachment, demorava até 15 dias para marcar uma passeata. Hoje o movimento é instantâneo por meio das redes sociais.

A composição demográfica também se alterou. “Na minha época era mais juventude de classe média. Agora tem classe média e periferia, que é essa nova classe média.”

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “‘Partido deixou de ser instrumento de mobilização’, diz Lindbergh Farias

  1. Ele acumulou vasta experiência também de outras coisas, vai ter que explicar além de vários processos, o rombo de milhões da Prefeitura de Nova Iguaçu, e ainda tem a decisão do TJ, que o tornou inelegível.
    Mais uma matéria amiga.

  2. Ele mesmo dizia cobras e lagartos do PT nos anos 90, mas estava prestes a completar 30 anos e, diante do dilema de enfrentar o batente da vida laboral com carteira assinada para se aposentar afadigado aos 65 pelo INSS ou baixar a crista diante da picaretagem, preferiu a última opção, mais cômoda e lucrativa, isto é, “a agenda antiga dos últimos dez anos”, como agora confessa com a grana dos munícipes de Nova Iguaçu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *