Paulo Guedes anuncia reformulação do Bolsa Família que passará a se chamar Renda Brasil

Governo quer imprimir marca social e desvincular iniciativa de petistas

Marlla Sabino e Emilly Behnke
Estadão

O ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou nesta segunda-feira, dia 8, que o governo apresentará um novo formato do Bolsa Família, que passaria a se chamar Renda Brasil.  O chefe da pasta de economia fez uma breve explicação do que seria o programa de auxílio para famílias de baixa renda em reunião com outros ministros e lideranças partidárias.

Guedes disse aos parlamentares que a intenção seria tirar faixas da população da linha de pobreza após a pandemia do novo coronavírus, mas não deu detalhes sobre valores e prazos para lançamento. Os ministros Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo da Presidência, e Braga Netto, da Casa Civil também participaram da conversa.

MARCA SOCIAL – A reformulação seria uma forma do governo deixar sua marca social e desvincular a imagem do programa de gestões petistas. A intenção já era anunciada desde o ano passado pelo então ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, hoje à frente da pasta da Cidadania. Atualmente, 13,9 milhões de famílias estão cadastradas no Bolsa Família.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, Onyx chegou a mencionar a proposta nesta segunda. Segundo ele, o governo trabalha em um programa de renda mínima. Ele afirmou que a intenção é criar uma porta de entrada para os mais vulneráveis, para que possam ficar o tempo que precisarem de ajuda. “Não pode todo mundo viver às custas do Estado”.

AUXÍLIO EMERGENCIAL – Guedes falou ainda aos parlamentares os planos do governo de conceder outras duas parcelas do auxílio emergencial no valor de R$ 300. A proposta aprovada em abril pelo Congresso, garantiu pagamento de R$ 600 mensais por três meses. O governo ainda pagará a última parcela. O programa já concedeu o benefício a 58,6 milhões de brasileiros.

A equipe econômica avalia editar uma Medida Provisória (MP) para ampliar o período de duração do auxílio, criado para dar suporte a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais durante o período mais agudo da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

BOA SAÍDA – Inicialmente, a equipe econômica cogitou prorrogar o auxílio em três parcelas de R$ 200, mas o valor estava sendo visto como baixo para repassar às famílias. Por isso, a ideia de pagar mais duas prestações de R$ 300 tem sido considerada uma boa saída por manter o custo adicional ao redor dos R$ 50 bilhões e ainda prestar assistência às famílias por um período maior que o inicial, uma vez que elas ainda estão sentindo no bolso os efeitos da crise.

A prorrogação do benefício deve ser um primeiro passo na direção da discussão mais ampla sobre a criação de uma renda básica no Brasil. Como mostrou o Estadão/Broadcast, a equipe econômica quer atrelar esse debate a uma revisão de gastos sociais considerados ineficientes. Na mira dos técnicos estão gastos como abono salarial, seguro-defeso (pago a pescadores artesanais no período de reprodução dos peixes, quando a pesca é proibida) e farmácia popular.

Na área econômica, a avaliação é de que esse debate deve começar, mas “sem pressa”. A ideia é discutir detalhadamente como melhorar a alocação dos recursos que já existem no Orçamento para fortalecer as políticas sociais e melhorar a distribuição de renda. Alguns dos benefícios existentes hoje, como o próprio abono ou a farmácia popular, acabam contemplando inclusive famílias de renda mais alta.

6 thoughts on “Paulo Guedes anuncia reformulação do Bolsa Família que passará a se chamar Renda Brasil

  1. Mais uma idiotice. Muda a denominação mas a bagunça continua a mesma. No meu tempo de Previdência sugeri que se fizesse um registro único através de uma anotação alfanumérica, para todos os brasileiros. Assim teríamos como saber o nascimento, vida escolar, casamento , empregos, etc. Teríamos, assim, um controle de contribuiçao ;e controle de tempo de serviço

    Para minha surpresa, um iluminado puxa-saco, me perguntou de onde tinha tirado essa idéia maluca?
    Respondi que plagiava a Somerset House, orgão de controle de um atrasado país: a Inglaterra

  2. Elmir, nada de idiotice, pura estratêgia eleitoral, Veja bem, o clã JB iniciou a campanha eleitoral de 2022 para a presidência, em 1º/01/2020 como e sabido, e aí, depois das primeiras manobras preparatórias como recrutamento de cabos eleitorais para manterem as manifestações de rua, Alvorada Planalto e acompanharem e abraçarem o Mito(sem mascara) nas padarias e feras da periferia(como ele é popular), passaram organizar a propaganda digital via redes sociais e contratar os porta-vozes, influencers e robôs. Tudo organizado, passaram a imaginar quais seriam as táticas de contraofensiva do inimigo e lembraram que o bordão “ele vai acabar com o Bolsa Família” roubou milhões de votos em 2018, e aí nada mais fácil, acabar com o vínculo nominal entre Bolsa Família e PT (oposição). Bingo

  3. Santa Demagogia, o que começou como um incentivo à frequência à escola, criado por influência da esposa do FHC, foi sequestrado pela demagogia pestista que transformou o incentivo em programa de transferência de renda. Na verdade não passa de uma esmola dada pelo governo federal. Agora a demagogia vai mais fundo, tudo como nos tempos do pestismo militante, manter o povo dependente e dependendo como sempre, das bondades vindas de Brasília.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *