Patinando na lama sem achar o caminho

Luiz Tito
O Tempo

O tempo passa, as soluções não acontecem, os problemas se agravam e, a cada dia, o país está mais fraco e vulnerável.

Políticas públicas eleitoreiras, o inchamento da folha de salários com cargos produzidos por mero apadrinhamento político, a desnecessária presença da União, dos Estados e municípios em empresas condenadas à ineficiência pela incapacidade e o descompromisso quase generalizado dos gestores públicos; a corrupção amplamente denunciada pela imprensa e sob extensa apuração e julgamento do Judiciário – tudo isso faz parte do acervo de mazelas que formam o nosso patrimônio e reputação, e o conceito de que o Brasil goza na avaliação dos investidores, das instituições de fomento e de mensuração de risco das quais dependemos.

TUDO DE NOVO

Essa miséria não foi construída em dias; ela está entre nós há décadas. Já tivemos inflação de quase três dígitos, dólar beirando R$ 4,00, desemprego em níveis assustadores, corrupção, que deixou milhares de espertos milionários. Também não é de hoje que temos cargos comissionados distribuídos aos baldes, expedientes e mutretas que produzem aposentados aos 50 anos, geralmente funcionários públicos que se retiram com vencimentos e benefícios integrais. Senado e Câmara dos Deputados, assembleias estaduais, tribunais de contas e câmaras municipais, sem exceção, são fortes cabides de empregos com benefícios, muitas vezes, considerados, no mínimo, imorais.

MÁQUINA INERTE

A ineficiência da máquina pública está também presente no Poder Judiciário, onde as decisões não acontecem em processos que se arrastam, milhares, há décadas, consolidando sua espera irreparáveis prejuízos aos que demandam justiça.

Quem reclama da ineficiência do agente público, ou não tem qualquer solução de seu problema ou corre o risco de ser retaliado, ter seu processo ou requerimento ou pedido recolocado no final da fila. Ou negado, por capricho. É assim. Ponto.

Nada de novo e sei que tudo isso é o que se denuncia todos os dias.

OPOSIÇÃO DÉBIL

Falar sem nada fazer é quixotesco e, infelizmente, essa é a moldura da nossa realidade. Uma oposição política descaracterizada, débil, sem projeto, sem propostas e sem alternativas a não ser vociferar pelo impeachment da Dilma.

E o que virá, se Dilma for deposta? Assumirá Michel Temer ou teremos novas eleições? Está apenas na deposição de Dilma e sua troca pelo PMDB ou pelo PSDB a solução do Brasil? O Brasil é só o Poder Executivo e seu/sua chefe?

3 thoughts on “Patinando na lama sem achar o caminho

  1. …expedientes e mutretas que produzem aposentados aos 50 anos…
    soi un jerico apaniguado: el comesso al trabajo 16 anios, manhana, tardeda, noiteda inté 18 anios; empós, trabajo e estudios a la facultate, pos 5 anios; empós 30 anios, despusentados 46 anios: 30 anios contribuicion a INSS e caja de ajuda complementare cun R$ 3.000,00 (3,5 SM); …politicos son trabajadores con 8 anios e despusentados CUN R$……..? cuanto valen?…rayos qui non mim partam…

  2. É, de fato esta miséria está entre nós há décadas. Pena que o Lula assumiu o poder prometendo que ia acabar com isso tudo e que não teria corrupção no governo nunca mais…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *